CabulosoCast #87 – A Culpa é das Estrelas

30

vitrine 960 CC87Olá Cabulosos! Sejam muito bem-vindos a mais um CabulosoCast! E neste capítulo, Lucien o Bibliotecário (@lucienobiblio10), Priscilla Rúbia (@Priscilla_Rubia), Domenica Mendes (@MegElanor) e Lucas o Roberto (@lucasrobertoooo) falam de A Culpa é das Estrelas esse fenômeno editorial escrito pelo John Green. Hoje você descobrirá o que é sick-lit? Por que somos tão fascinados pela morte? E quem é Esther Earl?. Bom episódio para vocês!

Citados na leitura de e-mails

Recomendações

Livraria Cultura

Submarino

Citados durante o programa

Mídias Sociais

Assine nosso Feed

Assine nosso feed http://feeds.feedburner.com/cabulosocast

Nossa Página no iTunes

http://itunes.apple.com/br/podcast/leitor-cabuloso-literatura/id549022839

Nossa Página na Kombo Podcasts

http://www.dimensaonerd.com/category/podcast/cabulosocast/

Nossa Página do You Tuner

http://youtuner.co/index/results?s=cabulosocast&x=0&y=0

Nossa Página no FalaCast

http://www.falacast.com.br/eqbws9vm

Quer nos Enviar uma E-mail?

Quer enviar um e-mail comentando algo que ouviu no programa? Quer enviar um link ou algum material que complemente as informações do podcast? Escreva para cabulosocast@gmail.com

Tamanho do Episódio:  120 minutos

Quer baixar o episódio em arquivo rar?

Para baixar a versão em zipada clique aqui, em seguida cole o link de download e clique na opção convert file.

Para fazer o Download do episódio clique aqui.

Atenção!!!

Para ouvir basta apertar o botão PLAY abaixo ou clique em DOWNLOAD (clique com o botão direito do mouse no link e escolha a opção Salvar Destino Como para salvar o episódio no seu pc). Obrigado por ouvir o CabulosoCast!

  • Luiz Teodosio, 24 anos, Estudante de Letras, RJ

    Então, cabulosos, gostei muito deste episódio. Discorreram sobre muita coisa que não sabia a respeito da obra e do autor. Confesso que achei A Culpa das Estrelas um livro mediano, com algumas qualidades aqui e alguns defeitos ali. Não chorei em momento algum, mas determinados trechos foram comoventes.
    Não sei se chegaram a ler um artigo publicado recentemente pelo jornal Slate (segue o link http://www.slate.com/articles/arts/books/2014/06/against_ya_adults_should_be_embarrassed_to_read_children_s_books.html) em que a autora diz que “os adultos deveriam se envergonhar por ler literatura young adult”. Não demorou a pipocar na internet diversos textos em réplica ao artigo, defendendo a literatura YA e a ideia de que as pessoas devem ler o querem, da qual, aliás, sou partidário. É engraçado ouvir desses “super leitores” o argumento de que tais livros (como A Culpa das Estrelas) oferece muito pouco ao leitor, e praticamente nada ao leitor adulto. Contrariando essa lógica, vocês do Cabuloso Cast – todos adultos – gravaram quase duas horas de discussão sobre um livro YA.
    Além do mais, o fato de se tornar um adulto não exclui a existência de um adolescente ou de uma criança dentro dele, pois, do contrário, ele não conseguiria mais apreciar nenhuma literatura infantil ou juvenil. E o mais engraçado dessa história é que não há intelectuais que condenem o adulto que vá ao cinema assistir um filme infantil ou juvenil, mas quando a mesma situação é colocada em planos literários a coisa se inverte.

    Abraços.

    • Luiz,

      Não tenho o que dizer. Simplesmente brilhante a sua colocação. Não conhecia o texto e o linkarei no post do próximo episódio.

      Muito obrigado pelo riquíssimo comentário.

      Abraços.

  • Camila Téo (@milateos)

    Estimados Cabulosos,
    Graças a uma “ajudazinha” do amigo aLx consegui chegar até vocês. Não ouvia podcasts há tempos, mas a abordagem de vocês e a temática (literatura) me deixaram tão esperançosa por encontrar novamente algo de qualidade que aceitei o desafio e ouvi este cast. Esse episódio, especialmente, ficou tão leve quanto as passagens mais felizes do livro de John Green… Destaque para a lista de livros/filmes para chorar que vocês colocaram, falando do nosso intenso relacionamento com aquilo que não podemos pegar, nem desejar, mas que não pode ser evitado… A MORTE!
    Espero que mais livros semelhantes, com temáticas atrativas e apelo ao público jovem, apareçam para despertar o interesse pela leitura em mais e mais pessoas.
    O livro é lindo e emocionante, só não foi emocionante assistir o filme diante de tantos soluços e lágrimas. Mas isso é outra história.
    Abraços!

