[Resenha] O Substituto – Philippa Gregory

0
Capa do livro, uma mulher de pele branca e ombros desnudos, está deitada de olhos fechados em um gramado. O topo da cabeça aponta para a base do livro. Seus cabelos compridos e castanhos se espalham cobrindo boa parte da capa, algumas poucas pétalas de flores sobre parte do cabelo. Na base o título do livro.

Em “O substituto”, livro escrito por Philippa Gregory e publicado pela editora Galera Record, com tradução de Ryta Vinagre, acompanhamos a história de Luca Vero, jovem padre que foi acusado de heresia e tem por opção queimar na fogueira ou aceitar fazer parte da “Ordem”. Em sua primeira missão como membro dessa misteriosa organização, ele precisa descobrir se a abadessa de Lucretini é realmente uma bruxa ou encontrar uma explicação lógica para os estranhos fenômenos que acontecem no convento.

O mundo assombrado por demônios

Se durante a crucificação de Cristo foram usados quatro cravos para a construção da cruz mais três cravos para fixar o corpo a ela, e se cada cravo tinha em média 12 centímetros, quantas relíquias sagradas poderiam existir oriundas dessa crucificação?

Talvez você esteja se perguntando: “Quem começa uma resenha com um problema de matemática”? Mas é exatamente esse problema de matemática que faz com que Luca Vero seja acusado de heresia e expulso de seu monastério.

Em uma época onde as coisas aconteciam pela vontade de Deus ou pela influência do Diabo, questionar a veracidade das relíquias sagradas é arriscado. Contudo, mesmo em 1453, alguns apreciam o raciocínio lógico de Luca, e assim ele é recrutado pela Ordem das Trevas, um braço da Igreja que tenta entender o mundo e investigar relatos de ordem sobrenatural.

Em sua primeira missão, Luca é enviado à abadia de Lady Isolde, herdeira do Castelo de Lucretili que foi trancada no convento pelo irmão, para que com isso ele se tornasse o único herdeiro. Desde a chegada de Lady Isolde e de Ishraq, criada de Isolde, as freiras relatam sonhos estranhos, episódios de sonambulismo e algumas apresentaram estigmas iguais aos do Cristo Crucificado. Agora, cabe a Luca e Freize, seu ajudante, inquirir a abadessa e sentenciar se os acontecimentos são um milagre ou obra de satã, mesmo que a sua decisão resulte em duas jovens queimando na fogueira.

É tudo história, mesmo na ficção

Para quem não conhece Philippa Gregory, ela é um dos grandes nomes da literatura histórica inglesa. Autora do livro “A irmã de Ana Bolena”, que foi adaptado para o cinema no filme “A outra”, possui uma série de livros que abordam a família Tudor e a Guerra das Rosas, também adaptada para o audiovisual.

Diferente dessas duas séries, que retratavam fatos históricos de pessoas reais, os personagens centrais de “O substituto” são fictícios. Todavia, a construção da sociedade, o poder que a Igreja tem sobre as vidas das pessoas e a crença no sobrenatural eram reais na Europa do século XV. Inclusive, como a própria autora relata no final do livro, a “Ordem das Trevas”, embora fictícia, foi baseada na “Ordem do Dragão” do século XV, que nas palavras de Philippa foi criada “para defender a cristandade contra a ascensão aparentemente irreprimível do Império Otomano muçulmano”.

O Substituto, além de ser um livro histórico, é uma aventura (deixando claro aqui que não tenho nada contra livros históricos), mas ele consegue agradar tanto aqueles que buscam conhecer uma sociedade medieval quanto aqueles que querem conhecer as aventuras de Luca Vero e quais coisas fantásticas a sua missão o levará a descobrir. Em uma sociedade onde tudo era regido pela Igreja, o raciocínio lógico de Luca está o tempo todo colocando à prova até onde vai o sobrenatural e onde inicia a simples falta de conhecimento.

Vale destacar também os “ajudantes”. Diferente de Luca, Freizer entrou para o monastério como trabalhador. Ele não teve a formação que Luca pôde usufruir, mas em alguns momentos ele apresenta o um raciocínio tão rápido quanto o de Luca. Dono de um humor afiado, Freizer traz um tom cômico para o livro.

Já Ishraq, ajudante de Isolda, foi trazida do Oriente Médio pelo Lorde de Lucretili. Mesmo tendo sido criada na Europa Medieval, ela pode crescer dentro da religião e da cultura de seu povo. Diferente de Isolde, que aprendeu bordado, canto, música e outras atividades consideradas adequadas a uma dama da época, Ishraq sabe lutar, conhece medicina, botânica e fala várias línguas. Mesmo Isolde sendo uma nobre, ela não tem direito de escolha sobre a própria vida, simplesmente por seu uma mulher. Usar a vontade de Deus para oprimir as mulheres é uma tática utilizada até hoje, dando uma justificativa para que homens as inferiorizem. Ishraq sofre os mesmos preconceitos, além do preconceito religioso já que a mesma é considerada uma herege por não ser cristã.

“Certamente Deus jamais falou comigo, se é que já falou com alguma mulher”.

A presença de duas mulheres com habilidades distinta, mas que se tornam vítima da sociedade, mostra que o que uma mulher pode ou não fazer está simplesmente limitado às oportunidades que ela tem, e como a fé instiga para que homens deixem de enxergar as mulheres como suas iguais.

Acredito que a personalidade de Isolde e Ishraq abre espaço para que elas se tornem personagens importantes na história, não apenas a donzela que precisa de socorro, coisa que eu realmente espero que ela faça nos próximos livros da série.

Nota

3 selos cabulosos e meio
3 selos cabulosos e meio

 Garanta a sua cópia de “O Substituto”!

Ficha Técnica

Título: O Substituto
Autor: Philippa Gregory
Tradução: Ryta Vinagre
Editora: Galera Record
Ano: 2015
Páginas: 272
ISBN:  9788501403193
Sinopse: Dotado de beleza e inteligência fora do comum, Luca Vero foi visto com desconfiança durante toda a vida… até que o jovem é acusado de heresia. Para escapar da fogueira, aceita se tornar membro de uma Ordem misteriosa cujo objetivo é investigar estranhos relatos que assombram o mundo cristão. Para vencer seus inimigos, Luca se une a uma aliada improvável – Isolde, de 17 anos, fora aprisionada como abadessa de um convento cujas freiras sofrem constantes ataques de histeria. Além disso, os dois precisam combater a crescente atração que sentem um pelo outro. Ou podem acabar num inferno jamais imaginado.