[Resenha] O lado bom da vida de Matthew Quick

2

O Lado Bom da VidaTitulo: O lado bom da vida

Autor: Matthew Quick

Editora: Intrínseca

ISBN: 9788580572773

Tradução: Alexandre Raposo

Paginas: 256

Ano Lançamento: 2013

Sinopse:

Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passaram apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um “tempo separados”.

Tentando recompor o quebra-cabeça de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora.

Análise:

Pat Peoples foi um ex-professor de história, na casa dos 30 anos Pat acaba de sair de uma clinica psiquiatra da qual ele sempre menciona como “lugar ruim”. Peoples aos poucos vai reunindo o quebra cabeça da sua vida, no qual muitas respostas serão esclarecidas e tomando rumos para encontrar o lado bom da vida.

Lançado pela editora Intrinseca a capa do livro é o cartaz do filme que é estrelado por Bradley Cooper, Jennifer Lawrence e Robert De Niro. O livro tem uma excelente diagramação, com boa fonte e bom espaçamento.

Matthew Quick possui um incrível talento em passar sentimentos através das palavras fazendo todos os leitores se sentirem emocionados com o passar da historia de Pat.

O personagem principal é Pat Peoples, ele tem um problema psicológico, porem no livro não menciona qual seria essa doença, pelo que eu pude compreender creio que seja um transtorno bipolar.

Pat é uma pessoa esforçada e tudo que ele faz é pensando em sua ex-mulher Nikki, pois ele acha que sendo uma pessoa melhor, ele vai conseguir ter sua ex-amada novamente em sua vida.

O leitor vai apreciar uma historia que mostra amor, compaixão, drama, conflitos familiares e o melhor de tudo é ver que a vida é um grande filme que podemos terminar com um final feliz e mostrar o lado bom da vida.

Nota:

Avaliação: 5 Selinhos Cabulosos
Avaliação: 5 Selinhos Cabulosos
  • Olá Rafa!
    Fico muito satisfeita em saber que você gostou do livro e do filme.
    Esse livro é um dos melhores livros que foi lançado nos últimos anos. Gosto da forma simples como o autor coloca os fatos, nos levando para a mente do protagonista.
    Aprecio principalmente a forma como ele, tão cheio de problemas e sem entender nada do que acontece de fato ao seu redor, sabe lidar com o lado bom da vida.
    Acho que todos nós, quando saimos da infância, acabamos de certa forma nos tornando uma espécie de Pat preso no hospital psiquiátrico. A gente não sabe muito bem o porquê está aqui e o que tá acontecendo, a gente só sabe que quer voltar para um lugar seguro e que nos faz bem.
    É aí que surge a grande sacada!
    Por meio de um comportamento bastante infantil por parte das protagonistas surge uma nova amizade, reestabelece-se a confiança no presente e é permitido viver o lado bom da vida! 😉

    Ótima resenha!
    Beijinho

    • Alvaro Rodrigues

      Engraçado como não tinha visto a trama sob esta perspectiva, Domenica. Ainda não li o livro, vi o filme sem muitas expectativas por não ser o meu gênero preferido, e que agradável surpresa eu tive. A atuação, a história, tudo casou para que eu também pudesse dar os meus “cinco selos cabulosos”. Agora, incorporando esta sua visão da transição da infância, fez com que eu revisse todo o filme mentalmente criando um comparativo com a minha vida. De fato há situações/momentos em que nos sentimos como Pat seja na vida social, profissional, sentimental. Eu costumo usar um bordão irônico: “O importante é ser feliz…”. Nunca ele me foi tão reflexivo.
      Abraços!

      Ps. Droga! Preciso comprar mais este livro… Hehehe