CabulosoCast #194 – Filhos do Éden: Paraíso Perdido

25

Olá Cabulosos e Cabulosas do meu Brasil e Booklovers de todo mundo! Neste capítulo, eu (Lucien o Bibliotecário) convidei Vilto Reis e Alexandre Carfer para juntos falarmos sobre o último livro da trilogia Filhos do Éden: Paraíso Perdido do Eduardo Spohr. Livro que abre as portas para A Batalha do Apocalipse. Um bom episódio para vocês!

Agradecimentos Paulo Carvalho do Caixa de Histórias | A. J. Oliveira dos 12 Trabalhos do Escritor | Daniel Marques e André Wallace do Anime-se | Igor Rodrigues do Drone Saltitante | Kell Bonassoli do podcast Faz Bem | Rebecca Agra do canal Passei Dessa Fase

Atenção!

Para ouvir basta apertar o botão PLAY abaixo ou clique em DOWNLOAD (clique com o botão direito do mouse no link e escolha a opção Salvar Destino Como para salvar o episódio no seu pc). Obrigado por ouvir o CabulosoCast!

Quer baixar o episódio em arquivo rar?

Para baixar a versão em zipada clique aqui, em seguida cole o link de download e clique na opção convert file.

Citados durante o programa

Compre

Mídias Sociais

Assine nosso Feed

Nossa Página no iTunes

Nossa Página do You Tuner

  • Rodrigo Basso

    kkkkkkkkk
    Eu também recebi uma cartinha do Spohr com os 3 primeiros capítulos e, assim como todos os presentes neste podcast, TAMBÉM publiquei com o endereço dele visível kkkkkk! Só depois que vi o Lucien corrigindo a postagem dele, colocando uma tarja preta em cima do endereço que percebi e corrigi o meu também!
    Caraca, é cada vacilo que nós fazemos que eu vou te cantar, viu…

  • Vinicius

    Episódio muito bom, pessoal, parabéns. Principalmente as narrações!
    Apesar de já ter lido esse livro, gostaria de participar do sorteio para tê-lo autografado hahaha
    Falando sobre a obra do Spohr, Anjos da Morte é disparado o melhor dos 4 livros, tanto em enredo quanto em narrativa. Já o fechamento, Paraíso Perdido, me incomodou um pouco a primeira parte em Asgard, achei um pouco arrastada, mas a partir da segunda parte a história engrenou para mim de uma maneira incrível, com um final bem satisfatório.

    • Lucien o Bibliotecário

      Vinícius,

      desejo boa sorte no sorteio, meu amigo. Poderia deixar o email para, caso sorteado, possa entrar em contato?

      Abraços.

      • Vinicius

        Perdão pelo vacilo, Lucien. É aquela velha história do cara que acha que é de casa e já chega abrindo a geladeira hahaha

        vinicius.gb7@gmail.Com

  • Marcone Chamone

    O Spohr é um dos meus autores preferidos. Esse é o único livro que falta na minha coleção, por isso gostaria muito de participar do sorteio.

    • Lucien o Bibliotecário

      Marcone,

      poderia, por favor, deixar o email aqui, para caso seja o vencedor do sorteio eu possa entrar em contato? E boa sorte no sorteio.

      Abraços.

  • Gille Louback

    òtimo episódio e ótimo final pra trilogia do spohr ,sobre o ismael ,apesar de seus métodos ele nunca traiu a kaira e causa

    [SPOILERS] assim como o levih deformado que o ismael vê quando chega ao hades o ismael deformado que a kaira ve no final não são os seus antigos companheiros ,ambos estão mortos ,oque nós vemos é o demonio raptor o sirith que assumiu as formas e habilidades dos falecidos assim ele fez com o zarion o querubim guarda costas da kaira durante a terceira parte do herdeiros de atlantida [FIM DOS SPOILERS]

