[Coluna] Brothers: jogue um conto de fadas

9

Você é daquela época (falando igual velha) onde os gráficos não importavam tanto e o que contava era uma boa história? Que jogavam com o dicionário de inglês do lado para entender o que estava se passando? Procura jogos que contém uma história que parece ter saído de um livro? Então essa coluna é para você.

Vou tratar aqui de jogos indie. Para quem não sabe o que é indie são jogos independentes, ou seja, são criados por uma pessoa ou uma pequena equipe sem apoio financeiro. Os jogos indie são normalmente subestimados por isso, o que é um erro e por isso irei tratar somente de indies nessa coluna.

Iremos começar com Brothers – A Tale of Two Sons. Brothers me lembrou um conto de fadas, mas não aqueles coloridos com um final feliz, mas os macabros, com a morte presente em cada parágrafo.

Brothers lobos

A História

Começamos o jogo com o irmão menor visitando um túmulo. Um flashback nos é apresentado e ficamos sabendo da morte da mãe do garoto, que morreu afogada, a morte presenciada pelo filho mais novo que não conseguiu salvá-la. Em seguida, conhecemos o irmão mais velho e ficamos sabendo da atual situação do pai, que está muito doente e precisa ser carregado para uma espécie de médico. O doutor em si não sabe como curar o homem e mostra aos dois garotos a figura de uma árvore onde supostamente vão encontrar uma cura. Assim, os dois irmãos partem em busca da água da vida que pode salvar a vida de seu pai.

Não citei o nome dos garotos porque não tenho certeza de quais são. Acontece que o idioma falado no jogo não é nenhum idioma que conhecemos, o que dá mais riqueza ao game, mas não atrapalha em nada a compreensão de cada cena.

Durante a jornada, os dois irmãos encontram várias pessoas e criaturas, sendo que algumas os ajudam, algumas os atrapalham e ainda outros seres são ajudados pelos dois irmãos. Grande parte dessa ajuda depende de você. Você escolhe se irá ajudar ou não. Como em uma ocasião em que encontram um homem prestes a se matar pendurado em uma corda e fica a sua escolha salvá-lo ou deixá-lo morrer.

Outro ponto positivo é com relação aos lugares, que em sua maioria são muito belos ou magníficos. Claro que há também aqueles locais sinistros que dão arrepios no jogador de qualquer idade.

2014-10-14_00003

A jogabilidade contribui com a história

Esse é um dos grandes pontos positivos de Brothers: a jogabilidade. Cada lado do controle (é obrigatório o uso de controle para jogar Brothers) controla um irmão, ou seja, eles são controlados separadamente.

Brothers é um jogo com bastante puzzles e em algumas ocasiões, como por exemplo, girar uma manivela, somente o irmão mais velho poderá fazê-lo exatamente por ser o mais velho, o mais forte. Só que em outras situações, como por exemplo passar por uma grade, o irmão mais novo tem a vantagem por ser menor. Além desses detalhes que deixam o jogo mais interativo e divertido, há também outras coisas que contribuem para uma boa história. Já disse que a mãe dos garotos morre afogada e o irmão mais novo presencia a morte. Sendo assim, ele tem um trauma profundo e por isso ele não nada. Em todas as ocasiões onde é necessário nadar, o irmão mais velho deve carregar o irmão mais novo. Cada irmão também possui uma personalidade e isso fica evidente quando interagimos com as pessoas durante a jornada. Ao interagir com cada irmão, vemos reações diferentes.

2014-10-14_00002

Além da história, jogabilidade e cenário, Brothers conta com uma ótima trilha sonora que conduz o jogador a se emocionar nas horas certas. Resumindo, Brothers é um jogo que todos devem jogar algum dia e assim entrar dentro de um conto de fadas.

Pontos Positivos:

  • Excelente história
  • Jogabilidade inovadora
  • Grandes cenários
  • Ótima trilha sonora

Pontos negativos

  • Acaba rápido, jogo curto

Brothers: A Tale of two sons
Nota no metacritic: 90/100
Plataformas: PC, PS3, Xbox 360
Desenvolvido por: Starbreeze
Gêneros: Aventura, ação.
Tema: Fantasia

  • Daniel Monteiro

    Quase comprei esse jogo uma vez na steam, mas me controlei e deixei passar o impulso consumista.
    Priscilla, jogos nessa mesma pegada que recomendo são Bastion e Transistor, feitos pela mesma equipe desenvolvedora. Limbo também segue a mesma linha indie focada em história.

    Vou acompanhar a coluna, abraços!

    • Daniel, pode comprar Brothers sem medo! Ás vezes ele aparece bem barato na steam, por menos de R$ 10,00.
      Bastion já joguei e gostei! Por isso comprei o Transistor que ainda não peguei pra jogar.
      Obrigada pelas indicações e comentários.
      Abraços!

  • Vanessa Straioto

    hum, jogos? ja gostei da coluna..rss
    gostei bastante da resenha, vou procurar para comprar..
    oq é esse steam que vcs falaram?

    • Oi Vanessa! Steam é uma espécie de loja/comunidade onde se vende jogos somente para PC e bem barato. Além disso ele funciona como comunidade onde vc pode avaliar os jogos, participar de fóruns, etc. Qdo vc compra um jogo no steam para jogá-lo é necessário instalar e fazer uma conta do próprio steam no seu computador que assim sendo ele instala e atualiza os jogos automaticamente.

      Qualquer coisa tem essa pagina do wikipédia falando do steam: https://pt.wikipedia.org/wiki/Steam

      • Vanessa Straioto

        ah, o steam é pelo pc..nao gosto de jogar pelo pc, prefiro videogame..mas obrigada pela explicação.

        • Vanessa, Brothers tb está disponível no PS3 e Xbox 360 🙂
          Abraços!

          • Vanessa Straioto

            e tambem vai sair para mobile…..so nao sei quando..rss

  • Lys Marie

    Nooosssaaa!!! Eu lembro desse jogo!!! Eu joguei ele a um bom tempo atrás no PS3 e adorei! Achei muito legal os puzzles. Os dois irmãos vão se ajudando para conseguir passar por determinados locais… Poxa, eu recomendo bastante. Eu não cheguei até o final (na época estava estudando e tinha pouco tempo para jogar), mas assim que tiver a oportunidade vou jogar de novo!! 🙂

    • Lys, volte ao jogo assim que possível. Vc n irá se arrepender! Aliás, não deve demorar mto para você terminá-lo pq como disse ele é bem curtinho.
      Obrigada pelo comentário!
      Abraços!