Skip to content

CabulosoCast #161 – Grau 26

Posted by Lucien o Bibliotecário - 23/02/2016 - CABULOSOCAST

CabulosoCast #161 – Grau 26


Olá Cabulosos do meu Brasil Varonil e booklovers de todo mundo! Este capítulo do CabulosoCast é uma dívida da nossa campanha do Kickante de 2015. Rodrigo Fernandes, nosso colaborador e colunista do Leitor Cabuloso, escolheu para ser tema deste episódio o livro Grau 26, escrito por Anthony E. Zuiker e Duane Swierczyski, conta a história do polícia Steven Dark numa busca implacável pelo terrível assassino Sqweegel, que obrigou os policiais a criarem um grau novo de psicopatia para caracterizar seus crimes: o grau 26. Participam deste programa Eu (Lucien o Bibliotecário), Priscilla Rúbia, Domenica Mendes e Lucas Ferraz. Vejam se as portas estão trancadas, observem se não há ninguém lhes seguindo, ponham os fones de ouvido e bom programa!

Atenção!!!

Para ouvir basta apertar o botão PLAY abaixo ou clique em DOWNLOAD (clique com o botão direito do mouse no link e escolha a opção Salvar Destino Como para salvar o episódio no seu pc). Obrigado por ouvir o CabulosoCast!

Quer baixar o episódio em arquivo rar?

Para baixar a versão em zipada clique aqui, em seguida cole o link de download e clique na opção convert file.

Ordem do Episódio:

  • Abertura (de 0 a 4:20 minutos)
  • E-mail’s (de 4:20 a 17:00 minutos)
  • Biografia do autor (de 17:00 a 24:40 minutos)
  • Narração: (de 24:40 a 27:10 minutos)
  • O Livro SEM Spoiler (de 27:10 a 1h:26 minutos)
  • O Livro COM Spoiler (de 1h:26 a 1h:43 minutos)
  • Encerramento (de 1h:43 a 1h:49 minutos)

Citados na leitura de e-mail’s

Recomendamos

Citados durante o episódio

Padrinhos Cabulosos

  • Francesca Abreu
  • Anderson Henrique
  • Marshal Rodrigues
  • Mizael Alves

Mídias Sociais

Assine nosso Feed

Nossa Página no iTunes

Nossa Página do You Tuner

  • Daniel Monteiro

    first
    😛

  • Bruno Trajano

    Bruno Trajano, vinte e poucos, funcionário publico, de Varjota-CE, com muitos livros em leituras suspensas…rsk
    Então, não entendi mesmo de onde veio tanto sentimento “Hater”…rskkk. Tipo caramba pq o CSI é tão ruim? tipo normal, é uma série de caso da semana e policial; mas o que eu quero mesmo é dizer que o CSI original(las vegas), ele até vai além dos crimes a se resolver, cada um dos personagens tem seus próprios dramas, rola “romancezinho” do chefe com uma das investigadoras, rola obsessão do investigador com serial killer, rola sequestro, rola um dos agentes indo parar no tribunal e corregedoria, enfim, eu já me diverti muito com CSI, os spin-off’s chegam a ser irritantes as vezes, mas no geral, eram legais.rsk!
    E quanto ao livro, pelo o que entendi, é uma historia de ruim pra média, bem mal desenvolvida. Não deu pra concordar com muitas criticas do Lucas, e chegou a parecer que ele desde o inicio não queria ler o livro ai foi colecionando “errinhos”, mas tudo bem, a discussão foi até boa!
    De modo geral, eu adoro literatura policial, e o episodio foi deveras divertido!
    Abração gente.
    ps: Como eu adoro ouvir a Domenica e a Priscila!!! sempre fui fã! Melhores pessoas!!! rskk

    • Oi Bruno!

      Sinto que falhei se passei a impressão que fiquei colecionando erros, hahaha.
      Comecei a ler como qualquer livro, e tentei gostar, me esforcei mesmo, mas a cada momento a obra vinha com uma pedrada nova na minha cara!!
      Tudo que eu citei me incomodou genuinamente e teria me incomodado em qualquer livro, de verdade.

      Valeu!!