  • Olá, cabulosos e cabulosas,

    Em primeiro lugar, sintam-se virtualmente abraçados. Já disse dezenas de vezes que sou fã do cast, mas hoje meu sentimento vai além. Sem querer chover no molhado, mas sempre vale repetir que, de fato, a sensação é que estivemos juntos nessa caminhada, conforme escrevi no prefácio de “Filhos do Éden: Paraíso Perdido”.
    .
    As dramatizações em áudio ficaram incríveis. Do Paulo Carvalho a gente já sabe que só pode vir coisa boa, e foi uma grata surpresa contar com a participação e o carinho do A.J, da Rebecca, da Kell, do Igor, do André e do Daniel.
    .
    Em relação ao podcast, obrigado por todos os comentários e principalmente pelas críticas. Faz todo sentido o Alexandre e o Vilto terem gostado mais de “Filhos do Éden: Anjos da Morte”. Pelo que notei, estamos todos na casa dos 30-40 anos e AdM (dizem os críticos, pelo menos) é a minha obra mais adulta. Não que os outros livros não sejam, mas Denyel é o meu canal para falar sobre questões humanas que só experimentamos após certo ponto da vida. Sim, a Kaira tb é um canal para isso, mas os conflitos da Centelha são mais inocentes, próprios de pessoas mais jovens (que, vale lembrar, não são menos importantes). Alguns dizem que gostam de “Anjos da Morte” por causa da parte história, mas eu acho que no fundo não é isso. Em AdM eu usei um ingrediente que o Don Draper (de Mad Men) afirma ser muito poderoso, que é a NOSTALGIA. Quando vc trabalha com isso chega a ser covardia com todo o resto.
    .
    Não sei quem foi que falou no cast que os quatro livros eram bastante diferentes um do outro. Como eu já disse em outros lugares, essa era a minha principal diretiva. Claro que eu poderia reutilizar a “fórmula” de “A Batalha do Apocalipse” dezenas de vezes e poderia dar certo, mas seria um tanto pobre. Então tomei algumas decisões arriscadas, como quando escrevi “Filhos do Éden: Herdeiros de Atlântida”, me distanciando quilômetros de ABdA. Felizmente deu certo, mas mesmo se não desse eu acharia preferível do que ficar repetido a mesma coisa sempre.
    .
    Queria agora levantar alguns pontos sobre a narrativa. Atenção, ** SPOILERS ** daqui para baixo.
    .

    .

    .

    O objetivo principal de Metatron era derrotar os arcanjos e reconstruir o planeta, sem a influência (que ele julgava maléfica) de Samael, Lúcifer e seus ajudantes. Existiam algumas formas de fazer isso. Uma delas era ele próprio tornar-se deus, evitando o Apocalipse e reconstruindo o mundo à sua vontade. A outra era treinando um herói para fazer isso para ele. Na realidade, essa última opção era a mais aceitável, pois o próprio Metatron tinha conhecimento de seus defeitos.
    .
    Em “Filhos do Éden: Paraíso Perdido” vemos a primeira opção, isto é, Metatron tentando ele próprio tornar-se um deus. O poder dos sentinelas vinha do núcleo (da alma) da terra e tudo o que ele precisava era trazer essa potência à superfície. Os obeliscos negros eram os pontos energéticos por onde essa força fluiria, mas ele precisava de alguém para sugar essa força e transmiti-la aos obeliscos: Kaira, a Centelha Divina, uma das suas sentinelas. Ele só não esperava que Kaira fosse, após perder a memória, desenvolver uma personalidade própria e questionar suas ordens.
    .
    O Vilto levantou a questão que talvez tenha sido burrice Metatron levar Kaira para o centro da terra, onde ela ficaria mais poderosa. Na verdade, no centro da terra OS DOIS ficariam mais poderosos. E foi de fato isso o que aconteceu: Kaira foi vencida. Porém, Metatron não conseguiu matá-la pois a ruiva estava grávida e assassinar uma gestante contrariaria as suas “leis inabaláveis”. Foi nesse momento de hesitação que a Centelha desferiu o seu golpe com a lança de Nod e pôs fim à vida do anjo barbudo.
    .
    Coisa semelhante aconteceu no combate entre Ablon e Metatron. Em última análise, o Rei dos Homens venceu o duelo, embora tenta perdido o combate. Seu objetivo nunca foi matar o general, mas trazer à tona todo o seu potencial e despertar o grande herói que desbancaria os arcanjos. Metatron sempre teve consciência de que Ablon era a opção mais certa (melhor do que ele), tanto é que diz isso a Kaira quando morre: “O meu projeto está em curso. Suas engrenagens não podem ser interrompidas nem pelos arcanjos, nem pelos homens, nem por mim. Sou apenas uma peça dessa máquina, sou o plano de contingência, o elemento reserva, o objeto descartável, mas há outro, e esse sim será imbatível. Se é verdade o que você disse, que os fins não justificam os meios, então ele é o fim, e eu sou o meio”.
    .
    Em relação ao Ismael, ele não traiu Kaira (na minha visão rsrsrs). Ele deixou que Sirith o matasse, sabendo que o raptor absorveria uma parte de sua essência. Mas Ismael também sabia que a sua personalidade era mais forte do que a de Sirith e que poderia insurgir quando o momento crítico chegasse — e foi o que aconteceu. Quando Metatron pediu para que Sirith / Cerberus matasse Kaira, a personalidade de Ismael suplantou a de Sirith e a salvou. Em outras palavras (no meu entendimento), foi Ismael que manipulou Metatron e não o contrário.
    .
    De spoilers acho que é isso. Não precisa nem dizer que estou sempre disponível para conversas, bate-papos, podcasts e afins. Um prazer imenso estar com vcs durante todos esses anos 🙂
    .
    Um abraço do,
    Eduardo

    • Vinicius

      Eduardo sempre muito educado com os fãs. Obrigado pelas explanações, havia alguns pontos que eu não me lembrava bem, mas agora tudo se encaixou perfeitamente. Ainda tenho algumas coisas na memória que questiono, mas já não posso dizer se são derivados de lapsos.

