Os 12 Trabalhos do Escritor #02 – Escrita e Estética com Fábio M. Barreto

17

E aí escritores? Tudo bem? Espero que sim! Caminhamos agora para o segundo episódio dessa jornada Hercúlea denominada por mim, A. J. Oliveira, como Os 12 trabalhos do Escritor. E nesse segundo trabalho aprenderemos um pouco mais sobre a principal ferramenta do autor: a escrita. Fabio M. Barreto não só nos alertará sobre os malefícios de uma escrita preguiçosa e antiestética, como nos contará, através de sua história, sobre o quão importante é o constante aperfeiçoamento de si próprio enquanto autor. Espero que gostem!

Atenção!

Para ouvir basta apertar o botão PLAY abaixo ou clique em DOWNLOAD (clique com o botão direito do mouse no link e escolha a opção Salvar Destino Como para salvar o episódio no seu pc). Obrigado por ouvir Os 12 Trabalhos do Escritor!

Quer baixar o episódio em arquivo rar?

Para baixar a versão em zipada clique aqui, em seguida cole o link de download e clique na opção convert file.

Citados durante o episódio

Recomendamos

Mídias Sociais

Quer enviar um e-mail?

  • Então escreva para os12trabalhos@leitorcabuloso.com.br

Assine nosso feed

  • Davenir Viganon

    Obrigado por não colocar “A Perfect Circle” ao fundo durante todo o programa. Eu ia acabar não prestando atenção em nada das dicas kkkk
    Só achei que as dicas foram muito gerais, para quem escreve a pouco tempo. Tenho ideia que a proposta é ajudar iniciantes, mas vocês poderiam ter falado da diferença na escrita de contos e livros. Geralmente, os iniciantes começam com contos, e depois uma história mais longa.
    Quero dar os parabéns aos envolvidos, o programa tá muito bom. É certo que vou ouvir os próximos e retornar aos antigos quando precisar.

    • AJ Oliveira

      Muito bom, Davenir! Fico feliz que tenha gostado desse episódio.

      Sem dúvidas há muitos assuntos pra se abordar no que tange a escrita, provavelmente um só podcast não daria conta de tanta coisa haha.

      Mas por enquanto, se serve de consolo, no Gente que Escreve (podcast do Fabio Barreto) há um episódio que fala exatamente sobre isso, e talvez seja o complemento que você está precisando. Não tenho o link agora pra te mandar, mas de uma procuradinha por lá, tenho certeza que você encontrará um bom conteúdo sobre o assunto!

      Um forte abraço!

  • Rodrigo Ferreira Peixoto

    Excelente. Também não dispenso as recomendações! E essa discussão sobre estética rende assunto para quatro anos de discussão ininterrupta. Aguardo o próximo!

    • AJ Oliveira

      Nem me fale Rodrigo, foi uma luta decidir qual assunto eu abordaria com relação à técnica. É um tema extremamente complexo, mas espero que o episódio tenha sido ao menos uma porta de entrada pra maioria dos ouvintes.

      Pode aguardar o próximo, pois também terá um tema bem interessante 😉

      Um forte abraço!

  • Fábio M. Barreto

    Obrigado pelo convite, AJ! Foi um prazer participar!

    Baita projeto! Abração e conte sempre comigo!

    • AJ Oliveira

      O Prazer foi Todo meu Barreto! Foi um ótimo episódio e devo muito disso a ti! As portas do “12 trabalhos” sempre estarão abertas pra ti.

      Só falar =]

      Um forte abraço!

  • Bruno Trajano

    Otimo programa!!!
    Sempre muito bom ouvir o Barreto!
    Parabens mesmo! E que venham mais!

    • AJ Oliveira

      Valeu Bruno!

      Pode ter certeza, qualquer conversa sobre literatura que você tenha com o Barreto rende um serviço de utilidade pública a ser compartilhado. rs

      Continue acompanhando o Projeto, o próximo convidado não será apenas um autor, mas também Editor!

      Um forte abraço!

  • Mega Mendigo

    Ótimo episódio. Gostei bastante das dicas a respeito dos vícios de linguagem, que acabam sendo transportados para a prática escrita.

