9 mulheres que moldaram a história da ficção científica

13

 Arthur C. Clarke e Isaac Asimov. Todo mundo conhece os pais da ficção científica, mas o que dizer das mães?

 

9. Lois McMaster Bujold

grid-cell-15950-1379010955-9-horz

Nascida em 1949, Lois McMaster Bujold só começou a escrever para o mundo da ficção científica em 1986, com a sua ópera espacial “Shards of Honor”Mas depois disso, a menina estava em chamas…figurativamente. Bujold iria passar a escrever “The Mountains of Mourning”, que ganhou o Prêmio Hugo Award e o Nebula Award. Ao longo dos anos, ela já venceu por quatro vezes, num feito apenas conseguido por Robert A. Heinlein que escreveu nada menos, nada mais, a saga Starship Troopers. A partir de 2010, seus livros já venderam mais de 2 milhões de cópias, tornando-a uma das maiores escritoras contemporâneas do gênero.

 

8. Ursula K. Le Guin

grid-cell-5719-1379011428-33-tile

Uma das melhores autoras que estreou na ficção científica na década de 1960, Ursula K. Le Guin é uma lenda no ramo. Sua coleção de obras ganharam quatro Nebulas, dois Hugos, 19 Locus Awards – mais do que qualquer outro escritor já recebeu na vida – e foi nomeada para o Prémio Pulitzer de ficção. Por seu excelente serviço na ficção científica, Le Guin foi empossada como  Gandalf Grand Master, recebendo o Prêmio Peregrino da Science Fiction Research Association (SFRA), e foi reconhecido pela Biblioteca do Congresso como uma lenda viva. Basicamente, se Le Guin quisesse, ela poderia literalmente afogar seus opositores nos elogios que ela recebeu. 

 

7. Judith Merril

grid-cell-5721-1379011690-37-horz

Nascida em Boston, como Josephine Judith Grossman, ela escolheou o pseudônimo de Merril, porque, sério, seu sobrenome era horrível para um autor. Depois divertindo-se em histórias curtas sobre esportes, Merril publicou sua primeira história de ficção científica com 22 anos e encontrou sua vocação. Ao longo das décadas seguintes, ela criou 26 histórias do gênero, incluindo “Dead Center”, que foi uma das duas únicas histórias escolhidas para a antologia de ficção científica a ser publicado em “Best American Short Stories”Mais tarde em sua carreira, Merril mudou de autora para editora e passou a ser uma das primeiras mulheres a ser considerada influente nesse papel, publicando edições anuais de The Year’s Greatest Science Fiction and Fantasy  por mais de uma década.

 

6. Charlotte Perkins Gilman

grid-cell-6220-1379012932-4-horz

Mais conhecida hoje por seu conto The Yellow Wallpaper ( O Papel de Parede Amarelo), que é uma leitura obrigatória na maioria das escolas de ensino médio, Charlotte Perkins Gilman também foi uma ativista dos direitos dos animais e autora feminista de ficção científica utópica. Nascida em 1860, ela publicou “Moving the Mountain” em 1911 e Herland em 1915. Ambas as histórias giram em torno de uma pequena sociedade que está livre dos homens há milhares de anos, além de ser vegetariana, onde a reprodução assexuada evoluiu e as guerras e crimes foram completamente erradicadas. Você sabe, o material padrão.

 

5. Rokeya Sakhawat Hussain

grid-cell-24983-1379013207-10-horz

Antes que ela completasse trinta anos, Roquia Sakhawat Hussain era conhecida como uma trabalhadora social, escritora e feminista de Bangladesh no início do século 20. Usando o dinheiro reservado pelo marido em seu leito de morte, constriu a primeira escola para meninas muçulmanas, a fundação “Associação das Mulheres Islâmicas” em defesa da igualdade dos gêneros e ajuda na reforma política. Hussain publicou “Sultana’s Dream”, que é amplamente reconhecido como um dos primeiros exemplos de ficção científica feminista. A história meche com os tradicionais papeis de gênero da sociedade muçulmana da época e reverte-os para que os homens sejam isolados em casa, enquanto as mulheres saem com seus carros voadores, energia solar, e máquinas controladores de tempo. 

 

4. Jane C. Webb Loudon

grid-cell-24260-1379013314-11-horz

Uma pioneira do gênero, Jane C. Loudon estava escrevendo no início do século 19, bem antes do termo “ficção científica” ser inventado. No entanto, Loudon não ia deixar uma coisa pequena como um gênero não existir impedi-la de criar uma história sobre a vida no futuro. “The Mummy” gira em torno de um homem chamado Cheops, que é ressuscitado do antigo Egito para o  século 22 através de meios científicos. Quéops é evitado por sua aparência, mas consegue distribuir conselhos perspicazes sobre a política. Loudon propõem um futuro onde as mulheres usam calças acentuados com acessórios para o cabelo, enquanto autômatos funcionam como cirurgiões e advogados. Ela chegou a ir tão longe que conseguiu prever uma versão da internet.