    • Camila,

      Seja muito bem-vinda a família Cabulosa!

      O que nós quisemos construir com o bloco dedicado a literatura e a morte é que esse tema não é exclusivo do Sick-lit, mas está presente na literatura há muito tempo.

      Muito obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • CHUPA, Lucien! Hahaha

    Ainda não ouvi o episódio todo (estou na parte dos comentários), mas não tive como não vir aqui rir e agradecer a concordância de tantos ouvidos quanto ao filme do Hobbit! Haha… Foi divertido pra caramba gravar, e mais ainda todo esse “burburinho” com que só a internet é capaz de nos brindar.

    Outra coisa: bem que podíamos gravar um episódio sobre livros E filmes BONS, não? Livros bem adaptados e tal. Acho que ficaria bacana.

    Assim que eu acabar de ouvir volto aqui para dizer o que achei do episódio em si.

    Grande abraço e desculpem a brincadeira! o/

    • Marcelo,

      Eu sei que eu perdi, assumo 😀

      Já está na pauta deste ano a sua sugestão, meu amigo e gravaremos com a mesma equipe.

      Obrigado pelo comentário.

  • Caroline

    Ameeei o Cast, eu já tinha lido o livro A estrela que nunca vai se apagar e foi um livro muito impactante para mim e também tinha lido A culpa é das estrelas, achei genial o debate e gostei muito do ponto de vista de todos, vocês fazem as pessoas quererem ler de novo e de novo .
    Parabéns a todos por nos mostrar o modo que pensam e obrigada por entrar conosco nesse maravilhoso mundo da leitura…
    Beijinhos em todos 😉

    • Carol,

      Fico feliz que você já tenha lido e mesmo assim tenha se motivado a reler a obra.

      Muito obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Lucas Ferraz

    Lucas Ferraz, 25, Sorocaba, Lendo O Rei de Amarelo de Robert W. Chambers.

    Bem legal o episódio, realmente não é meu tipo de livro e ainda não me atrai, mas devido ao cast pode ser que leia um dia, só pra ver qual é mesmo.

    Abraço!

    • Lucas,

      Essa é a função do programa apresentar obras para os mais variados tipos de públicos, mesmo aqueles que talvez não se identifiquem com a obra, mas aprendam a valorizá-la pelo que ela é.

      Obrigado pelo comentário!

      Abraços.

  • Letícia

    Oi, pessoal! Faz pouco tempo que acompanho os podcasts de vocês e adorei esta edição. Sou defensora do John Green, acredito que para o que ele se propõe, o destaque vale a pena. Fico feliz que os adolescentes e até quem não curte muito leitura esteja tendo contato com um autor que escreve bem e tem seus méritos. Pra mim, a parte com o Peter foi bem significativa. Além de toda a relação que vocês fizeram com o Green, fiquei pensando que a forma com que a história foi exposta no livro é quase um apelo dele: não me idealizem, gente, sou uma pessoal normal, que escreveu uma história, “matem o autor” e aproveitem sua leitura. Valeu!

    • Letícia,

      Não tinha pensado no Peter como o Green tentando mostrar que ele é alguém comum, muito bom o seu ponto de vista não tinha pensado nisto mesmo.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Jéssica

    Venho acompanhando o podcast há algum tempo e vocês estão mesmo de parabéns.
    Muito boa a abordagem e a análise que vocês fizeram de um livro que têm sido extremamente subestimado devido a sua popularidade.
    Eu havia lido o livro em 2012 e gostado muito, e tenho me chateado com as duras críticas e comparações sem embasamento que estão rolando por aí. Apesar de ser um livro jovem e popular este tem o seu valor, e é principalmente uma boa leitura para pessoas que não costumam ler muito, já que com o recente “estouro” atingiu e agradou até mesmo esse público. Logo, este pode ser um bom incentivo para leitores jovens e inexperientes.
    Além disso vocês me deixaram louca para ler “A estrela que não vai se apagar”
    Muito obrigada, fizeram um ótimo trabalho.
    Abraços.

    • Jéssica,

      “A Estrela que não vai se Apagar” é um livro incrível se comprá-lo e lê-lo não se esqueça de vir aqui e deixar suas impressões.