    • AJ Oliveira

      Fico feliz que tenha gostado! Continue acompanhando, vem bastante coisa boa por aí 😀

  • Davi Paiva

    Gostei muito deste episódio por jogar na cara de quem precisa que é preciso estudar para escrever.
    Só um comentário: o português não é uma das línguas mais difíceis do mundo. Isso é falácia criada pelo povo para justificar as dificuldades em uso dos tempos verbais ou complexidade no uso da ortografia. Para maiores informações, recomendo a leitura de “Preconceito Linguístico”, de Marcos Bagno.

    Abraços e aguardo o episódio 3.

    • AJ Oliveira

      Olá, Davi! Bem, eu prefiro dizer que o episódio visa quebrar alguns paradigmas românticos que passam na cabeça dos mais leigos, com relação à arte, é claro. Nele, o que queremos deixar claro ao autor é em toda e qualquer função que tenhamos de exercer, o estudo é fundamental (mesmo pras artes que nascem “unicamente” da inspiração)

      Sobre a questão da língua:

      Imagino eu, que seja um assunto um tanto complexo para se abordar em comentários, mas tentarei resumir (de forma porca para que esse comentário não precise de capítulos e versículos rs)

      Tomei como ponto principal a literatura, onde falamos sobre a dificuldade que se tem em DOMINAR o idioma, e não apenas em Aprendê-lo.

      Vejo no português algumas dificuldades. Por exemplo, como o autor precisar ter acoplado em sua mente um vocabulário muito maior do que o decorado por americanos, franceses, ingleses ou espanhóis..

      Um texto forte, não pode contar com repetições de palavras, rimas desnecessárias, erros de concordância, grafia ou, como você citou, tempos verbais (como os constantes erros obtidos no pretérito mais que perfeito). – uma prova disso, por exemplo, é a quantidade de palavras à mais que temos em relação as obras estrangeiras escritas na língua nativa.

      Obviamente, não comparo a dificuldade da língua portuguesa as línguas extintas, ou mesmo aos complexos dialetos orientais e dos países do oriente médio, mas sim no que se aplica aos idiomas mais falados no mundo, e que movem o mercado literário.

      PS: esse livro que você indicou é muito bom, preconceito linguístico é um assunto que deve ser mais abordado do que realmente é. Mas acho que não cabe na literatura, onde devemos ter certo profissionalismo pra não jogar tudo nas costas do coitado do editor. rs

      No mais, fico feliz que tenha gostado do programa.

      Um forte abraço! =]

  • Gabrielle Venâncio Ruas

    Oi, AJ, tudo bem? Adorei o podcast! Sou escritora e trabalho com revisão, por isso achei o tema muito interessante e bastante pertinente. Uma curiosidade: qual é o nome da música que foi usada de fundo na abertura e no final do podcast? É linda! *-* Obrigada e muito sucesso! Vou continuar acompanhando 😀

    • AJ Oliveira

      Olá, Gabriele! Fico muito feliz que tenha gostado do episódio, já que, enquanto estruturava o tipo de abordagem que eu faria, passei a achar que o conteúdo não seria tão atrativo àqueles que já convivem com a literatura como autores. Adoro estar errado nesse tipo de coisa rs.

      Pois bem, pra abertura e encerramento desse cast eu usei a música “The outsider” da banda “A perfect Circle”, Após terminar o projeto, no episódio 12, disponibilizarei toda a set list do podcast via Spotfy 😉

      Ah, e não se esqueça, qualquer dúvida pode me contatar pelo e-mail, será um prazer abordar as dúvidas construtivas de alguém que trabalhe, não só com a escrita, mas também com revisão.

      Um forte Abraço, e não deixa de conferir o próximo episódio!

  • João Medeiros

    Otimo podcast!

    • AJ Oliveira

      Muito obrigado! Espero que goste também dos outros episódios 😉

  • Edinara Censi Boff

    Pena eu ter chegado atrasada aqui…rsrsrs. Adorei as dicas do Barreto! E acho importante destacar que a preocupação com o “escrever corretamente” pode ser na hora da edição e não na primeira versão. Tenho meus próprios vícios de linguagem, o que mais me incomoda é o mesmo que o Barreto tem, os plurais. Quando comecei a escrever me preocupava muito com a estética da escrita e isso começou a atrapalhar o desenvolver da história. Comigo funciona colocar a ideia toda no papel e depois voltar para revisar. Ao longo das minhas pesquisas sobre escrita percebi vários erros que eu cometo, e sempre tento consertar eles na hora em que estou escrevendo, mas não levo isso tão a sério no primeiro momento.

    Um abração e parabéns pela iniciativa!