CabulosoCast #92 – Review: Maus, O Diário de Anne Frank e O Menino do Pijama Listrado

17

vitrine_960_CC_92Olá Cabulosos! Iniciando uma nova série do CabulosoCast: Lucien o Bibliotecário, Serena “De Castigo” Cabulosa e Priscilla Rúbia falarão sobre três obras ambientadas na 2ª Guerra Mundial. Hoje você conhecerá a graphic novel Maus do Art Spiegelman, O diário de Anne Frank e O Menino do Pijama Listrado do John Boyne. Bom episódio para vocês!

Citados na leitura de e-mail’s

Recomendações

Livraria Cultura

Submarino

Citados durante o programa

Mídias Sociais

Assine nosso Feed

Assine nosso feed http://feeds.feedburner.com/cabulosocast

Nossa Página no iTunes

http://itunes.apple.com/br/podcast/leitor-cabuloso-literatura/id549022839

Nossa Página na Kombo Podcasts

http://www.dimensaonerd.com/category/podcast/cabulosocast/

Nossa Página do You Tuner

http://youtuner.co/index/results?s=cabulosocast&x=0&y=0

Nossa Página no FalaCast

http://www.falacast.com.br/eqbws9vm

Quer nos Enviar um E-mail?

Quer enviar um e-mail comentando algo que ouviu no programa? Quer enviar um link ou alguma material que complemente as informações do podcast? Escreva para cabulosocast@gmail.com

Tamanho do Episódio:  79 minutos

Quer baixar o episódio em arquivo rar?

Para baixar a versão em zipada clique aqui, em seguida cole o link de download e clique na opção convert file.

Para fazer o Download do episódio clique aqui.

Atenção!!!

Para ouvir basta apertar o botão PLAY abaixo ou clique em DOWNLOAD (clique com o botão direito do mouse no link e escolha a opção Salvar Destino Como para salvar o episódio no seu pc). Obrigado por ouvir o CabulosoCast!

  • Olá Cabulosos! Fenomenal episódio!
    Por coincidência nesse exato momento estou pesquisando personagens notáveis e eventos da Segunda Guerra para um projeto pessoal. Esse tema me atrai demais da conta, já li muito a respeito.

    Desses três, só li Maus, que ganhei da minha esposa há uns tempos. Fenomenal. Acho que vocês cobriram todos os pontos sobre ele, é realmente uma obra incrível, que além do conteúdo ele perverte muito o formato, relatando a experiência da própria criação, algo bastante inusitado e que caiu muito bem.
    Quanto ao pai ser um chato, não só isso, ele é racista, no final Artie dá carona para um negro e o velho fica horrorizado. Interessante ver isso. E ele ainda fica indignado de comparar judeus com negros. Ele passou por um holocausto, pela destruição de um povo, e não aprendeu NADA com isso, continuou tocando a vida com seus preconceitos enraizados permanecendo inabalados.
    Ainda sobre Maus, não se pode ter preconceito com a arte. É um arte muito característica e minimalista, sim, mas que casa perfeitamente com o tom da história. É uma obra prima das artes sequenciais. Digo isso pois já vi gente falando que nem ia ler porque era “feio”.
    Dica: Auschwitz – O Testemunho de um Médico. Não é um romance, é exatamente o que o título diz. Um médico judeu que foi pra Auschwitz, e anos depois da guerra escreveu seu relato, sem qualquer pretensão literária, apenas dando sua história, e é muito chocante, porque ele tem a visão privilegiada pois tinha mais liberdade no campo que os demais prisioneiros.
    O relato da câmara de gás é aterrorizador e perturbador, mas é importante se lembrar que isso aconteceu. Algo assim jamais pode cair no esquecimento. Aliás, o médico também sai de Auschwitz na marcha que Vladek enfrenta em Maus. E a descrição das marchas e passagens por outros campos até o final da guerra é muito impressionante.

    Enfim, ótimo episódio, parabéns!
    Lucas Rafael Ferraz, Consultor de TI, 25 anos, Sorocaba SP.
    No momento entre livros, escolhendo o próximo.

    • Lucas,

      Esse preconceito do pai do Art é algo incrível, não? Pois o artista escolheu mostrar como uma pessoa falha e imperfeita.

      Obrigado pela incrível indicação, com certeza se um dia comprá-lo pulará outros facilmente.

      Muito obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Alvaro Rodrigues

    Alvaro Rodrigues, 26 anos, desenhista da engenharia de produto automotivo, Rio de Janeiro. (Ainda) Lendo Maze Runner (James Dashner).

    Cabulosos, boa tarde!
    Primeiramente, parabéns pelo episódio.
    Ouvindo este último senti falta de mais livros de mesma temática, como: A Lista de Schindler, O Pianista, dentre outros. Esses livros poderão ter um episódio único ou poderão aparecer em uma segunda parte de Review sobre obras relativas à Segunda Guerra Mundial? Desculpe-me, não lembro se já foram feitos programas com estes títulos.