      Sem sombra de dúvida não podemos subestimar o poder que um livro como A Culpa é das Estrelas possui para trazer pessoas ao mundo dos leitores.

      Muito obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Daniel Di Sevo

    Eu achei meio forçado esse livro / filme. Sei lá, parece meio novela, aquela lá que a menina raspa a cabeça. É que depois de ler Nelson Rodrigues #NelsonExplica tudo parece meio sem graça kkkk

    Acho que os jovens em si, deveriam ler mais literatura nacional. Como Machado de Assis e tantos outros, essa literatura jovem e pra inglês ver é algo meio surreal, que foge do realismo e de uma coerência literária. O texto é ruim, a história é ruim, há uma clara forçação a pieguisse, enfim. Leiam / assistam mais Nelson Rodrigues haha.

    • Daniel,

      Devemos lembrar que não há apenas literatura clássica e que gosto é gosto. As portas da leitura se abrem para cada leitor de maneira diferente. Quem lê A Culpa é das Estrelas necessariamente não está ignorando a existência da literatura nacional, é melhor darmos o tempo de cada leitor. Um dia ele poderá chegar a uma Machado ou Nelson Rodrigues, apenas precisamos respeitar o gosto literário.

      Fico muito feliz em saber sua opinião.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Ezequias Campos

    Meu primeiro comentário aqui depois de um tempo já como um fã do cabuloso.

    Lucien, meu caro,você é um herói (como professor de literatura), é assim que eu vejo quem tenta minimamente tirar as mentes dos jovem da inércia (o papel que deveria ser das escola, afinal).

    O livro merce exatamente a nota que fora dado, três selos cabulosos bastam, e muito. E a obra é boa, entrega o que promete, é, “uma gracinha”, sem deixar de ser profunda.

    Não estou muito afim de ir ver a adaptação, honestamente, o que ela pode acrescentar (ainda mais depois de um cast deste)?

    • Ezqueias,

      Fico feliz que aches que o CabulosoCast cumpre um papel que seria da escola esse tipo de elogio nos motiva e muito a continuar.

      Achei muito bacana você dar sua nota em Selinhos Cabulosos, acharia interessante que todo o CabulosoCast onde analisamos uma obra outros Cabulosos o fizessem.

      Muito obrigado pelo seu comentário.

      Abraços.

  • 35 anos, Canadá, bibliotecária e jornalista, lendo Razão e Sentimento, de Jane Austen.

    Adorei esse episódio, galera! Eu fui ver o filme nessa semana e curti bem a adaptação até. Acho que foram bem fiéis ao livro, apesar de terem cortado algumas partes que realmente não faziam muita diferença ou falta. O final termina como no livro mesmo, pra quem tem curiosidade, com a carta do Gus. Agora, o que mais curti no filme foi a trilha sonora. Maravilhosa!

    Adorei sua colocação, Lucien, sobre o paralelo entre o destino da Anna e da Hazel. Não tinha me ocorrido essa análise antes de ouvir o cast. E vocês todos discutindo o final da Hazel ficou parecendo a própria Hazel questionando o Van Houten sobre o fim de Aflição Imperial! hahahahahah O livro acaba e pronto, não interessa o que acontece com a Hazel depois.

    Eu li o livro e não achei isso tudo que todo mundo achou não. Nem mesmo em termos de texto. Já li livros muito melhor escritos do que esse, que inovaram na escrita literariamente falando. A culpa é das estrelas é bem construído, com personagens empáticos, a trama bem costuradinha, as pistas sobre o que acontece bem distribuídas, mas o texto em si achei bem simples.

    • Ana,

      Sem sombra de dúvida o livro é simples em sua escrita, mas devemos imaginar que há pessoas que ainda temem ler, pois acham que vão encontrar uma escrita difícil. Assim, um livro como A Culpa é das Estrelas traz pessoas a literatura foi por isso que elogiei a escrita do John Green se comprarmos com outros livros é claro que no caráter inovação temos obras muito mais elaboradas.

      Muito obrigado pelo seu comentário carinho.

      Abraços.

  • Francesca Abreu

    Lucien, tô tentando do celular. Moto x android.
    Meu player de podcast é o App podstore. Não tive nenhum problema com os outros episódios do Cabuloso, ou mesmo de outro cast.
    Mas esse em específico, não consigo. Nem pelo player. E nem tentando aqui pelo site (pelo telefone).
    Vou tentar baixar pelo computador.
    Vamos ver o que dá.

