LCTV – Piloto 01 – 10 livros idiotas e Conde de Monte Cristo [vídeo resposta]

24

Sim, leitores! Agora nos aventurando pelo mundo dos vídeos, vamos falar sobre o polêmico post publicado pela Revista Bula intitulado: 10 Livros para Idiotas, além de, ao término, receber a indicação de uma obra.

Citados durante o vídeo:

Assine nosso Canal no You Tube

  • O Leitor Cabuloso tem um no You Tube para assiná-lo clique aqui.

Recomendamos

Livraria Cultura

  • Rod

    Fala Lucien! Como vai? Entendo sua indignação. Para blogs, sites e outras mídias que fazem esse tipo de conteúdo ruim, simplesmente não visito mais. Se não agrega não tem porque ter atenção e pelo visto não preciso conhecer mesmo. Abç!

    • Rod,

      Obrigado pelo comentário. Penso igual a você, hoje se não me agrada, não me alimenta intelectualmente, tá descartado.

      Abraços.

  • Acho que ele só queria atenção, aí resolveu polemizar.

  • Vish! Como assim?

    também acho que foi só para ganhar atenção

  • Delque Victor

    Minha net é lenta por isso vou demorar um pouco comentar, to vendo o link aí do top 10 livros para idiotas. depois volto, me aguarde…

  • Rafael Botter

    Primeiro quero comentar sobre a iniciativa do Lucien em gravar um vídeo, espero que seja o primeiro de muitos com certeza.
    Sobre o assunto em que se polemizou, primeiro ponto foi que ele quis repercutir com sua reportagem, pois muitos daqueles livros são verdadeiras obras primas. Segundo ponto foi o jeito chulo em que ele tratava os leitores que liam determinados livros. Eu li a trilogia 50 tons e não gostei, mas também não vou sair por aí falando mal do livro e das pessoas que o leram. Primeiro deve haver respeito para escrever algum artigo.

    • Rafael,

      Esse é o ponto. Você pode falar do livro que não gostou, mas isto não se estende a seus leitores, certo?

      Espero conseguir conduzir os próximos.

      Abraços.

  • Primeiramente: Lucien, tua cara não se parece nada com tua voz. XD (eu já tinha seu rosto em outros lugares, mas sempre é uma surpresa ver o rosto de podcasters)
    Ótimo Vídeo. Concordo com tudo. Sem contar que leitura, seja o que seja, ajuda a se criar uma melhor capacidade de analise e interpretação.
    E tenho experiencias quanto a isso. Quando eu estava lá pelo 7º ano do fundamental eu tive meu primeiro “contato não forçado” com livros literários. Na época eu li “A menina que roubava livros” e “Caninos Brancos”. Talvez por minha falta de conhecimento, eu achei esses livros geniais e muito bem escritos. Pouco tempo atrás eu fui conversar com alguém que tinha acabado de tentar ler “A Menina que Roubava Livros” e não é de se admirar que ela dropou o livro por causa do estilo de narrativa ser cansativo. E eu não duvido nada que realmente seja ruim.
    O ponto é: Mesmo que eu tenha lido livros “ruins” ou “fraquinhos”, eu li. E me apaixonei. E continuo lendo até hoje. E não pretendo parar.
    Não se deve podar leitura. É como queimar livros.

    • Daniel,

      Sem sombra de dúvida não podemos podar a leitura das pessoas colocando uma tarja sobre os livros: “Para idiotas”; “Para Inteligentes” – já que o autor do post deve se considerar uma pessoa inteligente, né? Ninguém sabe qual será o primeiro livro de cada leitor e ninguém sabe também quais livros ele lerá na vida. Apesar de não comentar isso no vídeo, mas admiro o Paulo Coelho por ter alcançado o status que muitos escritores gostaria – mas não admitem – de chegar.

      Abraços.

  • Muito Bom o conteúdo em Vídeo, Lucien.

    Também apoio a questão de quanto mais as pessoas lerem, melhor.

    Não descarto a questão que existam conteúdos mais pobres e outros mais ricos em idéias e profundidades nos texto. Mas tudo tem um publico e um foco.

    Eu sou um amante da literatura infanto-juvenil. Escritores como Pedro Bandeira, C.S. Lewis e Roald Dahl. Acho que me enquadro com um tolo segundo a analise do cara da revista citado por você.

    Ler é mais complexo do que ver um filme ou ouvir música de maneira geral. É preciso um pouco mais de dedicação da pessoa. Todo estimulo a leitura é bem-vindo.

    Viva Harry Potter que criou uma geração de novos leitores!

    Abraços.

