[Resenha] Exorcismos, Amores e uma Dose de Blues – Eric Novello

2

Sabe aquele livro cheio de lugares-comuns e clichês literários, com plot twists gigantescos que mudam tudo que foi construído no final, com um Deus ex machina oportunista que surge do nada para salvar o dia, com montes de sub-plots confusos que nada adicionam e encheção de linguiça sem dó? Então, com certeza absoluta esse NÃO é Exorcismos, Amores e um Dose de Blues, lançamento do autor Eric Novello, e uma das obras mais revigorantes de fantasia que li nos últimos tempos.

O livro em si é um portal para o Entremundos que te leva direto para a metrópole de Libertá, uma versão de São Paulo num universo permeado por magia e seres oníricos, onde o Conselho de Hórus atua no controle de eventos feéricos que escapam dos limites e ameaçam a segurança e a vida das pessoas comuns. Um deles é a musa que passou pela vida de Tiago Boanerges, mago exorcista do Conselho, fazendo grande estrago. Após perder o coração para a musa, perdeu também seu emprego e sua antiga vida. Agora ela está de volta e Tiago tem que enfrentar o passado num embate definitivo.

O mundo de Libertá não tem religiões abraâmicas, o que pode levar o leitor a se perguntar o que raios Tiago exorciza. Não, você não verá meninas possuídas girando o pescoço em ângulos impossíveis e falando em voz gutural. Os alvos dos exorcismos são os seres oníricos citados anteriormente, que saem da linha e interferem no mundo físico, inclusive influenciando e possuindo as pessoas. Novello desenvolve muito bem esse universo mágico que criou, escrevendo de modo instigante, jamais entregando como tudo funciona de bandeja, mas antes o fazendo aos poucos, em doses homeopáticas que tornam difícil o ato de pausar a leitura.

O clima noir permeia a história, regada a muito blues como o nome sugere. As sub-tramas são apresentadas aos poucos e vão se costurando com o passar dos capítulos, completando aos poucos a pintura do quadro maior pretendido pelo autor. Isso é feito de modo muito habilidoso, sem ficar confuso ou complexo de entender, armadilha em que muitos escritores acabam caindo. Os personagens e lugares são marcantes e tem personalidades fortes e bem definidas. Novello tem domínio total de sua ferramente de trabalho, a língua portuguesa, e constrói um texto fluído e agradável.

O livro ainda levanta questões mais profundas que levam o leitor a pensar em temas como vício em drogas, sobre relacionamentos (afinal, nos apaixonamos pelo corpo ou personalidade? Ou ambos?) e diversas outras coisas. Os personagens não são bons ou maus, são imperfeitos, cheios de defeitos e como tal cometem erros e acertos, assim como na vida real.

O autor vai lançar novas obras no universo de Libertá e os limites são literalmente infinitos. Há tantos seres com histórias para contar: Salvaxes, Efrites, Lúdicos, Primais, magos e etc. Novello poderá nos levar para dar uma volta em Yume (jamais sem um guia), ou passar pelo Entremundos e sair por um espelho diferente para outro Reflexo, novo e inexplorado em busca de algum artefato ou entidade criadora de confusão.

Ah, quem leu Neon Azul deve se lembrar do boneco na garrafa, o cativante (e sinistro) Marafo. Pois é, ele está de volta, e espera por vocês nas páginas de Exorcismos, Amores e um Dose de Blues. Boa viagem a Libertá!

NOTA:

Avaliação: 5 Selinhos Cabulosos

 

Ficou interessado(a)? Então compre o livro:

Editora:  Gutenberglogolucas_vectorized (1)
Autor: Eric Novello
Origem: Brasileira
Ano: 2014
Número de páginas: 336

Skoob

 

  • Quero muito ler algum livro do autor. Lucien me fez uma ótima propaganda de Neon Azul, e é o tipo de trama que gosto. Só o título desse novo romance do autor me intiga à ler.

    • Pode fazer isso sem medo Thyeri! O Neon também é um livro muito bom, mas AEDB atingiu outro nível, é uma obra magnífica mesmo.

      Obrigado pelo comentário.