[Coluna] A atualidade política da ficção científica de Philip K. Dick

2

Philip K. Dick é um dos maiores escritores da literatura de ficção científica. E não é justo com ele que se abra uma disputa acerca de quem é seu maior concorrente no gênero, Asimov, Arthur C. Clarke, etc. Na verdade, o que interessa mesmo é o teor filosófico e a universalidade política de sua literatura, ou melhor, de sua filosofia. Os outros melindres, de fato, são coisas de fanboys reducionistas.

Dick.
Dick.

É verdade que Dick é bem conhecido dos cinéfilos, muito pelos blockbusters adaptados desde a década de oitenta até aqui. Blade Runner, O Impostor, O Vingador do Futuro (com Remake, inclusive), O Homem Duplo, O Pagamento e Minority Report. E é claro que algumas dessas adaptações transparecem uma grande desconexão com o problema que me parece ser central na obra de Dick: O que é o homem e o que ele faz nesse mundo?

Muito se diz sobre o fato de que a literatura de Dick foi feita a reboque (de viagens de ácido), mas será que isso desmerece mesmo esse autor visionário? Embora escritores como Aldous Huxley tenham aberto o debate acerca da abertura das portas da percepção, nenhum leitor ávido de Dick seria ingênuo a ponto de descartar a influência de uma cultura mística e até religiosa no seu pensamento político sobre a realidade, haja vista obras etéreas como Valis e Fluam minhas lágrimas, disse o policial. Mas se queremos falar de política, vale, antes de tudo, lembrar aquela máxima de Stendhal em A Cartuxa de Parma: “A política numa obra literária é como um tiro em meio a um concerto; o efeito é estridente e vulgar, e, ainda assim, algo de que não é possível desviar a atenção”.

Ora, mas é justamente essa a posição de Dick. Não importa o quanto você tente jogá-lo na Sibéria da alucinação sem propósito, há ali uma busca incansável pela verdade, que se reflete sim em sentido vertical no seu flerte com a religião, mas que deságua em sentido horizontal, neste mundo, com a política. Assim, se em Blade Runner e O Homem Duplo (tanto o livro quanto o filme) o autor coloca em primeiro plano, ou o futurismo ou o delírio psicotrópico, em contos como As Pré-Pessoas, o tema, sem deixar de ser imaginativo e cheio de gracejos, é ainda mais profundo e sério. Trata-se aqui do estatuto do nascimento e do direito à vida. O aborto é algo bom, legal ou necessário? É uma brincadeira, de crianças e com crianças?

A clássica adaptação de Ridley Scott pavimentou o caminho para o obra de Dick em Hollywood.
A clássica adaptação de Ridley Scott pavimentou o caminho para o obra de Dick em Hollywood.

É aí que podemos abrir um belo parêntese filosófico. Após a Segunda Guerra Mundial, a filósofa judia Hannah Arendt documentou magistralmente o julgamento do nazista Adolf Eichmann, responsável pela logística de extermínio de milhões de pessoas. Segundo o oficial do Reich alemão, não houve em nenhum momento intenção de matar. Em outras palavras, Eichmann dizia que não sabia o que estava fazendo, e que apenas cumpria ordens dadas pelo Führer Hitler. E é nesse sentido que Arendt criou o conceito de Banalidade do Mal, ideia que expressa categoricamente essa suposta desafetação alegada pelo nazista assassino, ausente de compaixão e repleta de esvaziamento moral.

Por isso, voltemos nossos olhos novamente para Dick. No conto As Pré-Pessoas, é esse esvaziamento moral que aparece. Lá, personagens se empenham a gerar um filho apenas para abortá-lo, banalmente, por diversão. Só que não se trata somente desse aborto que conhecemos, como quando um filho é eliminado do útero. Mais do que isso, o aborto no conto de Dick é precisamente social, antropológico. Na noveleta, para que um homem seja considerado como tal, é preciso que ele aprenda desperte para a matemática e a geometria até os 12 anos de idade, caso contrário, não se poderá comprovar a existência de sua alma.