    • 😀 😀 😀

  • Renato Dantas

    Renato, 35 anos, Revisor de Texto, São Paulo-SP, lendo Cidade de Vidro da Cassandra Clare

    Eu gosto dessas “séries de procedimento” que tem a estrutura do “caso da semana” com a subtrama dos dramas da equipe, mas prefiro as versões jurídica e médica, como The Good Wife e Grey’s Anatomy (se bem que Grey’s já chegou no ponto de ser o drama da semana e os casos médicos serem a subtrama). Tive uma fase de ver Criminal Minds obsessivamente, aí percebi que me assustava com qualquer barulho na casa, checava no mínimo 3x se as portas estavam trancadas e parei de ver, mas CSI nunca me atraiu muito.

    Sobre o livro, não vou ler, obrigado por não permitirem que eu perca meu tempo e dinheiro com um livro que certamente não gostaria. Além disso, foi muito divertido ouvir a revolta do Lucas e da Priscilla, e a Domenica é mesmo um ser de muito amor no coração para sempre encontrar algo de bom em todo livro.

    Abraços a todas e todos

    • Renato, nada nessa vida é totalmente preto ou branco ao meu ver. E de tudo pode ser tirado algo bom e algo ruim. Lógico que algumas coisas são ninja e são só ruins, mas aí cabe a mim agir para tirar algo de bom ali.
      Daí a brincadeira do “a Domenica gosta de tudo”, não gosto. Mas quando não gosto, não tem vez.
      É algo mais ligado à minha forma de viver e ser do que ao trabalho de análise em fato. Mas, eu só falo que vejo, fazer o que. xD

      Abraços e obrigada por ter ouvido e comentado! =)

  • Yeah yeah yeah! É bem isso aí! =D

  • Eu… 30 anos, programador, São Paulo/SP… ainda não estou lendo nada, sorry!

    Nunca vi um livro ser tão apedrejado quanto este! o.O

    Admito que já assisti muito Law & Order por causa da minha mãe, e eu acho muito legal, mas não sei se teria paciência para ler um livro do estilo! Mas vocês falaram tão mal desse livro que tá dando vontade de ler! Hahahah!

    Depois de ouvir tudo (sem e com spoiler… aliás, se não quer spoiler acho melhor não ler o meu comentário, vai que eu acerto) e de ver todos os “nonsensismos”, eu ACHO que o Dark é o Sqweegel! Pronto, falei!

    Até mais!

  • Rodrigo Basso

    Sr. Basso (vulgo “a concorrência”), 30 anos, podcaster, São Carlos-SP, relendo Orgulho e Preconceito (Jane Austen)

    Que baixaria é essa com o CSI? Vocês não sabem o que estão dizendo. Primeiro, essa estrutura de “caso da semana” é bem comum não só em romances policiais, como nos livros do Sir Arthur Conan Doyle e Agatha Christie, como nas próprias séries americanas, sejam elas policiais, médicas, de advogados/tribunais etc… então, se o problema é essa estrutura procedural, pode jogar 80% ( e estou chutando baixo) das séries no lixo.

    Segundo, para entender o sucesso do CSI é preciso antes entender seus antecessores. A tradição dessas histórias policias, seja na literatura/cinema/tv, era fortemente centrada em seu protagonista: cabia ao “detetive” descobrir o crime se valendo de seus conhecimentos, habilidades, esperteza e o famoso instinto. Law & Order, a série policial de maior sucesso que foi desbancada pelo CSI, era fortemente centrada na investigação realizada pelos policiais em interrogatórios, vigilância, perseguição etc.
    A inovação do CSI foi justamente se concentrar nas PROVAS MATERIAIS, substituindo a boa e velha intuição pela ciência (Yeah! Science, bitch!). Os investigadores não se apresentam como policiais, mas como cientistas. A análise do laboratório substituiu o interrogatório, a pesquisa entrou no lugar da tocaia…. e por aí vai. Pode parecer uma bobagem, mas pra quem é fã foi uma mudança que trouxe uma outra visão e renovou o gosto por essas histórias.
    Claro, eles espremeram isso até não poder mais, com spin-offs e 14 temporadas do CSI Las Vegas! E pra esclarecer, o CSI Miami teve 9 temporadas e acabou em 2011; o CSI NY teve 9 temporadas e acabou em 2012.

