[Resenha] Os Melhores Contos de Fadas Nórdicos

0
[Resenha] Os Melhores Contos de Fadas Nórdicos
Capa do livro. Um fundo azul, com algumas formas geométricas douradas e pretas ao redor da capa. No centro o título em branco e dourado, com a palavra Nórdico em destaque, dourada e com fonte estilizada.

Trolls, reinados e casamentos, esses são alguns dos ingredientes básicos para as aventuras encontradas em “O Melhores Contos de Fadas Nórdicos”.

Estamos acostumados com os contos de fadas que nos foram passados enquanto crescíamos, sejam em livros ou mesmo adaptações cinematográficas, mas ainda assim a leitura da obra nos traz uma sensação nova devido não apenas aos contos inéditos, mas também a variedade do ritmo das narrativas, somado a imersão cultural e geográfica que elas nos oferecem em mais de 300 páginas que a Editora Wish nos trouxe através de financiamento coletivo do Catarse.

O livro traz 25 contos, um prefácio de Lícia Dalcin, e breves apresentações do autores originais. Hans Christian Andersen é um desses autores, talvez o nome mais famoso dentre os demais, devido as suas obras como “A Pequena Sereia”, entre outras. Ele divide espaço com mais 11 autores (homens quanto mulheres).

Já os contos são divididos em dois grupos: o primeiro sendo composto por contos populares; o segundo por contos raros, com uma “seleção de histórias inéditas, especiais ou que ainda não haviam sido publicadas em idioma português”.

A presença dos contos raros e o belíssimo trabalho gráfico fazem jus a proposta de ser uma edição de colecionador, que aliás não fica sozinha, pois a Wish também já tem publicado o “O Contos de Fadas em suas versões originais” e “Contos de Fada Celtas”, ambos com estética semelhante. A beleza da edição está tanto na capa azul quanto nas fontes e detalhes na parte interna do livro, além, é claro, das dezenas de ilustrações vindas de livros antigos.

A questão nórdica

A palavra “nórdico” no título pode levar alguns a pensar que os contos se tratam de certos deuses guerreiros bem conhecidos. Não é isso, mas ainda se mantêm certa relação. O “nórdico” se deve aos contos fazerem parte das regiões da Suécia, Dinamarca, Islândia, Finlândia e Noruega (ou seja, países nórdicos). Ainda assim veremos gigantes, trolls, elfos, e um certo Odin, que foi tratado de forma rápida e extremamente inusitada. O fantástico dos antigos povos dessa região ecoa no contos tradicionais populares. Além de animais falantes e diversos elementos já bem comuns desse tipo de literatura.

Existem detalhes que fazem o livro acertar maravilhosamente bem, que são tanto as descrições dos autores dos contos quanto uma breve descrição do de cada história. É algo simples, mas que torna a obra mais do que uma literatura para entreter, e sim uma fonte de conteúdo. É interessante saber de onde vem cada conto, quais são versões de histórias já bem conhecidas por nós, quais se baseiam em temas folclóricos, e por aí vai.

Além de uma mera leitura

“Contos de Fadas Nórdicos” pode ser saboreado tanto pelo entretenimento de seus contos, como também pela análise cultural, simbólica e de escrita.

Eu fiz questão de analisar isso e me chamou a atenção a clara semelhança que alguns contos apresentam com narrativas míticas, tendo histórias de amores trágicos muito comuns em mitos. Além é claro dos personagens fantásticos como elfos, gigantes, bruxas e principalmente, os trolls!

Essas repugnantes criaturas parecem nos perseguir durante a leitura, surgindo em vários dos contos, sempre como obstáculos aos protagonistas. Dessa forma, não posso deixar de citar um dos meus contos favoritos que é “A Criança Trocada”, onde trata da superstição muito comum dessa região onde se diz que, ao menor descuido dos pais, uma criança pode ser roubada e trocada por uma prole de um troll.

Ainda sobre o simbolismo encontrado, algo que é bom citar, para que o leitor já esteja preparado, é o elemento trino presente em quase todos os contos. Em alguns casos o ritmo da história é envolto disso, e a princípio pode até parecer estranho e repetitivo, onde o protagonista passa por situações quase idênticas três vezes. Sendo comum a narrativa conter três antagonistas, três personagens, três caminhos ou o que for, o leitor logo perceberá que é proposital, que não está ali por mero descuido, muito pelo contrário.

Sons & Ritmos

Essa particularidade no ritmo de alguns dos contos ajuda a criar uma variedade no livro como um todo, pois intercala com outras histórias que apresentam narrativas diversas, chegando até a incluir uma canção clássica Norueguesa. Pessoalmente, essa variedade no ritmo e estilo narrativo é mais do que bem-vindo numa obra que traz contos de diversos autores.

Essa obra vale a leitura de cada página, partindo da belíssima capa. É um livro que ressalta aos olhos em nossa coleção e alimenta nossa imaginação, transportando quem lê para outros tempos e lugares fantásticos.

Contos Populares

A leste do sol e oeste da Lua
Peer Gynt
Por que o mar é salgado
A noiva da floresta
Kari capa dura
A criança trocada
O Rei dragão
O castelo de Soria Moria
A giganta e o barco de granito
O gato em Dovrefjell
Poderoso Mikko
Rei Valemon, o urso branco

Contos Raros

A flor da Islândia
Lindaura e o velho Rei
Lasse, meu vassalo
O anel
Noiva galhuda
O homem de neve
Heiemo e o Nøkk
A Saga do Alce e da Princesa Tuvstarr
Pernacurta e os Trolls
O monte élfico
O vizinho subterrâneo
Tempestade mágica
A Última morada dos gigantes

Nota

Cinco selos cabulosos. A maior nota do site.
Cinco selos cabulosos. A maior nota do site.

 Garanta a sua cópia de “Os Melhores Contos de Fadas Nórdicos – Edição de Colecionador”!

Ficha Técnica

Título: Os Melhores Contos de Fadas Nórdicos – Edição de Colecionador
Autor: Vários
Tradução: Cláudia Mello Belhassof, Camila Fernandes, Carlos Rabelo, Felipe Lemos e Yuri Fabri Venancio
Editora: Wish
Ano: 2019
Páginas: 320
ISBN: 978-8567566177
Sinopse: Em montanhas gélidas e fiórdes agitados, contadores de histórias dos países nórdicos fantasiavam com aventuras, trolls, gigantes e anéis encantados. A curadoria especial de 25 contos selecionados resgata uma das versões de Cinderela e Aladdin, além de diversos enredos originais e tradicionais que eram contados de pais para filhos em países como Suécia, Dinamarca, Islândia, Finlândia e Noruega. Mais de 40 ilustrações extraídas diretamente dos livros antigos embelezam as páginas desta edição de colecionador, destinada a saciar a curiosidade de jovens e adultos.