Gottfried Leibniz, que historicamente disputa com Isaac Newton o mérito pelas contribuições do cálculo diferencial, dizia que Deus não pode criar dois mundos contraditórios. Desse modo, uma sequência de eventos em que Adão peca é, segundo o pensador, incompatível com a série de um mundo consequente de um Adão não pecador.
Gottfried Leibniz, que historicamente disputa com Isaac Newton o mérito pelas contribuições do cálculo diferencial, dizia que Deus não pode criar dois mundos contraditórios. Desse modo, uma sequência de eventos em que Adão peca é, segundo o pensador, incompatível com a série de um mundo consequente de um Adão não pecador.

Aliás, se queremos falar em nazismos, violências e minimização da condição humana, não se pode deixar de apontar para outro grande livro de Dick: O Homem Do Castelo Alto. Nessa obra, que agora ganha uma adaptação como série de TV, os EUA perdem a Segunda Guerra Mundial, colocando o mundo num panorama de polarização política entre Alemanha e Japão. Na história, enquanto judeus são jogados em campos de concentração de uma América do Reich, personagens se deleitam com a leitura de uma ficção dentro da ficção: Enquanto acompanha um romance chamado O Gafanhoto se levanta, que conta a história de um mundo em que a Alemanha perdeu a guerra, a protagonista descobre que a trama foi escrita totalmente a partir da consulta do I-Ching, o oráculo chinês que revela que a história contada no gafanhoto é real.

Nessa perspectiva, alguns, obviamente, dirão que Dick cria simulacros e joguetes com a realidade, que uma ficção sobre distopias nazistas e hitlerológicas já cansaram, que refletem apenas o outro lado do espelho de Alice, limbo, ou de uma atrocidade maior, ou do melhor dos mundos possíveis já criados por Deus, como diria o filósofo alemão Leibniz.

Já eu, prefiro pensar que esse espelho ainda deixa passar radiações tão invasivas – embora mais invisíveis – quanto as bombas de Hiroshima e Nagasaki. No meio desses ataques reais, a política desta Terra ainda tenta criar e impor diversas fornalhas com conceitos do que deve ser, irremediavelmente, um homem. E no fim, um alento aos que se aparentam dos mortos: Tudo será brincadeira, fábrica de biscoitos queimados sem maldade, inocentemente.

  • Gladson Pendragon

    “Assim, se em Blade Runner e O Homem Duplo (tanto o livro quanto o filme) o autor coloca em primeiro plano, ou o futurismo ou o delírio psicotrópico (…)”. mais do que isso, vejo em Do Androids Dream of Eletric Sheep dois níveis de leitura: o primeiro trata do desejo e da diferenciação entre o ter e o ser que mesclados surgem como o “aparecer” de Debord; e sua obsessão do personagem pelo animal real, mesmo que aparentemente menos real que os simulacros à venda; o segundo nível de leitura, mais subjetivo, busca questionar até onde vai a nossa ideia/concepção do que é vida, do que é algo natural e o que é artificial, essa mesma fica mais evidente no filme de ação “Blade Runner”, que empresta a trama do livro, centrando sua narrativa na busca pela sobrevivência dos replicantes e no ato de extermínio dos mesmos pelo protagonista do filme.
    O ponto central na narrativa de Dick no Castelo Alto, no meu ponto de vista, está em trazer um recurso já utilizada algumas vezes com maestria na nona arte, que é a metalinguagem, a brincadeira com a inversão da realidade dentro da fantasia dentro da realidade; Ao fazer o leitor ler o que o personagem lê em um assunto tão esmiuçado/debatido e desgastado quanto a Segunda Guerra, o autor faz eco da realidade reforçando sua narrativa imaginária e aproximando o leitor do leitor-personagem do livro.

  • Pingback: Novo trailer legendado de Blade Runner 2049 | Leitor Cabuloso()