    • Basso, muito obrigado mesmo por fazer a defesa de CSI que eu tentei fazer mais alguém ~cofcof lucien cofcof ~ me cortou.
      Eu não poderia ter dito melhor.

      Quanto ao “pivô” das tretas, prefiro não me pronunciar, hahahaha
      😛

      • 8D Tcharaaaaan! E olha que nem te mando mais embora hein, Lucas!!!! =P HAHAHAHAHAHAHA

    • Hahahaha!
      Então, eu nunca tive interesse por CSI, simples assim. Mas esse desinteresse veio por terra abaixo quando assisti ao episódio que tem relação com o livro. Achei bem legal e assistiria tranquilamente tudo se eu não acompanhasse outras séries. Mas, quem sabe um dia, está na fila. É legal ter superado esse preconceito.

      Mas como vocês são dodóis! Só porque eu discordo do ponto de vista de vocês é treta, é briga? xP Vocês querem um abraço? Vamos dar um abraço então! Dá o dedinho aí!!!!

      E existe sim um ponto comum nisso tudo, falando sério agora. É um ponto comum e totalmente relacionável à minha vida: eu tenho minhas opiniões e aponto elas. Respeito as dos outros, mas respeitar não quer dizer que eu tenho que concordar com o que eu discordo. E também não significa que não vou ouvir a opinião dos outros ou que vou me recusar a rever o que penso, é uma escola sempre. (Só que falar tudo isso demonstra uma certa “chatice responsável” da minha pessoa). Ééééééé, #mejulguem #Idontcarebaby

      Agora, Rô, sossega as tanga ae que logo vou brigar com você (de novo!) no seu cast! hahahahaha xP~ E se reclamar disso de novo, vou brigar duas vezes, vlw flw.

      E tem mais: o que seria da vida de vocês sem a minha pessoa linguaruda e polêmica que gosta de tudo e discorda de todos? HAHAHAHAHAHA É por isso que vocês gostam de mim, aceita que dói menos! xP

  • Hater de Terceira Idade

    Hater da Terceira Idade. 50 anos. Lendo Fausto. São Paulo. Então a palavra do dia foi verossimilhança? A cada 10 palavras 6 eram verossimilhança. Isso foi bem chato. O cara cria algo, não importa se estamos no universo que vivemos ou algo da cabeça do cara (pensando em livro sempre estaremos em algo da cabeça dele) e ele deve engessar suas ideias pq na vida real isso não funcionaria? Clube da Luta tem coisas que podemos usar essa regra da verossimilhança? E a morte de Quincas? E Barba ensopada de sangue?

    • Meu primeiro hater com fake e tudo!!
      Meu trabalho na internet está feito!! Hahaha

      Mas agora sério, talvez eu tenha exagerado no uso da palavra, mas foi genuinamente o que mais me incomodou. E eu não estou querendo colocar uma regra a ser aplicada em toda literatura, acho que cada livro tem particularidades muito grandes, e sim, eles podem falhar nesse quesito também, mas tem estilos narrativos que são mais permissivos que outro. Eu nunca demandaria isso de Murakami, é outra proposta
      Barba é um livro muito bom no qual a trajetória do personagem o faz passar por coisas que beira o fantástico mas a narrativa, o desenvolvimento psicológico, a história do local e das pessoas são tão bem feitos que esses fatos são bem vindos.
      Esse é um livro de investigação policial na nossa realidade, mas ele teria que ser um livro muito diferente pra conseguir dar suporte a situações mais bizarras. Ele não é.
      Ele é um livro cru, de capítulos curtos, personagens muitos rasos e até a qualidade da prosa deixa a desejar. Ele já seria um livro mediano per se, mas ai acontecem coisas como o cara colocar uma câmera no Força Área 2 e ela ficar funcionando meses.
      Você percebe o quão forçado é isso? Não há nada em torno disso no resto do livro todo que suporte esse acontecimento de forma alguma. Como foi feito é um artifício de trama bem porco pra mostrar como o cara é foda. Mas é sim inverossimel, especialmente no mundo pós 11 de setembro e no segundo avião do executivo do EUA.
      Esse tipo de coisa me tira da história, me incomoda demais, e eu acho que o autor tá tentando me enganar na cara dura. A Domenica suspende a descrença com facilidade e toca o barco, eu não consigo.
      O assassino escolhe, de vontade própria, usar um traje branco. Ele não quer ser pego. Branco dá pra camuflar alguém no Alaska. Novamente, não tem nada que justifique a escolha do personagem, é só um artifício de trama pra mostrar como ele é incrivelmente bom e não tem medo.
      É isso que eu chamo de não ter verossimilhança. Artifícios de trama sem contexto, fatos jogados pra reforçar uma ideia que o autor não sabe fazer de forma mais habilidosa.

