[Resenha] Star Wars: Um Novo Amanhecer

7

Sinopse:unnamed

Desde os terríveis acontecimentos em STAR WARS – Episódio III: A vingança dos Sith, quando todos os Jedi foram perseguidos e condenados à morte, Kanan Jarrus tem vivido na clandestinidade, evitando criar problemas com o Império. Porém, um embate mortal entre as impiedosas forças imperiais e os revolucionários desesperados se mostra próximo demais e impossível de se ignorar. A honra e o senso de justiça do cavaleiro Jedi despertam, e ele volta à ação em uma batalha de grandes proporções contra o mal. Mas Kanan não vai lutar sozinho. Ele contará com a ajuda de aliados improváveis, incluindo a misteriosa Hera Syndulla – que parece ter suas próprias motivações. Enquanto uma crise de proporções apocalípticas surge no planeta Gorse, o grupo enfrenta as forças mais poderosas da galáxia, em defesa de um mundo e de seu povo. Nesta primeira aventura juntos, os protagonistas da série Rebels conquistam seu espaço entre os maiores heróis da série STAR WARS, rumo à luta contra o Império.

Quando li Kenobi, de John Jack Miller, pensei que esse cara realmente escrevia bem e que eu gostaria de ler mais livros dele. Não demorou muito para eu ter uma outra chance, com o livro Um Novo Amanhecer, primeira obra do novo universo expandido de Star Wars, prequel da série animada Star Wars: Rebels.

O livro tem um pegada mais adulta que a série, que apesar de eu não ter visto, soube ter sido feita para um público mais jovem. A história se passa entre os episódios III e IV, logo após a queda dos Jedis, no começo da expansão do Império, e o cenário é um planeta chamado Gorse e sua lua Cynda. Cynda é bastante explorada por suas reservas de toridílio, que são de grande interesse para o Império.

Com o intuito de aumentar a produtividade, o Imperador Palpatine envia  um misterioso e cruel subordinado, conde Vidian, para coordenar a exploração do mineral. Mas há outras pessoas por ali que se envolvem nisso tudo, sendo as principais o padawan fugitivo Kanan Jarrus e Hera Syndulla, que aparecem na capa do livro. Hera dá a entender que é uma rebelde e Kanan se vê cruzando seu caminho mais de uma vez e se envolvendo em seus negócios.

Se eu achei que o autor escrevia bem em Kenobi, comprovei nesse livro. A trama é muito interessante e bem amarrada, mas, para mim, o ponto forte é o desenvolvimento dos personagens. Não sabemos tudo sobre eles logo de cara, suas personalidades e histórias pregressas são muito bem desenvolvidas, e seus dramas internos explorados com habilidade, especialmente se tratando de personagens que carregam grandes segredos.

Hera é uma personagem muito bem escrita, e passa longe dos maiores problemas que eu sinto com algumas personagens femininas hoje em dia, que basicamente parecem homens com nomes femininos. Ela tem profundidade, é forte, decidida, e tudo isso sem deixar de ser feminina. O livro traz  outras ótimas personagens femininas. O vilão também é ótimo, e nosso protagonista, Kanan, tenta ficar na dele mas não consegue, devido à sua própria natureza jedi.

O livro é um grande aventura com ótimas doses de ação e muita intriga política. Quanto à trama, apenas um ponto próximo ao final me incomodou um pouco, uma pequena informação que foi mantida secreta até o fim, e que surgiu de maneira inesperada e providencial. Não é exatamente um deus ex-machina, mas ficou a sensação de que poderia ter sido mencionado de forma sútil em algum ponto anterior.

Em resumo, é um livro muito bom, divertido, ágil, e escrito muito bem. Definitivamente virei fã do  John Jackson Miller, recomendo!

Ficou interessado(a)? Então compre o livro nos links abaixo:

logolucas_vectorized (1)Editora: Aleph
Autor: John Jackson Miller
Origem: Estrangeira
Título original: A New Dawn
Ano: 2015
Número de páginas: 424
Skoob