Os Poetas Goliardos

1

Olá leitor, aqui quem vos fala é o Danton Brasil, e eu lhes apresentarei um grupo de pessoas que são…… interessantes.

mongesOs poetas goliardos foram um grupo de  clérigos pobres e estudantes devassos saídos das universidades. Desamparados pela Igreja, tornavam-se itinerantes, vagabundos, de espírito transgressivo e provocador. Tais foliões viviam na Inglaterra, França e Alemanha, onde se produziu este tipo de literatura marginal. Seu nome vem da devoção ao bispo Golias, de quem se diziam seguidores. Grandes poetas como Huoh Primas of Orleans, Pierre de Blois, Gautier de Châtillon e Phillipe the Chancellor. O tema preferido das suas composições é o amor, em especial o amor amoral, sem limites, e toda a espécie de prazeres sensuais. Quase todas as suas composições são hinos em homenagem a liberdade sexual e, pesadas criticas á conduta tirânica religiosa, ideológica e moral da Igreja, sem esquecer o poder papal.  Em meados do século XIII, perambulavam pelas tavernas, portas das universidades e outros lugares públicos, cantando e declamando seus poemas satíricos, um tanto cínicos.  Descritos por Van Woensel (2001, p. 25) como “a ala ‘esquerda’ da corporação clerical”, os goliardos se aproveitavam da formação erudita para compor, algumas vezes na clandestinidade, canções nada edificantes de teor satírico, amoroso e até mesmo licencioso. A mais célebre compilação dos cânticos goliardos é os Carmina Burana (significa “Canções de Benediktbeuern”) , textos escritos no século XIII, na Bavária, traduzidos por John Addington Symonds com o título Wine, Women, and Song (1884). Vinte e quatro poemas do Carmina Burana foram musicalizados por Carl Orff em 1936; a composição de Orff rapidamente se tornou popular, o movimento de abertura e de fecho “O Fortuna”, tem sido utilizada em filmes e eventos se tornando a peça clássica mais ouvida desde que foi gravada. Curiosidade: em um certo momento, os Goliardos pintavam suas poesias de crítica a igreja nas paredes das casas, algo que vemos hoje como pichação.

Achando chato? espere só para escutar e ler suas letras.

mongeRápido Índice:

Poemas  /Canções Presentes no Carmina Burana;

-Carmina moralia et satirica (1-55), de caráter satírico e moral;

Carmina veris et amoris (56-186), cantos primaveris e de amor;

Carmina lusorum et potatorum (187-228), cantos orgiásticos e festivos;

Carmina divina, de conteúdo moralístico-sacro (parte que provavelmente foi adicionada já no início do século XIV).

Ludi, jogos religiosos.

Supplementum, suplemento com diferentes versões dos carmina.

Segue Abaixo uma tradução de um dos mais célebres poemas:

Ó Sorte

Sorte imperatriz do mundo
Ó Sorte
Como a lua
Variável
Sempre crescendo
E minguando
Vida odiosa
Primeiro oprime
Então alivia
A mente só por diversão
Pobreza
Poder
Derretem como gelo
Destino – monstruoso
E vazio
Roda da sorte
Tu és malevolente
Bondade em vão
Que sempre não leva à nada
Obscura
E coberta
Você também me amaldiçoou
E agora no jogo
Eu trago minhas costa nuas
À tua vilania
O destino está contra
Minha saúde
E virtude
Dás
E tira
Sempre escravizando
Então agora
Sem demora
Puxe essa corda vibrante
Já que o destino
Extermina o forte
Chorem comigo!

Links para Provar a História:

(a mesma letra que está escrita acima. Só que em Latim)

Link para quem realmente se interessou:

Link para quem curte algo mais HARDCORE:

Bibliografia:

Wikipédia, Portal do Professor.

  • Sempre adorei Carmina Burana. Meu pai costumava colocar pra ouvir enquanto trabalhava em alguma coisa e eu ouvia junto, desde pequeno. Mas não fazia ideia das origens, totalmente diferente do que imaginava.

    Muito bom o texto! Valeu!