[Resenha] A Morte de Ivan Ilitch – Leon Tolstói

[Resenha] A Morte de Ivan Ilitch – Leon Tolstói
Capa do livro, um fundo claro com manchas escuras. Em primeiro plano, cobrindo todo o livro, o nome do autor em vermelho, e logo abaixo o título do livro em preto.
Publicada pela primeira vez em 1886, a novela A Morte de Ivan Ilitch escrita por Liev (Ou Leon) Tolstói intriga ao tratar de um assunto tão tabu: a morte. 

“Chorou como uma criança. Chorou por causa do seu enorme enfraquecimento, e terrível abandono em que a família o deixava e pela crueldade e ausência de Deus.” – A Morte de Ivan Ilitch

A Morte de Ivan Ilitch

Como você imaginaria que um livro cujo personagem principal morre deveria começar?

Se você disse que imagina que começaria já com a morte deste personagem sendo anunciada, então você acertou como Tolstói começa esta novela.

Ivan Ilitch é um prestigiado juiz da alta corte Russa, cuja vida foi recheada de dramas amorosos e familiares, causados tanto pela sua amarga e desinteressada esposa Prascóvia Fiodoróvna, quanto por Lisa, sua amada filha que acaba tendo sua personalidade muito influenciada pela personalidade conturbada da mãe.

Mas, como os dramas comuns da vida não são o suficientes para completar a atribulada vida de Ivan Ilitch, ao decorrer do livro, descobrimos que ele desenvolve uma doença terminal, de misteriosa origem e solução, que aos poucos vai retirando dele tudo o que ele mais ama: o trabalho, o jogo de uíste com os amigos e a vida em família, que Ivan tanto valoriza apesar de todos os problemas. Sua vida vai definhando junto com o seu corpo, e aos poucos vemos Ivan se tornar uma pessoa totalmente dependente de ajuda, fraca e moribunda.

É um triste e doloroso regresso que o personagem tem em sua vida, e que é detalhado pelo escritor ao longo da história. Os detalhes são tão precisos, pois mesmo sendo narrada em terceira pessoa, a história tem muito aprofundamento na mente de Ivan, que é possível conseguir sentir toda a agonia e tristeza que o personagem vai aos poucos sentindo devido à doença, é um verdadeiro mergulho no personagem e em suas aflições.

Biografia

Leon Nikolaievitch Tolstói, genial escritor russo, nasceu em 1828 em Iasnaia Poliana. Filho de uma importante família ligada aos Czares, ficou órfão ainda criança. Freqüentou a Universidade de Kazan, onde estudou línguas orientais e direito. Em 1847, por herança, tornou-se senhor de vastas terras em Iasnaia-Poliana, daí o porquê de ser também conhecido por Conde de Tolstói. Depois de ter servido no exército, em 1856, viajou pela Europa visitando vários países, regressando então à sua terra natal para administrar suas terras e dedicar-se à literatura. Em 1861, voltou novamente à França para visitar seu irmão que estava doente, aproveitando para se encontrar com Proudhon.

Com uma vida pessoal cheia de conflitos e uma personalidade dividida, Tolstói aproximou-se, gradualmente, de uma posição pacifista e anarquista, recusando toda forma de governo e poder. Na sua terra natal criou uma escola marcadamente libertária, próxima das experiências de Ferrer e da Escola Moderna, tendo pessoalmente escrito os livros usados nas salas de aula.

Seus textos autobiográficos A minha confissão e Qual é minha fé foram apreendidos, mas, mesmo assim, tiveram ampla difusão clandestina. Perseguido e excomungado pela Igreja, seus últimos anos foram de engajamento social. Os escritos filosóficos influenciaram o aparecimento de comunidades e de uma corrente de anarquismo cristão, sobretudo na França, Holanda e nos Estados Unidos. Exerceu também, juntamente com Kropotkin e Thoreau, forte influência sobre um dos mais importantes pacifistas modernos: Gandhi, com quem chegou a manter correspondência.

Tolstói, profundo pensador social e moral e um dois mais eminentes autores da narrativa realista de todos os tempos, depois das suas primeiras obras – entre outras, as autobiográficas Infância (1852)Contos de Sebastopol (1855-1856), baseado em suas experiências na guerra da Criméia –, escreveu Guerra e paz (1865-1869)Anna Karenina (1875-1877). Considerado um dos romances mais importantes da história da literatura universal e uma das obras-primas do realismo, Guerra e paz é uma visão épica da sociedade russa entre 1805 e 1815. Dela emana uma filosofia extremamente otimista, que atravessa os horrores da guerra e a consciência dos erros da humanidade.

Entre os romances breves de Tolstói, o mais importante é Anna Karenina, um dos melhores romances psicológicos da literatura moderna. Em Uma confissão (1882), descreve sua crescente confusão espiritual e, após o eloqüente ensaio Amo e criado (1894), escreveu Que é a arte? (1898), no qual condena quase todas as formas de arte, incluindo as próprias obras.

Defendeu uma arte inspirada na moral, na qual o artista comunicaria os sentimentos e a consciência religiosa do povo. A partir de então, escreveu numerosos contos breves, sendo o mais conhecido A morte de Ivan Ilitch (1886). Outras obras de destaque são: A sonata de Kreutzer (1889) e seu último romance, Ressurreição (1899).

Aos 82 anos, cada vez mais atormentado pelas contradições entre sua conduta moral e a riqueza material da sua família, e também devido aos constantes atritos com a esposa – que se opunha a desfazer-se de suas posses – Tolstói, acompanhado pelo seu médico e pela sua filha caçula, foi embora de casa no meio da noite. Três dias mais tarde, seu estado de saúde se agravou em decorrência de uma pneumonia. Morreu no dia 20 de novembro de 1910, em uma estação ferroviária.

Nota

Cinco selos cabulosos. A maior nota do site.
Cinco selos cabulosos. A maior nota do site.

 

 

 

 

Garanta a sua cópia de A Morte de Ivan Ilitch e boa leitura!

Ficha técnica

Não esqueça de adicionar ao seu Skoob

Nome: A Morte de Ivan Ilitch
Autor: Leon Tolstói
Editora: LPM Pocket
Ano: 2017
Páginas: 112
ISBN-13: 9788525406002
ISBN-10: 8525406007
Sinopse: Esta obra mostra a história de um burocrata medíocre, Ivan Ilitch, um juiz respeitado que depois de conseguir uma oferta para ser juiz em uma outra cidade, compra um apartamento lá, para ele, sua mulher, sua filha e seu filho morarem. Ao ir para o apartamento, antes de todos, para decorá-lo, ele cai e se machuca na região do rim, dando início à uma doença.