 

3. Margaret Cavendish, duquesa de Newcastle

grid-cell-13600-1379021027-4-horz

A duquesa de Newcastle, Margaret Cavendish para seus amigos, era uma dama de companhia que fazia bico como escritora, filosofa,  poeta e cientista. Ainda mais surpreendente, ela fez tudo isso em seu próprio nome, em uma época em que a maioria das escritoras femininas publicavam anonimamente. Sua história “The Blazing World” é considerado o único trabalho de proto-science-fiction escrito por uma mulher do século 17 que é um relato semi-autobiográfico de um mundo paralelo alcançável pelo Pólo Norte. Cavendish escreveu antes de se tornar imperatriz de um lugar com submarinos e animais falantes, Firestones, e homens peixes. Seu mundo viria a ser mencionado por Alan Moore em “A Liga Extraordinária” .

 

2. Virginia Woolf

grid-cell-5717-1379012398-43-horz

Mais conhecida como uma das mais famosas autoras do sexo feminino do século 20, Virginia Woolf tem um segredo. Um segredo de ficção científica. Sob o pseudônimo de EV Odle, para proteger sua credibilidade nas ruas como uma séria escritora, Woolf inventou algumas das ficções científicas mais influente dos dias modernos. Sua história “The Clockwork Man” é o primeiro uso conhecido de um cyborg e também pode ser considerado o nascimento do steampunk. “The Puppeteer God” centrado em torno de uma criatura solitária que se alimenta dos sonhos dos outros, levando-os a escraviza-los em um estado de sonho que conhecemos como o mundo. Os irmãos Wachowski admitiram que essa história influenciou o filme “The Matrix”.

Sua história “The Houyhnhmn” sobre uma raça humanoide escravizados por cavalos, foi a principal influência no romance “The Planet of the Apes”, enquanto “An Unwanted Guest”  serviu de base para o filme exagerado “Attack of the 50 Foot Woman”. Talvez o mais evidente, foi “Orlando”, publicada sob o nome verdadeiro de Woolf,  uma história sobre um homem imortal que se regenera em pessoas diferentes. A premissa deve ser familiar para qualquer fã de “Doctor Who”. Basicamente, Virginia Woolf  inventou a ficção científica moderna em seu tempo livre para se divertir , e devemos agradecê-la por isso, todos os dias.

 

1. Mary Shelley

grid-cell-3792-1379010965-26-horz

Claro, nada disso teria sido possível se não fosse por uma adolescente entediada, Mary Shelley. Amplamente considerada a criadora da ficção científica propriamente dita, os romances de Shelley “Frankenstein” e “The Last Man” mergulham em química, ciência, e na arrogância do homem. Embora “Frankenstein” tenha sido escrito como uma diversão durante uma reunião social em dia chuvoso no Lago de Genebra, para assustar os amigos, incluindo Lord Byron que conseguiu conceber o vampiro moderno no mesmo fim de semana.  The Last Man dá um salto para o ano de 2100, quando uma praga está acabando com a humanidade devido à falta do avanço da medicina.

Fonte

  • Lucas Ferraz

    Ó único que li foi Franskestein de Mary Shelley. Obrigatório esse.
    Vou procurar ler alguns dos outros.

  • Então quer dizer que o Paulo Elache é irmão do Arthur C. Clarke e do Isaac Asimov? xD
    Virginia Woolf? Não sabia 😮 E só conheço mesmo as duas últimas da lista.

  • Bela lista!
    Já anotei para procurar os livros! rs
    Gosto da Virginia Wolf, mas confesso que não conheço esses textos dela, e a Ursula, o Paulo Elache já tinha me recomendado, agora está recomendado duas vezes! rs

  • *Woolf

  • Rod

    Ótima lista! Sempre me empolgo mas…. não espero encontrá-los em pt, afinal, sabemos que no Br não há/querem mercado para estes autores.

  • I. P. Araújo

    Adorei a lista! Adorei ver Margaret Cavendish citada, também! 🙂 E vale lembrar que Ursula K. Le Guin não escreve somente ficção científica, né? Ela também tem vários livros de fantasia, o mais famoso sendo Tales of Earthsea (Contos de Terramar em português?).

    • Nossa, tem uma animação com esse nome (Tales of Earthsea). Será que é baseada no livro?

  • FrankCastle

    Mandou bem, Serena!

    Estou anotando os das autoras e obras, muita coisa me interessou! Esse último livro de “Os Despojados” me ganhou só pela capa 🙂 E de Mary Shelley, fiquei curioso com esse tal de “The Last Man”

  • Uma que faltou nessa lista foi a Catherine Moore. Recomendo as histórias de Jirel of Jory, espécie de versão feminina do Conan escrita com um toque de Clarice Lispector. http://en.wikipedia.org/wiki/C._L._Moore

  • O conto de Hussain foi recentemente traduzido para o português e está disponível gratuitamente para download: http://universodesconstruido.com/

    Para quem não lê em inglês, vale muito a pena, a história é genial.

  • O conto mais famoso da Roquia foi traduzido para o português e pode ser baixado de graça. 😉

    http://universodesconstruido.com/

    • Sybylla,

      Sabia que em primeiro lugar eu sou seu fã, viu?! Agora o Momentum Saga, sempre estou por lá lendo. E muito obrigado pela dica.

      Abraços.