[Resenha] O mágico de Oz do L. Frank Baum

3

O Mágico de OzIdioma: português

Encadernação: Encadernado

Dimensão aprox: 17 x 12  cm

Peso: 0,235 kg

Edição: 1ª

Ano de Lançamento: 2013

Número de páginas: 224

Sinopse:

A casa de uma menina que vive no interior do Kansas é envolvida por um tornado, sendo transportada para a Terra de Oz. Dorothy se aventura pelo colorido e novo mundo que acaba de descobrir. Tentando voltar para casa conhece pelo caminho um espantalho, um leão e um homem de lata, os quatro se unem para encontrar o Mágico de Oz, que poderá realizar os seus mais íntimos desejos. A história do Mágico de Oz é bastante conhecida por todo o mundo.

Considerações iniciais

Todos conhecemos a história da jovem Dorothy e como através de um tornado fora parar na terra desconhecida de Oz. Será? A leitura do livro O Mágico de Oz foi uma das deliciosas surpresas deste ano de 2013. Achei que leria um livro previsível e ingênuo, contudo a ilusão se desfez diante das primeiras páginas, pois a escrita simples não quer dizer necessariamente um livro simples.

Logo na apresentação autor é comparado ao Lewis Carroll – escritor de Alice no País das Maravilhas. A comparação é feliz e infeliz ao mesmo tempo. Na alusão a construção de um mundo inimaginado e regido por regras que próprias, a comparação é feliz, contudo quanto elaboração dos personagens que são belíssimas metáforas de nós seres humanos, é infeliz. Em Alice, os personagens são manifestações dos sentimentos mais vis, como a loucura, a indiferença, tirania encarnados respectivamente pelos Chapeleiro Maluco, Centopéia, Rainha de Copas; enquanto na obra do Baum, os personagens encarnam a nossas fraquezas, como a covardia do leão, por exemplo, porém em O Mágico de Oz há possibilidade de superação é um dos pontos chaves do livro, enquanto na obra do Lewis estas mesmas características são partes fundamentais dos seus personagens sendo, por assim dizer, o que faz com que os personagens sejam o que são: o que seria do Chapeleiro Maluco sem a sua loucura?

A edição

Estava pesquisando a obra na internet e tomei a decisão de comprar a edição da editora L&PM, contudo fui informado por um colega de trabalho que havia uma edição em capa dura disponível na mesma livraria em que eu compraria a da editora anteriormente citada. Adquiri, logo, O Mágico de Oz que foi publicado pela editora Jorge Zahar – o livro em questão, vale ressaltar – custou apenas 4 reais a mais que o livro da L± com capa dura, papel cuchê, belíssimas ilustrações e uma revisão impecável: O Mágico de Oz da Zahar é o livro que indico para você comprar caso fique interessado(a).

Pontos positivos

É um livro que você devorará. Em um único dia, conclui a leitura. O autor não se prende a descrições detalhistas ou a grandes divagações em seus parágrafos; mas é um livro que possui camadas. Uma criança pode lê-lo e achar a bonita história de uma garotinha e de seu cãozinho querendo voltar para casa; como também o adulto pode ler e compreender que a força para superar nossos maiores medos está dentro de nos mesmos. Esse talvez seja o maior mérito de Oz. Diluir metáforas extremamente significativas dentro de uma história cativante e repleta de ação. Dorothy passar por maus bocados para alcançar o castelo mágico na Cidade das Esmeraldas, mas em momento algum ela desanima ou deixa-se abater.

Narrado em 3ª pessoa, O Mágico de Oz traz um narrador apaixonado por sua protagonista. A escolha das palavras para descrever os momentos em que Dorothy encontra cada um dos personagens fabulosos do livro trazem carinho e cuidado. O narrador demonstra uma grande empatia pela protagonista escolhendo com delicadeza os adjetivos e verbos de ação que serão empregados em suas atitudes. E por falar em Dorothy, ela é uma personagem apaixonante. Diferente de Alice – já falei isso no CabulosoCast 63 -, que em vários momentos da leitura me fizeram desejar adentrar nas páginas para lhe dar uma lição. Sua sagacidade em encontrar soluções para problemas aparentemente sem solução, sua coragem diante de situações que afugentariam outras pessoas fazem com que o leitor torça por ela durante toda a trama. Os demais personagens, guardam cada um o seu próprio encanto. O espantalho que é burro, mas no decorrer da narrativa é o responsável por encontrar a solução para vários obstáculos; o homem de lata que não tem coração, mas vive se apiedando nos momentos de fragilidade do grupo; o leão covarde, mas protetor quando o grupo se vê ameaçado e mais um infinidade de personagens. Lembrando que estamos falando de um livro de 222 páginas!

Pontos negativos

Infelizmente o livro chega ao fim. É um leitura saborosa que não cansa o leitor em momento algum. Além de trazer no seu término uma pequena surpresa, pois a princípio existe um objetivo quando Dorothy inicia a sua jornada, contudo à medida que a protagonista alcança esse objetivo teremos um plot twist excelente.

Avaliação

05-selos-cabulosos
Nota: 5 Selos Cabulosos

Considerações Finais

O Mágico de Oz é leitura recomendada para pessoas que querem ler algo rápido, mas com profundidade. Também recomendo para que os pais leiam para seus filhos, já que quando criança este terá uma percepção e à proporção de seu crescimento e de suas releituras irá incorporando novas mensagens. Como muito tem se falado de ‘ressaca literária’, indico o livro para quem está sofrendo deste mal; pois como temos uma memória infantil a respeito deste livro – mesmo sem nunca tê-lo lido – o leitor irá se surpreender com a quantidade de camadas – que vão muito além das já citadas.

  • Rodrigo Neto

    Já que gostou desse ótimo livro, eu recomendo outro: Maligna – Para os que Amam ou Odeiam o Mágico de Oz. O nome pode ser meio besta, mas eu garanto que vale a leitura. É a história da bruxa má do oeste.
    Essa tradução de titulo ficou muito ruim mesmo…

  • Ai ai.. outro clássico lançado pela Zahar?
    E naquele estilo capa dura, tradução caprichada, etc e tal?
    Ai meu rico dinheirinho… porque não dá pra nem pensar em resistir.
    Principalmente depois que descobri que estes livros são bem diferentes de suas adaptações

    abraço

    • Nilda,

      Sim, é aquele tipo de livro que vale a pena ter na estante.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.