      Ademais, AdM é forte pelo contexto histórico, pela nostalgia, mas principalmente pelo seu tom narrativo (ao meu ver, claro). Reconheço que é mais adulto em vários aspectos, desde a temática à escolha de palavras, e, por incrível que pareça, é o menos épico dos 4. Na minha opinião o mais mundano, o mais próximo de nós, por isso o que mais me identifico.

      Grande abraço!

  • filipijunio

    Assim que terminei de ler Paraíso Perdido, abri meu armário de livros e comecei a ler A Batalha do Apocalipse novamente. Li o livro quando foi lançado pelo Jovem Nerd em 2007, pela Verus em 2010 e agora em 2017 após ler Paraíso Perdido.

    Também sou bibliotecário e faço questão de indicar o Spohr sempre que posso.

    • Lucien o Bibliotecário

      Filipi,

      eu não sou bibliotecário. Eu uso esse nome devido a alcunha de um personagem de Sandman.

      Abraços.

  • Pessoal, repitam comigo: “Me-ta-trrrrron”, hahahahaha…

    Brincadeiras à parte, eu adorei o podcast e adorei o livro! Foi um excelente desfecho para a trilogia. Mas confesso que eu continuo gostando mais de A Batalha do Apocalipse. Gosto do personagem bonzinho e honrado.

    Sobre a segunda parte de Paraíso Perdido, gostei muito de ver como os anjos aos poucos iam sendo maculados pela vivência terrena.

    • Lucien o Bibliotecário

      Karen,

      desculpas… XD Estou curioso para ler a obra, mas preciso revisitar as antigas para reler A Batalha com calma.

      Abraços.

  • Lilian Gouveia

    To ouvindo o Cabulosocast ainda.. mas já vou logo dizendo que… quero participar do sorteio!!!

    • Lucien o Bibliotecário

      Lilian,

      desejo boa sorte no sorteio, mas deixa por favor o seu e-mail para que eu possa entrar em contato caso seja sorteada.

      Abraços.

  • Erisvaldo Souza Andrade

    Gostaria de participar do sorteio do livro. Erisvaldo Souza Andrade. erisvaldoandrade@gmail.com. Gentileza pedir a Sphor para arranjar um tempinho para aparecer em Salvador para autógrafos. Gostei da coragem em matar Thor.

    • Lucien o Bibliotecário

      Erisvaldo,

      desejo boa sorte no sorteio.

      Abraços.

  • As dramatizações ficaram sinistras. Congrats!

    • Lucien o Bibliotecário

      Eric,

      seu lindo! Obrigado. Deu um trabalhão! 😀

      Abraços.

  • Alvaro Caxone

    Poxa estou coçando para escutar, mas infelizmente ainda não li o livro, mas ja é o proximo da pilha! E quero participar desse sorteio tambem, meu e-mail alvaro_souzac@hotmail.com

  • Rubens Travassos

    Já que moro longe demais da capitais para conseguir um autografado, essa é minha chance!
    Quero participar do sorteio.
    rubens.travassos@gmail.com

    Abraço a todos!

  • Glecio rms

    Primeiramente gostaria de dizer que esse é o primeiro cabuloso cast que escuto (graças a um twite do Sporh) e confesso que já virei fã como, obviamente, também sou da trilogia Filhos do Éden e da Batalha do Apocalipse.

    **SOLPOILERS ABAIXO**

    Foi dito no cast que foi uma mancada do Metatron ter lutado com a Kaira no núcleo da Terra já que ela é uma Ishin do fogo e também uma sentinela como ele. Mas porque o Primeiro anjo temeria ser derrotado ali onde nem mesmo os arcanjos poderiam vence-lo? Ele venceu Uziel sem dificuldades lá, porque temeria uma Ishin?
    Falando agora de “Anjos da Morte” que é sem sombra de dúvida o meu preferido da trilogia (se me perguntassem qual eu prefiro, Anjos da Morte ou a Batalha, eu não saberia responder) Danyel que é um persongem incrível mostra o quanto a convinvência dele com os homens pode transformar um celeste, eu nunca vi um anjo tão humano, não que eu conheça muitos. Em certos momentos até me esquecia que ele era um anjo de tão humanas eram suas ações.
    Enfim, gostei muito do cast e do livro e como alguém falou no cast também espero muito ver o Eduardo Spohr escrevendo em um outros universo.
    Ahh e também quero participar do sorteio do livro se ainda der tempo. Abraços!
    gleciorms789@gmail.com

  • Ronnison Do Clã Araújo

    Olá, cabulosos e cabulosas,

    Primeiramente parabéns por esse espaço sensacional.
    Segundamente, queria seguir o exemplo de vocês, como faço para criar um podcast?
    Tem algumas dicas ou postagem com sugestões?
    Desde já obrigado e mais uma vez parabéns