    • Felipe,

      É verdade a leitura é um ato que exige mais da pessoa do que assistir ou ouvir. Li em algum lugar a fonte me escapa que os impactos da leitura no cérebro humano são incríveis e irreversíveis (ainda bem!) e vem o rapaz do texto supracitado dizer que existem leitores idiotas… existem idiotas em todos os lugares, inclusive no cinema e na música.

      Abraços.

  • Essa matéria prestou um desserviço à literatura e aos leitores. Excelente vídeo, Lucien. É ridículo que hoje algumas pessoas gostam de depreciar os leitores a partir do que estão lendo. Toda literatura tem seu espaço e sua função. Não há nada de errado em ler um livro, seja ele qual for!

    Abraços.

    • Luiz,

      Concordo plenamente e aproveito para deixar registrado que quando alguém critica um livro não critica o leitor, mas sim a obra a partir de um gosto pessoal. O que o post fez foi criticar os leitores e isto sim é inadmissível.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Marcela

    Lucien, estou impressionada!
    Nunca te imaginei assim, pensava que o Lucien era magrelo e cabelo enrolado curto, olhos levemente esbugalhados e definitivamente de barba ralinha!
    Sério, sua voz tem outra cara, corpo e cabelo pra mim!! hahaha
    Quanto ao assunto, acho que esse cara nem merecia atenção, preguiça de gente assim!
    Abraços,

  • Ola!!
    Lucien totalmente concordo com vc que este texto da revista bula é arrogante, pedante e desnecessário. Também fico muito indignada com gente que gosta de “se achar o máximo”, “se achar que esta acima de vc” por vc leu Crepúsculo ou 50 tons. Nós lemos para sermos formadores de opinião, não importa o livro, toda leitura faz vc refletir te torna um ser pensante, porque vc não se detém e sempre vai querer mais. Eu comecei a ler desenfreadamente com Crepúsculo e pra mim sempre foi uma ótima leitura, claro que hoje tenho outras preferencias, leio clássicos tipo: jane Austen, Bram Stoker entre outros. E claro que não sou tão fã de Crepúsculo como antes mas sempre será minha leitura queridinha!!! Adorei sua posição, seu vídeo resposta que foi muito legal!!!
    Bjos

  • Olás!

    Não vou comentar sobre a sandice deste artigo.

    Só quero agradecer pela indicação desta publicação de O Conde de Monte Cristo!
    Obras antigas e que já caíram em domínio público costumam ter muitas publicações por aí, mas é difícil saber qual delas tem uma tradução de qualidade.
    Assim que minha “dotação orçamentária” permitir, comprarei esta edição.

    abraço

    • Nilda,

      Compre sem medo, pois a edição é primorosa.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Isso aí Lucien! É como diz o ditado “Se você não tem nada de bom para dizer, é melhor não dizer nada”.

    Ótima indicação! (Alexandre Dumas foi gênio da literatura – na minha humilde opinião).

    Abs

    • Éder,

      Concordo plenamente! O silêncio é muito mais sábio para algumas pessoas.

      Abraços.

  • Vou confessar que às vezes me divirto lendo uma listas como aquela publicada na Revista Bula. Mas aquela, especificamente, não me agradou. Achei muito falaciosa. A única coisa que tirei do texto foi algumas risadas, mais pela incapacidade do texto de cumprir seu objetivo que por qualquer outra coisa.

    Esse tipo de crítica já foi válida, mas hoje está fora de seu tempo. Hoje sabemos que não existe um tipo de inteligência, mas nove (ou 10). Então, não é a leitura de um livro que vai desenvolver a inteligência corporal de uma pessoa, é treino físico. Me parece que essa ideia de que os livros tornam as pessoas inteligentes parte de uma ideia romântica, talvez.

    O próprio Machado de Assis criticava seus leitores, mas não os chamava de idiotas, não literalmente, pelo menos. Preferia chamá-los de “ingênuos”, se referindo à incapacidade de perceber algo que está nas entrelinhas, geralmente se limitando à história. Umberto Eco parece fazer uma classificação parecida, classificando os leitores em nível 1 e nível dois; mas não encontrei ainda o texto em que ele fala sobre isso para poder dar mais detalhes.

    Num texto resposta publicado por outro autor, também na Bula, é dito que o autor do texto original se manifestou no Facebook dizendo tratar-se de uma ironia. Não encontrei a ironia até hoje, naquela lista.

    Abraços!

    • Robson,

      Quando você precisa ir ao facebook para se retratar e “explicar melhor” significa que algo não está correto, não concorda?

      Esta classificação de tipo de leitor hoje para mim está bem clara no texto que escrevi recentemente: “Por um país de leitores”.Lá explico bem por que existe essa necessidade de classificar e por que quem o faz, faz isto.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • felipe

    Excelente visão crítica