[Coluna] Três jovens autoras nacionais que você precisa conhecer

5

Quantos autores nacionais você leu ultimamente? Deles, quantos eram mulheres? Se entrarmos em uma livraria hoje, acredito que apenas cerca de 10% dos livros pertencem a autores nacionais. Estou chutando, é claro (e agradeço a qualquer um que puder me trazer dados mais concretos sobre o assunto). Mas acho que não tenha chutado assim tão longe. Desses 10% de literatura nacional a que temos acesso, não deve passar de 1% o número de livros escritos por mulheres. Repito: esses dados não passam de “achômetro”, baseado no que percebo enquanto leitora e escritora.

Hoje comemoramos o Dia da Literatura Nacional. Não quero julgar a literatura que produzimos como melhor ou pior que a literatura estrangeira – não é o tipo de questionamento que nos caiba. O que eu quis saber com minhas perguntas é quanta confiança depositamos nos artistas nacionais. Se é tão simples depositar confiança em autores de que nunca ouvimos falar, residentes num país cujo nome é impossível de ser dito sem darmos um nó na língua, por que não fazermos o mesmo com aquele autor que tem o mesmo sobrenome que o nosso – e que morou na mesma rua que nossa avó? E se é tão fácil cultuarmos como “divas” as autoras estrangeiras, por que não repetirmos o feito com aquela autora que é tão acessível e parecida conosco? Discuto o assunto da participação literária feminina um pouco mais profundamente aqui, mas não é o meu foco no artigo de hoje. Hoje, minha ideia é apresentar para vocês três autoras – independentes! – que tive o prazer de conhecer e que acrescentaram demais à minha experiência como leitora. Prontos?

Jarid Arraes

Jarid Arraes ao lado da ilustradora do seu livro, Aline Valek
Jarid Arraes ao lado da ilustradora do seu livro, Aline Valek

Conheci a Jarid em um evento dos alunos do curso de Editoração da USP. Ela é uma pessoa incrível, bastante divertida. E rolou muita identificação porque somos da mesma terrinha – o Ceará. Jarid é cordelista e autora do livro “As lendas de Dandara”, um conjunto de contos narrados por Dandara dos Palmares, companheira de Zumbi. O livro foi belamente ilustrado pela escritora e ilustradora, Aline Valek.

Além disso, Jarid faz um lindo trabalho na Casa de Lua, reunindo escritoras cis e transgênero para ajudá-las com suas produções literárias – é tanto uma espécie de clube da escrita quanto um espaço de acolhimento, ajuda mútua e catarse. Os encontros são mensais e gratuitos, basta levar seu material de escrita.

Clique aqui para conhecer melhor o trabalho da Jarid. E se ficou interessado em “As lendas de Dandara“, clique aqui para adquirir uma cópia (disponível nos formatos físico e digital).

Aline Valek

Aline Valek, escritora independente e ilustradora
Aline Valek, escritora independente e ilustradora

E por falar em Aline Valek, conheci o trabalho dessa escritora incrível graças ao twitter. A Aline já possui dois livros (digitais) publicados: “Pequenas Tiranias” e “Hipersonia Crônica”, disponíveis tanto na Amazon quanto na Kobo Books. Além disto, é uma das organizadoras da coletânea de ficção científica feminista “Universo Desconstruído”. Em seu blog, a escritora fala sobre filmes, livros, feminismo e cotidiano com muita propriedade. O estilo da Aline é carregado de uma poesia melancólica muito bonita.

Para esse ano, a autora tem o projeto de criar um livro físico com os textos da sua newsletter, “Bobagens Imperdíveis”. Sou assinante da news da Aline já há alguns meses e adoro abrir minha caixa de e-mail e encontrar um textinho dela lá, pronto para ser lido. Agora que ela mudou a frequência da news para quinzenal, confesso que está me dando uma saudade imensa. Mas a espera compensa!

Lady Sybylla

Lady Sybylla, Capitã da Frota Estelar
Lady Sybylla, Capitã da Frota Estelar

Meu caso de amor com o Momentum Saga, blog da escritora Lady Sybylla, foi instantâneo e permanece. Embora focado em ficção científica – um assunto de que ela entende bastante aliás – o blog também abre espaço para outros temas bacanas como diversidade, participação da mulher no mercado literário e até mesmo dicas de organização pessoal (muitos úteis, por sinal).

Lady Sybylla é uma das cabeças por trás da coletânea “Universo Desconstruído”, em parceria com Aline Valek. A coletânea é focada no desenvolvimento de uma ficção científica nacional aberta à diversidade. E como pouco trabalho não é com ela, Lady Sybylla ainda consegue tempo para traduzir alguns livros de ficção científica de domínio público, como o recentemente traduzido “Robôs do Mundo, Ergam-se!”. Ela possui dois livros publicados: “Diga meu nome e eu viverei” e “Missão Infinity”, ambos disponíveis para download gratuito no blog da autora. Você paga recomendando os livros nas suas redes sociais. Recomendo demais que leiam!

  • Esse “As lendas de Dandara” já me apareceu no meu feed do facebook, agora estou em dúvida se foi algo daqui mesmo do cabuloso ou de algum outro lugar. Darei mais prioridade quando ver algo relacionado à elas.

    Sempre li muitas fanfics então acho bem estranho quando alguém – muito desinformado – diz que mulheres não escrevem muito. Gente, aquele papo furado de que mulher ama falar não é tão papo furado não. Amamos falar, e inclusive, escrever. O negócio é que ainda tem gente que torce o nariz, alegando que tal coisa escrita por mulher “não parece ter escrito por uma”. Um absurdo total.

    Beijos <3

    • Putz, a tal de “literatura feminina” né? Que se limita a chic lit e romances… Quem fala que mulheres não sabem escrever ou que não escrevem muito nunca leu Gillian Flynn, Ruth Ozeki, Lionel Shriver… Tem tanta mulher incrível escrevendo por aí. Acho que falta um pouquinho de vontade de expandir a cabeça e sair do lugar comum.
      E sim, dê prioridade a essas moças, e várias outras: Janayna P. Bianchi, Ana Lúcia Merege, Camila M. Guerra. Você encontra todas na Amazon mais próxima do seu clique 😉

  • Cladisson Mélo

    Já vi esse livro “As Lendas de Dandara” em algum lugar, acredito que no Facebook, não lembro. Também acredito que as leituras nacionais são importantes. Muitas vezes os leitores não leem por que acreditam que será como ler um dos clássicos nacionais, que por muitas vezes é uma leitura obrigatória, nas escolas. Isso acaba atrapalhando no conhecimento de outros livros que são bons.

    • Infelizmente isso é verdade, Cladisson. Somos forçados ainda muito novos a nos deparar com uma literatura rebuscada e com um vocabulário complicado demais para a idade em que é inserido, o que acaba afastando muitos potenciais leitores. Eu mesma carreguei um preconceito forte com a literatura nacional por bastante tempo, até conhecer o universo da literatura nacional independente. Temos muitos autores incríveis pouquíssimo conhecidos! Se tiver a chance e o interesse, procure pelo Clube de Autores de Fantasia no facebook. Você vai se deparar com muita gente genial.
      P.S.: Leia As Lendas de Dandara! Aproveite e leia os cordéis da Jarid!

  • ótimo artigo! Eu já conhecia as três. Mas merecem ser mais propagadas.