      Enfim, desculpe o textão mas as vezes é mais fácil se explicar assim do que na gravação.
      Talvez isso não te incomode, talvez ache isso uma bobagem e talvez eu tenha sido chato no programa. Tudo é possível. Mas tá aí minha defesa.

      Grande abraço e siga nos ouvindo.

      😉

      • Sidney Andrade

        Deixa eu contribuir, vale sempre lembrar que o conceito de
        verossimilhança é muito mal utilizado, como foi no caso do nosso querido
        primeiro hater do Lucas. Verossimilihança, em literatura, não é a
        capacidadde que uma obra tem de ser comparada com a realidade ou com o
        que aconteceria nela, desse modo a alta fantasia não existiria.
        Verossimilhança trata-se da capacidade que uma narrativa tem de fazer
        sentido em si mesma, partindo dos próprios elementos, sejam eles reais
        ou imaginários. De modo que uma fantasia bem escrita pode ser mais
        verossímil do que um romance realista mal escrito.

      • Lucas nunca vai aceitar a câmera no Força Aérea 2!
        N-e-v-e-r!

        E antes que eu me esqueça, Luc, não assista, JAMAIS, nada que venha do México! =D hahahahaha

        By the way: parabéns pelo hater! Me deixou orgulhosa!!! 😀

        xP

        • o/

          • Rodrigo Basso

            Lucas, vc sabe q esse hater na verdade é a Domenica, né?

          • De jeito nenhum! Eu sou baby ainda, não sou de meia idade! xP

  • Vitor Sandrini de Assis

    Vitor Assis, psicólogo, 33, Vitória-ES, lendo: Como a Mente Funciona, de Steven Pinker e A Quinta Onda (por causa do Cabulosocast).

    Primeiramente, gostaria de dizer que já não tinha achado o livro lá grande coisa, mas tive de rever meu skoob pra saber a nota que dei e fiquei surpreso ao ver três estrelas e desci imediatamente para duas (antes eu era mais generoso nas notas).

    Em segundo lugar, o que está acontecendo com a dona Domenica, Lucien. Conheci o Cabulosocast ano passado e não me lembro dela tão paz e amor assim. Mas confesso que estou gostando. Sempre curti as análises dela e seu senso crítico, mas agora com essa onda ursinha-carinhosa ela me ganhou. Também estou tentando levar uma vida mais de boa e se a Domenica já tinha me conquistado de vez no cast do livro de contos, hoje ela subiu um degrau a mais por tentar sempre analisar todos os ângulos antes de definir sua opinião.

    Grande abraço a todos e um 2016 excelente!

    • “Quatro, três, dois, um!
      Quem é que surge de algum lugar lá do céu?
      Se movimentando rapidinho como um vagalume…
      Se algum problema você encontrar, quem é que aparece para ajudar??
      Os ursinhos carinhosos estão aí pra ajudar! o o/ /o/~
      Se precisar é só chamar!!!!!”

      HAHAHAHAHAHA!

      😀 Weeeeeeeeeeeeeeeeee!

      Obrigada, Vitor! 🙂

  • Vanessa Straioto

    CSI, passa no canal AXN e acho que na Sony tb…
    cara, vcs estão muito haters mesmo..kkk
    eu assisto todos os CSI, e adoro..
    gostei desse livro..
    tb acho que tem partes que não são possíveis na vida real, mas é uma ficção, então deixo pra la…
    afinal, leio para distrair…

  • Petrus Augusto

    Eu fiquei rindo por uns 10 minutos com Lucien ai se acabando de rir ai no fundo do áudio!! kkkkkk