    • Francesca Abreu

      Lucien, fiz o teste do link Download pelo site, usando o pc. O que acontece é o seguinte. Quando clico no link ele me redireciona automaticamente para a página de player do cast. Ele não me dá a oportunidade de baixar o arquivo em .mp3.
      Não entendo muito bem, mas talvez seja esse o problema do feed não estar reconhecendo o link.
      Parabéns pelos cast.

      • Francesca, qdo abrir essa página do player, clica com o botão direito. Vai ter a opção de “salvar esse vídeo como” e ai dá pra baixar o cast.
        Veja se consegue 🙂
        Abraços!

  • Jonas Daggadol

    Acabei de ouvir o episódio. Nunca li Green ou mesmo sick lit, mas gostei de entender mais sobre o assunto atrávés de vocês. O Cabuloso Cast sempre desperta em mim o interesse para novidades ou temas esquecidos (como aconteceu com o sensacional episódio sobre FC nacional).
    Gosto muito dos clássicos, mas também das novidades. E vocês navegam muito bem entre os dois lados.
    Parabéns e continuem assim! Abraços.

    • Jonas,

      Fico feliz que você compreenda que o CabulosoCast procura falar dos livros, sem preconceito de gênero ou estilo literário o importante para nós e apresentar os mais diversos campos da literatura.

      Muito obrigado por ser nosso ouvinte.

      Abraços.

  • Olá pessoal, aqui é o Marcus Alencar do Leituracast.
    Li “A Culpa é das Estrelas“ ano passado e confesso que fiquei empolgado com a narrativa logo no começo. Livros em primeira pessoa são um convite para conhecer a cabeça de outras pessoas e assim ganhar uma passagem para conhecer o mundo através dos olhos deste ou daquele personagem. Nem todos tem uma cabeça interessante e isso atrapalhar e muito a vontade de continuar acompanhando a história. Felizmente, não é esse o caso do livro do John Green pois o ponto de vista da Hazel sobre sua condição é muito diferenciado e interessante. Percebe-se não só uma sensibilidade no retrato que ele dá a sua personagem mas também uma vontade de mostrá-la de um modo que talvez muitas pessoas não tenham pensado que existisse antes, ou seja, uma personagem tão real quanto eu e você e não alguém a margem da sociedade pela sua doença.

    Digo isso por causa da imagem de vitima que fica e que a própria Hazel critica quando comenta os livros com personagens com câncer. Sobre o filme, acredito que todas as atuações estavam boas e minha única reclamação é em um momento muito importante que é a cena do restaurante. A fala do Gus (Ansel Engort) soou muito artificial e no livro é um dos momentos mais bonitos do personagem e até mesmo da história.

    Enfim, encerro aqui meu longo comentário parabenizando vocês pelo ótimo cast. Vocês fizeram uma análise muito interessante principalmente por trazer ao bate-papo comparações com outras obras, algumas até inusitadas. Grande abraço

    Obs: Ainda bem que o nome do livro não é A Culpa é do Destino, não é mesmo? ehehhe seria horrível. Como fã de Marvel, lembrei na hora do vilão quarteto fantástico 🙂

    Obs 2: Convido vocês a ouvir o episódio que gravamos no Leituracast sobre o livro também.

    Até

    • Marcus,

      É uma honra tê-lo aqui no CabulosoCast!

      Concordo com você sobre o ponto de vista da Hazel ser bem diferente de possíveis vítimas com câncer. Isso é bem importante para a narrativa do livro e sem sombra de dúvida mostra que apesar de não se vitimar constantemente, ela continua a sofrer o peso da doença.

      Agradeço de mais seu comentário. É muito importante receber o feedback e outro podcast literário.

      Grande abraço.

    • Lucien o Bibliotecário

      Marcos,

      Não posso afirmar, agora que tenho a visão de quem leu o livro e leu a biografia da Grace, se essa empatia se deve a influência da garota que o Green conheceu. Só lendo outro livro dele para saber.

      A Culpa é do Destino parece outra coisa, né? 😀

      Convite aceito. Ouvirei sim.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Maria Faria

    Olá, meu nome é Maria Faria, sou de Uberlândia – MG, tenho 32 anos. Descobri o CabulosoCast através do LiterárioCast e foi uma excelente descoberta. Comecei por este cast, pois já li o livro e vi o filme e concordei com muitas coisas ditas aqui. Excelente!

    • Lucien o Bibliotecário

      Maria,

      Seja muito bem-vinda a família Cabulosa.

      Fico feliz que tenha gosta. Espero que continue a nos ouvir.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.