CabulosoCast #129 – O Escaravelho do Diabo

28

Olá Cabulosos do meu Brasil Baronil e Booklovers de todo mundo! Neste capítulo, Lucien o Bibliotecário recebe Danielle Toste e Vinícius Gomes para falarem sobre um clássico da coleção Vaga-lume: O Escaravelho do Diabo. Hoje você saberá quem é a autora; qual a opinião dos cabulosos sobre a obra e descobrirá que há uma adaptação para o cinema e o que os participantes acham disto. Um bom episódio para vocês!

Atenção!!!

Para ouvir basta apertar o botão PLAY abaixo ou clique em DOWNLOAD (clique com o botão direito do mouse no link e escolha a opção Salvar Destino Como para salvar o episódio no seu pc). Obrigado por ouvir o CabulosoCast!

Quer baixar o episódio em arquivo rar?

Para baixar a versão em zipada clique aqui, em seguida cole o link de download e clique na opção convert file.

Para fazer o Download do episódio clique aqui.

Citados na leitura de e-mail’s

Citados durante o episódio

Mídias Sociais

Assine nosso Feed

Assine nosso feed http://feeds.feedburner.com/cabulosocast

Nossa Página no iTunes

https://itunes.apple.com/br/podcast/cabulosocast/id730234743?mt=2

Nossa Página do You Tuner

http://youtuner.co/index/results?s=cabulosocast&x=0&y=0

  • jedimdk

    Klaus
    sobradinho DF

    Ouvi e a questão se resolve de maneira simples: regra dos 15 anos. Quando mais jovens, víamos o mundo de outra forma, e a leitura segue a mesma tendencia. É um livrinho que tem defeitos mil, mas na nossa infância e adolescência, até passava. Hoje, naturalmente não.
    Lucien, cadê a minha torta? Vou morrer de fome no meio tempo.

    • Lucien o Bibliotecário

      Klaus,

      Sua torta vem na última semana de maio.

      Concordo. Mas queria deixar claro que o livro, para a faixa etária adequada é bom.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Vinicius

    Grande Lucien, o mago da edição! Gostei muito de participar e você cortou as minhas atrapalhadas, quase pareci educado! hahaha

    Obrigado pelo convite!

    Grande abraço!

    • Lucien o Bibliotecário

      Vinícius,

      Que é isso, rapaz. Você é um gentleman! 😀

      Eu que agradeço por sua participação.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Igor Rodrigues

    Série Vaga-Lume (e os Karas) é tipo Goonies ou a Patrulha B.R.A.T. É descaradamente uma fantasia onde crianças e adolescentes tem poder de fazer coisas incríveis e viver aventuras no meio de um mundo adulto. 🙂

    “Escaravelho” foi um dos primeiros livros que me lembro de ter lido e o fiz mais de uma vez. Eu tinha uns 8 anos na época e peguei da minha irmã e achei fantástico. Sei que se ler agora não vou gostar, mas vale a nostalgia com o cast.

    Gosto da ideia de uma adaptação infanto-juvenil, afinal a publicação do texto como livro foi almejava esse público, mas esbarrava na ideia original, pensada pra adultos. O filme pode corrigir isso, acho que pode dar muito certo e abrir portas para mais aventuras juvenis nacionais.

    Quanto ao preço… não sei o que falar, só sentir. Mentira, sei sim. Reclamar de pirataria é fácil, negociar o diabo de um livro de 40 anos e finíssimo por um preço decente, aí complica. Tá certo Lucien, tem mais é que baixar mesmo!

    • Lucien o Bibliotecário

      Igor,

      Polêmicas a par sobre a pirataria, acredito que talvez você não fosse gostar como na sua infância, mas é uma leitura divertidíssima.

      E sim! Sempre pensei nos Karas como os Goonies, não sei onde, em minha cabeça louca sempre achei que este fosse a versão cinematográfica daquele. Vai entender.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Rodrigo Basso

    Série Vaga-Lume é nostalgia pura!

    • Lucien o Bibliotecário

      Rodrigo,

      Nostalgia wins! 😀

      Abraços.

  • Do U Bleed?

    Esse foi o primeiro livro que eu corri atrás pra ler. Ouvirei o cast chorando de nostalga.

    • Lucien o Bibliotecário

      Agora fiquei curioso. Ouviu? Gostou?

      Abraços.

  • Bruno Trajano

    òtimo ein!!!
    caras, e moça! rs. Tenho que dizer que algumas criticas não “fizeram sentido”, mas no próprio cast vocês foram se corrigindo. Tipo, inicialmente foi feito para folhetim, e virou “popular” quando foi lançado em livro para o publico infato-juvenil; é assim certo?! A questão é apenas que vcs criticavam sem levar em conta os dois momentos mas foi corrigido!
    Mas mesmo sem ter lido, tenho que dizer que por tudo que ouvi me pareceu uma ótima historia, que sendo avaliada pelo o que é, merece mesmo um 4 ( de 5)

    • Lucien o Bibliotecário

      Bruno,

      Sobre a publicação em folhetim o que eu quis frisar é que diferente de outras obras da coleção Vaga-lume, O Escaravelho, possui um foco nos adultos e não nas crianças como pare ser os demais livros. Por isso, acredito que hoje, mais velhos tenhamos uma maior afinidade com os personagens.

      Concordo com sua nota, meu amigo, é um livro bem bacana e cumpre sua função com mérito.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Marcela Uchôa

    Excelente programa.

    Li vários da coleção vaga-lume, contudo esse acabou escapando. Fico imaginando que, assim como Escaravelho do Diabo, outros livros também terão vários probleminhas, como a questão da representatividade feminina.

