[Rascunho] Bloqueio criativo

3

É algo desesperados que pode atingir nós todos.

Mas o que fazer quando ele chega?

Combinei conhecimento adquirido de alguns artigo que li com alguns comentários de opinião pessoal e cheguei a alguns tópicos que podem te ajudar caso você bata na aparentemente intransponível barreira do “não saber o que fazer com uma folha em branco”.

bloqueio-de-escritor1

1 – Não force

Não adianta. Se a ideia não está saindo agora, ela não vai sair.

As ideias são como criaturas vivas e com vontade própria, se você forçá-las a fazer o que você quer, elas vão se vingar e vão deixar sua história horrível. Às vezes é só uma cena, as vezes é o destino inteiro do seu protagonista: se você não sabe o que fazer no momento, a melhor decisão é parar um pouco e respirar. Só volte a escrever quando surgir na sua mente algo quer realmente mereça ser escrito.

2 – Estímulos externos

Livros e filmes ajudam. Não estou dizendo pra você copiar O Hobbit, ou uma cena inteira de Vigadores. Mas inspiração surge com facilidade quando você se concentra em uma coisa que não te nada a ver. Dá um tempo pro seu subconsciente trabalhar em paz.

Vídeo games também podem ajudar nessa etapa. Eu acho que até assistir alguém jogar jé é um bom estímulo para a imaginação.

3 – Música

Coloquei música em um tópico separado de “estímulos externos” mesmo sabendo que se poderia estar tudo no mesmo grupo porque música é uma influência muito poderosa. É muito comum vermos autores dizendo qual estilo gostam de ouvir enquanto escrevem, fazer um agradecimento em seu livro diretamente para uma banda ou tirar a inspiração de uma odisseia inteira só a por causa de um refrão. Música pode ser mágica. Use essa magia a seu favor.

4 – Ter as ferramentas adequadas

Muitas vezes, os autores confundem “desordem do pensamento” com “falta de ideias”, mas essas coisas são bem diferentes uma da outra. Se você já decidiu o que vai acontecer com seu personagem, mas cada etapa da evolução do protagonista está escrita em uma língua diferente, em uma arquivo diferente de computadores diferentes pode ser que você, conscientemente, não tenha se dado conta que está tudo pronto. O primeiro passo é se organizar: tenha certeza de quais partes da história você já tem e quais estão, efetivamente, faltando antes de tentar se livrar no bloqueio.

5 – Planejamento

Você não precisa saber cada curva que o personagem vai fazer no caminho de casa para o trabalho, mas, ás vezes, um pouco de planejamento pode evitar a sensação de bloqueio derivada do “E agora? Eu faço o quê?”

6 – Releia

É uma bobagem. Você acabou de escrever aquilo e sabe com certeza absoluta o que acabou de acontecer. Mas volte algumas páginas e releia mesmo assim. Isso te ajuda a entrar no clima da narrativa. Não leia como autor, leia como leitor. Imagine a cena e viaje junto com ela. Quando ela terminar, pense, como leitor,  “o que eu queria que acontecesse agora?” Muitas vezes, nas respostas que você vai dar para essa pergunta vai estar a saída para o seu bloqueio.

7 – Peça opiniões

Leitores beta. Leitores beta. Leitores beta.

Já falamos e falamos mais uma vez e ja repetimos a importância desse pessoal. Pois aqui está mais uma: o leitor beta não precisa, nem vai, te dizer exatamente o que fazer. Mas ele pode responder a pergunta do tópico anterior. Pergunte o que ele/ela gostaria que acontecesse a seguir. Uma ideia geral, muitas vezes, é só o que você precisa.

8 – Durma

Esse negócio de virar noite porque precisa terminar de escrever pode acabar muito mal. É a mesma ideia de forçar o texto. Se você teve uma crise de excesso de criatividade, passe a noite sem dormir. Passe até duas. Mas se você não tem exatamente o que escrever, senta a noite toda para escrever só pela quantidade de palavras… O resultado final pode acabar te decepcionando.

Sem conta que, durante o sono, nossa cabeça parece explodir em ideias interessantes. Não esqueça de manter um bloquinho de anotações do lado da cama.

9 – Apague

Às vezes, se você bateu em um beco sem saída é porque a cena anterior não estava funcionando para a história. O melhor a fazer é voltar, apagar e reescrever. Não tenha medo de mudar uma ideia. Eu sei como é: a gente levou tempo para escrever aquilo e fica com dó de apagar, foi trabalho duro e bem feito e acabamos com a sensação que foi tempo jogado fora. Não pense assim. Tempo que você leva escrevendo – quer seja algo que você vai usar, quer não – nunca é tempo jogado fora. Se você decidiu não usar, significa que você usou aquele tempo descobrindo o que não funcionava e agora você está um pouco mais perto do vai funcionar.

