[Resenha] Cartas para Helen – Hicky Carrera

[Resenha] Cartas para Helen – Hicky Carrera
Recorte da capa do livro. Como fundo, visto de cima, uma mão sobre um papel branco em uma mesa, a o lado uma xícara de café. Em primeiro plano, simulando estar escrita com sangue, o título: "Cartas para Helen"

Com uma proposta aparentemente comum, “Cartas para Helen” surpreende ao contar uma história de terror utópico cheia de surpresas e plot twists bem escritos e colocados.

Cartas para Helen

O livro conta a história de um mundo pós-apocalíptico, onde, de um dia para o outro, as pessoas começaram a ser infectadas por algo que as deixou completamente violentas e bárbaras, como se fossem neandertais, só que mais violentos e irracionais.

No começo somos apresentados aos dois personagens que serão os principais durante quase toda a história: Nick e Arthur. Entretanto, o primeiro capítulo trata de outro personagem, o Nicolai, peça chave para o desenrolar de toda a trama. Infelizmente, este personagem é pouco explorado no livro, dando uma sensação de “quero mais” quando o vemos no começo, e ele somente aparece na história novamente alguns capítulos depois.

Nick é um homem jovem que sobreviveu ao tal apocalipse e está andando a esmo em busca de uma resposta para solucionar todo aquele caos, e é nessa busca que ele conhece Arthur, um jovem que está sempre na defensiva e que mora em uma igreja católica, lugar onde os dois se conhecem.

O que se passa depois dos dois se conhecerem é uma jornada por soluções e respostas, intercalando com capítulos onde contam a história desses dois personagens antes de todo o caos acontecer, e com algumas cartas que ambos encontram. Curiosamente, além dessas cartas que eles encontram, Nick também carrega cartas para entregar a uma moça.

No meio da trama, somos apresentados a uma personagem que aparentemente não parece que terá tanta relevância na trama, mas que acaba se tornando o elo de sanidade de Nick e Arthur: Ana.

Com o trio formado, é possível ver, de maneira mais clara, como os três personagens são completamente diferentes um do outro, ponto positivo da história, pois pela fala é possível identificar a personalidade dos personagens.

Um pequeno “porém”

Entretanto, mesmo tendo um final surpreendente e muito bom, a história tem algumas falhas.

O nome do livro (Cartas para Helen) nos dá uma expectativa diferente daquilo que encontramos na história. O título só vai ser explicado no fim, ou seja, durante todo o livro fica-se tentando entender o título.

O personagem Nick, no começo, confunde-se com o personagem Nicolai por terem nomes muito parecidos. Sendo Nicolai um personagem tão importante quanto Nick e pouco explorado, ficamos na vontade de tê-lo mais envolvido na trama, coisa que só acontece no final.

Por último, mas não menos importante, durante toda a trama, Nick escreve diversas vezes em vários papeis, mas, no final, só temos acesso a um dos papeis que ele escreve. Não é bem uma falha, mas deixa a gente bem curioso.

Finalizando as Cartas para Helen

Mesmo com algumas falhas, Hicky Carrera conseguiu escrever um livro que é criativo, bem escrito e extremamente interessante. Um livro brasileiro de terror que dá gosto de ler.

Biografia

Escritor, músico e compositor, Hicky Carrera começou a escrever aos 13 anos, com um blog de temática de “zumbis” atualizado semanalmente. Ao passar dos anos, ganhou experiência escrevendo poemas, contos e composições para suas bandas. Depois do lançamento do CD intitulado “Coelhos Radioativos – O Rolê Infinito” com diversas composições suas, e de ter alcançado a final no Mapa Cultural Paulista com um de seus contos, decidiu finalizar seu primeiro livro iniciando sua carreira na literatura.

Nota

5 selos cabulosos

Garanta seu Cartas para Helen no link abaixo e boa leitura!

logo da “amazon” em preto num fundo amarelo

Ficha Técnica

Não esqueça de adicionar ao seu Skoob

Nome: Cartas para Helen
Autor: Hicky Carrera
Edição:
Editora: Selo Jovem
Ano: 2017
Páginas: 200
ISBN: 9788566701845
Sinopse: “Entreguem… Entreguem para ela…”
Essas foram suas últimas palavras. Sob uma cidade destruída e abandonada, dois sobreviventes são testemunhas desse pedido. Em suas mãos, um punhado de cartas destinadas a uma mulher, e em volta, gritos anunciando o perigo.

A única saída é fugir. A única maneira é se esconder. A única chance é lutar.
Um mistério que os persegue até o fim, enquanto leem cada linha das cartas que carregam, que não só lhes dão uma esperança de sobreviver, como revelam a verdade por trás da catástrofe que os rodeiam.