    Abraços

    • Lucien o Bibliotecário

      Marcela,

      Acredito que sim, mas é interessante hoje termos a capacidade de perceber isso, já que mostra que vemos o papel da mulher de outra forma. Se fosse você arriscaria ler é bem divertido.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Janaina Muniz

    Dani Toste,

    Será que nesse ano teremos finalmente o podcast de Entrevista Com O Vampiro?

    • Lucien o Bibliotecário

      Janaina,

      Espero que saia logo. E soube que o editor deste episódio é um cara bacana.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Renato Dantas

    Renato, 34 anos, São Paulo

    Lembro de ter lido O Escaravelho do Diabo com uns 8 anos, tinha feito uma cirurgia na perna e passei algumas semanas de molho. Uma amiga da minha mãe, que era professora, me emprestou vários livros da coleção vaga-lume, entre eles o Escaravelho.

    Eu lembro que na época achava o livro gigante hehehe e o título mega sinistro. Eu não lembrava de muita coisa, como a resolução, o motivo do assassino e definitivamente não lembrava do machismo do livro.

    Uma coisa que me lembro bem era de ficar olhando a lista de outros títulos da coleção vaga-lume e ficar namorando quais eu ia querer ler, bem como faço hoje em livrarias e na amazon hehehe

    Sempre quis ler essa trilogia do Xisto, nem tinha me tocado na época que era da mesma autora, mas depois de ouvir o episódio e lembrar dos pontos wtf do Escaravelho acho que é melhor deixar a vontade no saudosismo da infância.

    Quanto à adaptação, nem vou me dar ao trabalho de ir ao cinema, esse é meu nível de expectativa.

    Ah, queremos CabulosoCast de Crônicas de Gelo e Fogo

    • Lucien o Bibliotecário

      Renato,

      Também não lembrava de quase nada, mas para mim foi bom reler, pois nas partes WTF! Eu dava boas gargalhadas.

      Sempre quis ler a coleção Xisto e só descobri que foi da mesma autora por causa do CabulosoCast.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Rodrigo Basso

    Ultimamente os livros estão tão grandes que parece que o pessoal está vendendo eles por quilo! É bom ver que essas obras com menos de 500 páginas ainda estão sendo impressos…

    • Lucien o Bibliotecário

      Rodrigo,

      Confesso que não entendi a referência! XD

      Abraços.

      • Rodrigo Basso

        É que ultimamente estão publicando livros tão grandes/grossos, que parece que estão cobrando o valor do livro pelo quanto ele pesa!
        É bom saber que ainda são lançados livros únicos e com menos de 500 páginas e que não temos que pegar 3, 4, 5 ou até 7 volumes para sabermos como a história irá terminar.
        Abraços!

        • Lucien o Bibliotecário

          Rodrigo,

          Mas é essa a questão. Na verdade o valor do livro da coleção vaga-lume é bem abusivo. 128 páginas por 37 reais? Cara, não dá.

          Obrigado pelo comentário.

          Abraços.

  • Saudades da Coleção Vagalume, passei boa parte de minha infância na biblioteca do colégio (sim, quando eu era novo colégios tinham biblioteca… ao menos em RJ) lendo essa coleção.

    Adorei o programa. Mesmo com os erros do livro (e estou bem ciente deles) na época, só de crianças terem acesso a histórias que eram para elas, e simultaneamente eram adultas e aterrorizantes, nos fazia esquecer quaisquer MIMIMIs a respeito da narrativa, e isso vale até hoje. O livro tem criança trabalhando lado a lado com os “hômi”, tem crime, sangue e orrô numa história infantil, o que poderia dar errado? TUDO, e é isso que fazia de livros assim serem tão bons.

    Não sei se farão de todos os livros da Vagalume, mas Mistério do Cinco Estrelas, Um Cadáver Ouve Rádio, A Turma da Rua Quinze e A Ilha Perdida seriam boas pedidas.

    Abraço a todos. 8)

    • Lucien o Bibliotecário

      Pensador,

      Então, como eu comentei no programa na pauta anual do CabulosoCast (o link está neste post) existe uma enquete para falarmos de toda a coleção no episódio 150 se não me engano.

      E corroboro com você sobre o que hoje parece “erro” para nós, na época que lemos a coleção vaga-lume era o que mais nos atraia.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

    • Janaina Muniz

      Pensador Louco,

      Sabe o que eu descobri? Os livros do Marcos Rey (Mistério do Cinco Estrelas, Um Cadáver Ouve Rádio, etc) já estão sendo reeditados, mas agora em separado pela Global Editora.

      • Lucien o Bibliotecário

        Jana,

        Será que os livros baixarão de preço?

        Abraços.

  • Lucas Moraes

    Descobri vocês hoje, e ja assinei o feed!

    Muito bom o humor, edição e a levada do podcast. Um tema interessante seria “Livro em primeira pessoa Vs Livro em terceira pessoa”, talvez não para um podcast inteiro [ou sim, quem sabe?], mas seria muito legal descobrir as opiniões de vocês sobre o que mais agrada e quais tipos de narrativa são melhores para determinados temas e abordagens.

    Abraços!

    • Lucien o Bibliotecário

      Lucas,

      Poxa, olha só que responsabilidade! Preciso fazer o próximo melhor que esse para não perder o novo ouvinte. Obrigado por assinar nosso feed.

      Acho a temática bem interessante. Seria curioso um debate entre as vantagens e desvantagens de ambos os estilos principalmente se conversarmos com alguns escritores, não acha?

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.