[Notícia] Sentindo o Livro – colete permite que leitor sinta as mesmas emoções do personagem do livro

6

Hoje pela manhã, vi a seguinte notícia postada nas redes sociais:

Livro permite sentir as mesmas sensações dos personagens” – ou algo assim.

Acontece que segundo o texto e o MIT (Massachussets Institute of Thecnology) isso será possível a partir de um colete adaptado ao livro com sensores e luzes….. O livro escolhido para ser utilizado como o primeiro protótipo foi ‘The Girl Was Plugged In’, ficção científica da autora Alice Sheldon (sob o pseudônimo de James Tiptree Jr.), publicado pela primeira vez em 1973.

colete-livro-costasEssa notícia me causou uma série de questionamentos…
Será que esse colete é mesmo necessário?
Não estaria o MIT criando uma trava para a imaginação ao invés de um incentivo a leitura?
O próprio livro já não causa as devidas emoções no leitor?
Não discordo da ideia por completo porque sim, eu me imaginei lendo uma guerra medieval com esse colete, e deve ser MUITO bom, mas…. E se meu personagem morre? Eu vou sentir a morte
estando vivo???? Alguém finalmente definiu a sensação da morte *-*??
E será verdade mesmo que na era digital e tecnológica que estamos vivendo, as pessoas estão cada vez mais frias a ponto de ter que usar um equipamento para sentir emoções?
Não sei…. eu ainda acredito no poder dos livros…… sem coletes….

A notícia está aqui para quem quiser ler também!

Você pode ler o pdf do livro  “teste” em inglês aqui

  • Lucas Rafael Ferraz

    Oi Giul!

    Poxa, que bizarro! Suponho que possa ser considerado um dispositivo de realidade aumentada. Eu não usaria.

    A beleza da literatura está nas palavras e no modo como interpretamos e sentimos essas palavras. Se a pessoa não consegue sentir nada ao ler um livro, das duas uma: ou o livro é raso ou a pessoa não está pronta para ele.

    • Giul Cavasin

      Pois é Lucas…. concordo muito com o que você disse!
      ” Sentir é pensar sem ideias, e por isso sentir é compreender,” (Fernando Pessoa)…..e a literatura é bem compreendida assim =D !
      Existem “pesos e pendências” para um livro ser raso ou a pessoa não estar pronta para determinado livro… são valores quase subjetivos ou, muitas vezes, pré-estabelecidos…
      ( e isso daria uma discussão boa viu? )!

      • Lucas Rafael Ferraz

        Tão boa que nem me atrevo a entrar nela.
        De qualquer forma, creio que o que quero dizer é que, se por quaisquer motivos uma pessoa não sentiu nada com um determinado livro, acho estranho que force isso com estímulos externos, o que pode levá-la a pensar que apreciou a leitura, quando na verdade foram os choquinhos que impulsionaram a coisa toda.
        Enfim, o mercado já tá tão cheio de lixo que vende milhões de cópias sem qualquer ajudar da tecnologia. Com isso ai então… hahahahhaa

        Agora sim fui polêmico.

        😛

  • Eu acho muito “Admirável Mundo Novo”.
    Mas sim, eu testaria, minha curiosidade sempre vence.
    Enfim…

    É muito…. indefinível e perigoso, como tudo que envolve possibilidade de controle. Mãs… xá pra lá esse povo cabeça chato! =P

    By the way, bem vinda ao time! ;D

    • Giul Cavasin

      Acha, nem somos Curiosos! Por que você tá falando isso?

      Lidar com possibilidades de controle … não tinha pensado nisso =/
      UIA!

  • Bianca Rubens

    eu acho super interessante a ideia, é mais uma forma de interação com o leitor, mas acho q essa questão da morte seria talvez mais a angustia (ou qualquer outra coisa que a pessoa esteja sentindo) que precede a morte, não a morte em si.. eu ia querer experimentar