    Na mesma pegada angustiante, gostaria de sugerir uma pauta para episódios ou reviews futuros: livros adaptados ou transcritos sobre prisões. Sim, prisões reais, não as “prisões invisíveis”. rs
    Alguns exemplos: Papillon (Henri Charrière); Quatro Estações/Um Sonho de Liberdade (Stephen King); À Espera de Um Milagre (Stephen King); Um Estranho no Ninho (Ken Kesey), que não é bem prisão, e sim um sanatório; Rainbow – Nisha no Rokubou Shichinin (Mangá/Anime de George Abe) que também não é prisão, mas um reformatório juvenil; etc.

    Forte abraço!

    • Álvaro,

      Excelente sugestão para um próximo Review!

      Sobre os títulos citados não fizemos nenhum CabulosoCast sobre eles, mas quem sabe, não é?

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • v.

    olá, cabulosos. cast muito bom. desde a leitura de emails ao final. A leitura, por sinal, me fez lembrar que existe um seriado muito legal da HBO chamado “bored to death” que trata sobre a vida de um escritor de romances que, entediado com a vida e com a falta de sucesso em sua carreira profissional, resolve iniciar uma carreira paralela de detetive particular. uma comédia de humor negro maravilhosa que, se não me engano, brinca de ser baseada na vida do criador da série, que tem o mesmo nome do personagem principal. o tema do cast me fez lembrar um outro livro fabuloso sobre a segunda guerra mundial: “é isto um homem?”, do italiano Primo Levi. Levi sobreviveu a Auschwitz trabalhando lá como químico. O livro é bem seco em suas narrações, com personagens que só aparecem uma vez, porque o contexto nos faz entender o que acontece com cada um deles. Recomendadíssimo. Outro autor que acho interessante, especialmente pela biografia dele, é Bruno Schulz, um polonês judeu que era professor de artes e e escritor, protegido de um soldado nazista, e que morreu assassinado por outro soldado nazista que tinha uma rixa com o seu protetor (morreu como retaliação, porque o protetor de Schulz matou um protegido deste outro soldado). Sobre Anne Frank, tem um livro do meu autor favorito, Philip Roth, em que ele usa Anne como uma possível personagem. Ele encontra uma moça na casa de seu escritor favorito, numa noite em que ele foi convidado pelo mesmo para jantar, e começa a fantasiar que ela, estrangeira europeia, judia, é ninguém menos que Anne Frank que não quis assumir que havia sobrevivido e assumiu uma nova identidade. O livro do Roth se chama “The Ghost Writer” e, no brasil, pode ser encontrado como “diário de uma ilusão”, encontrável em sebos, ou como parte do livro “Zuckerman Acorrentado”, da cia das letras.

    Gostaria de aproveitar o espaço para fazer um jabá, foi mal, nunca fiz isso, mas todos aqui somos leitores. Eu e quatro amigos começamos um projeto em que cada um assume um dia na semana para publicar um texto num blog. O blog se chama “Em dias úteis” e o endereço dele é http://emdiasuteis.wordpress.com/ desculpem pelo jabá. abraços.

    pedro víctor santos, 26 anos, médico, maceioense em recife-pe, lendo “jakob von guten”, de robert walser e complete poems do walt whitman.

    • Pedro,

      Nunca vi esse seriado, mas pela premissa parece bem interessante.

      Excelente dica do Philip Roth, hein? O título em português é ruim, mas o que importa é o conteúdo.

      Sobre o Jaba, sendo você um ouvinte e apreciador do Leitor Cabuloso é mais que nossa obrigação aceitar a indicação do seu trabalho e propagá-la na leitura de e-mails.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Wilson Brancaglioni, Bancário, 38 anos e São Paulo/SP

    Olá turma tudo bem?

    Adorei o programa que mais uma vez me deixou emocionado, pois quando o assunto é II Guerra e lembramos do quanto o ser humano foi e é capaz de cometer atrocidades isso me deixa muito triste.
    É um dos assuntos que leio muito já que não podemos deixar esse assunto esquecido, pois a todo momento o ser humano insiste em cometer essas mesmas atrocidades ocorridas na II Guerra. Há inúmeros conflitos pelo mundo e parece que a lição dolorosa daquele período não foi aprendida. Um filme que acabei chorando no final foi Cinzas da Guerra e me pergunto a todo momento como o ser humano é capaz disso?

    Gente parabéns pelo excelente programa vocês são Fantásticos.

    Abraços.

    • Wilson,

      Nunca tinha ouvido falar nesse filme, contudo agora fiquei motivado a assistir. Fico feliz que tenhas gostado do episódio.

      Muito obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Marcos Martins

    Marcos Martins, poeta, escritor e faço bico como assistente administrativo para comprar meus livros, 36 anos, assisto em Jaboatão dos Guararapes/PE, onde a pátria nasceu. Lendo: Divorcio, de de Ricardo Lísias; Requentando Repolhos, de IRVINE WELSH e Barba ensopada de Sangue, de Daniel Galera.