10 – Viva

Na vida, no dia a dia, nas pessoas que conhecemos e nas experiências que vivenciamos é que estão as melhores e mais intensas fontes de inspiração. Quando a pessoa bate em um bloqueio, sua intenção pode ser “não vou sair de casa enquanto não conseguir escrever mais uma página.” Isso não é uma boa ideia. Inverta: “vou sair de casa e não volto enquanto não tiver ideia para mais uma página”.

Talvez não tão radicalmente assim. Mas acho que deu pra entender a ideia.

Saia para caminhar, dê uma volta, coloque a cabeça na janela e observe as pessoas e os carros… qualquer coisa.

11 – Não se desespere

A ideia vai voltar. E, na pior das hipóteses, se ela não voltar uma ideia nova vai aparecer e você pausa esse trabalho e começa a focar em outro. Não há nada de errado com isso também.

12 – Não comece a enviar para editoras

É sério, pessoal. Essa parte é importante.

Você bate em um bloqueio e aí pensa: não sei se vale a pena continuar. Aí surge o pensamento de mandar para uma editora o que você já tem, se a editora se interessar você continua, se ela não gostar você parte para outra ideia.

De todas as coisas que você pode fazer pelo seu manuscrito, essa é a pior.

Editoras não recebem nem analisam materiais incompletos. Tudo o que você vai conseguir com esse é perder tempo, irritar um editor e, talvez até, perder uma chance que você poderia conseguir no futuro naquela mesma editora se apenas tivesse enviado o material completo.

13 – Contos paralelos

Se você empacou em um capítulo ou em uma cena, você pode tentar escrever um conto paralelo. Algo que aconteceu antes da história, mas que não havia espaço para encaixar no livro. Algo que vai acontecer depois. Algo narrado pelo ponto de vista de um personagem, caso o livro tenha um narrador-observador, ou narrado por um outro personagem, caso o livro já tenha um narrador-personagem.

Essas pequenas atividades ajudam a estimular a criatividade e acabam te ajudando a ter ideias inusitadas.

14 – RPG

Role Playing Game não é uma alternativa para todo mundo porque nem todos jogam. Mas se você joga, RPG pode ser uma das melhores coisas que você pode fazer no momento de um bloqueio literário. Se você joga, pense em uma história do seu personagem. Se mestra, pense na história de um NPC. Mas escreva! Escreva a história toda, independente!

15 – Mude de lugar

Se você escreve sempre no mesmo lugar, uma mudança de cenário pode te ajudar. Troque a cadeira, se você escreve em um laptop ou caderno, vá para outro lugar. São pequenas coisas que você pode fazer para dar uma sacudida na mesmice e quebrar a inércia.

  • Gabriel Mendes

    Ju, que posso dizer de tudo isso? Bem, eu já tinha algumas dessas dicas como método para evitar ou destruir meus bloqueios criativos (tenho histórias que ainda estão congeladas por causa deles, [risos]), mas essa foi a primeira vez que eu vi essas estratégias reunidas em um post.

    Sobre pegar influências de outras fontes, ler uns livros, ver uns filmes, jogar uns jogos (videogame, RPG, tabuleiro), eu posso dizer que sim!: tudo isso ajuda muito, dá novas ideias e acaba expandindo seu universo.

    Sobre ouvir músicas: ajuda muito. Eu já tirei uma cena de “Wake me Up When September Ends” (do Green Day) e um capítulo inteiro de “Viva La Vida” (do Coldplay).
    Quando eu vou escrever eu geralmente fico cinco minutos olhando pro computador tentando fazer o cérebro trabalhar, mas – a não ser que eu esteja em um momento de surto criativo – eu não consigo escrever nada sem reler as últimas mil palavras (no mínimo).

    E sobre os contos paralelos, eu comecei a escrever A Sombra do Ranger quando tive um bloqueio criativo forte na história principal. E veja só no que deu (risos)!

  • Realmente as vezes vem o danado do bloqueio, mas eu não me preocupo muito não, faço algumas das coisas que você disse, enfim me viro para que a ideia volte, e num momento certo a mesma volta, no livro que estou fazendo, denominado “Admirável Mundo Louco”, já ocorreu três vezes de em parte e em capítulos diferentes, da ideia não sair. Mas depois de um tempo a ideia voltou. Eu nem forçava, pois sabia que realmente iria prejudicar parte da obra.

  • Eriton

    Estou em semi-bloqueio criativo, tenho as ideias pra escrever, mas quando paro pra por no papel ou no PC elas fogem (malditas ¬¬). Vou tentar fazer algumas coisas assim e esperar, mas eu ja faço a maioria disso sem estar em bloqueio, então I have a problem!! XD