    Fascinante esse CabulosoCast! Trilha sonora fantástica, Lucien! Os Casts está cada vez melhor, só tenho uma coisa a reclamar: Toda vez que ouço os Cabulososcasts fico mais pobre, pois fico louco para comprar os livros que são citados. Ah!, caras, ouvi o CabulosCast sobre Kafika, um de meus autores preferidos, muito bom! E só para constar nos autos, acabei de ler Vidas Secas( poético, poético e poético).

    Excelente programa e Abraços literários!

    • Marcos,

      Eu não peço desculpas, pois não compramos livros, mas enriquecemos nossa alma. 😀 Fico feliz que o CabulosoCast o tenho motivado a ler Vidas Secas.

      Muito obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Marcos Martins

    Tem toda a razão, guardião do saber literário.

    😉

  • Olá amigos! Devo confessar que não conheço muita coisa sobre a 2a. Guerra, pq sempre evito esses documentários, são sempre chocantes e me trazem uma sensação ruim. Apesar disso, quando rola uma boa conversa sobre o assunto, eu sempre procuro ouvir, e concordo com o Lucien: temos que falar sempre sobre esse absurdo para que nunca nos esqueçamos do que somos capazes de fazer com outros seres humanos.
    O programa ficou ótimo, adorei o estilo review, e achei muito engraçado a pronúncia do Lucien, me lembrou a minha quando tento falar alguma coisa em inglês, eu sempre faço uma voz estranha e parece que estou imitando alguém, rs.
    Priscila Rúbia, nunca imaginaria que você gosta desse assunto e entende tanto dele. Foi muito bom ouvir a sua opinião sobre horrores do holocausto, e fiquei ainda mais sua fã 😉
    Não li nenhum livro que vocês comentaram, mas fiquei muito interessada em “Maus”, pelo formato diferente. Vou procurar ler.
    Achei o livro “A menina que roubava livros” muito poético, pela forma como o autor conta uma história tão triste, e nunca tinha pensado em como viviam os alemães que não aderiam ao partido nazista, por isso, o livro (e o filme também), me deram uma visão bem diferente daquelas pessoas. Na nossa cabeça é muito fácil generalizar e rotular toda uma nação como assassina, sem saber que, na maioria das vezes, aquele povo também era vítima de alguns loucos que queriam impor sua vontade ao resto do mundo.
    Sou fã do Leitor Cabuloso, como vcs já sabem, e foi muito legal falar sobre vocês no meu blog, apenas com o intuito de divulgar esse trabalho tão bem feito. E fiquei surpresa com os comentários de vocês, agradecendo e se sentindo honrados com esse pequeno gesto. Continuem divulgando a literatura, quanto mais pessoas pudermos conquistar, melhor.
    Bjos a todos!

    • Joana,

      “Tamo” junto no Curso de Inglês do CabulososCast.

      Obrigado por todo o apoio que você nos dá.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Um dos meus temas preferidos! Dos três livros citados, só não li o Maus, mas preciso ler!

    Outros livros dessa temática:

    A chave de Sarah, de Tatiana de Rosnay, conta a história de uma jornalista americana que mora na França e vai pesquisar sobre a perseguição dos judeus na França. Enquanto isso conhecemos a história da menina Sarah, judia que carregou uma culpa enorme nas costas por muitos anos.

    A vida em tons de cinza, de Ruta Sepetys. É sobre o ângulo dos russos na Segunda Guerra e a perseguição dos lituanos, que foram deportados para campos de concentração na Sibéria. Eu nunca tinha lido nada sobre o ponto de vista de outras nações que também foram envolvidas na Segunda Guerra, além do que sabemos do nazismo.

    Diário da queda, de Michel Laub. Não fala exatamente do período da Segunda Guerra, mas fala de como as gerações futuras foram impactadas por essa tragédia.

    Depois eu volto com indicações de temas pro “Reviews”. Adorei o formato!

    • Esqueci: 35 anos, jornalista e bibliotecária, Vancouver, Canadá. Ouvindo: Nunca me deixes, de Kazuo Ishiguro.

    • Ana,

      Realmente Maus é uma graphic novel imperdível! Excelentes indicações, não entrou na leitura de e-mails do CabulosoCast #93, mas entrará nas menções honrosas do episódio 94 sem sombra de dúvida.

      Muito obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Natália Cristina

    Adorei esse episódio pois sou viciada em livros que tem a Segunda Guerra mundial como background. Dos livros citados só não li Maus. Existe um livro que li que se chama “O Menino da Lista de Schindler” Que conta a história (real) de Leon Leyson que enquanto garoto teve seu nome juntamente com o de sua família na lista de Oscar Schindler e sobreviveu, tanto é que ajudou na construção do livro e do famoso filme A Lista de Schindler. O livro possui imagem real da lista e de Leon Leyson com sua família, que já morreu, mas não faz muito tempo. Obrigada por abordar esse tema e abraços!