RASCUNHO: Diálogos

1

A melhor maneira de começar a preparar um bom diálogo é se perguntando qual a finalidade dele naquele momento da história.

 

dialogo

 

Um diálogo tem várias finalidades em uma narrativa. Vamos falar um pouco sobre cada uma.

 

1- Uma simples conversa

É bom porque descontrai a leitura. Um bom diálogo quebra o clima narrativo e envolve ainda mais o leitor na história. Por isso, às vezes é interessante incluir um pequena troca de palavras – mesmo que rápida ou sem um propósito imediato – apenas para interromper uma descrição muito intensa e ajudar a montar a ambientação para o leitor.

 

2 – Reconhecimento de personagens

As palavras que um personagem diz também são ações e ajudam o leitor a montar um caráter e uma personalidade. O jeito de falar, as expressões que usa, como ele se refere a outras pessoas… tudo isso indica ao leitor quem está falando e faz com que a imagem fique mais sólida na imaginação.

É interessante definir isso quando estiver montando o personagem: Ele vai ser mais prolixo ou mais sintético? Formal ou informal? Vai usar gírias? Tem algum apelido carinhosos para alguém? É sarcástico?

Se você define isso desde o começo, o personagem fica mais claro e a escrita dos diálogos acontece mais facilmente. Algumas pessoas preferem “deixar rolar”. Começam a escrever e, a medida que o personagem vai ganhando força, assume uma personalidade própria. Acho que depende de como você prefere escrever. Tenho certeza que, comigo, o “deixar rolar” não funciona. Não gosto porque quando releio os primeiros diálogos é como se o personagem ainda não fosse ele. E embora, no começo do livro, os indivíduos ainda estejam sendo apresentados, teoricamente, eles e suas personalidade já existiam antes da narrativa começar, então não faz sentido os diálogos mudarem ao longo da história.

 

3 – Explicações

Se você precisar explicar alguma coisa que seja mais complexa, dependendo do público-alvo, os diálogos são uma boa alternativa. Ao invés de explicar diretamente para o leitor tudo o que aconteceu, coloque para um personagem explicar para o outro. A leitura fica mais fluída e menos cansativa assim. É uma questão de estilo, claro. Mas é uma ferramenta interessante para se ter no repertório.

 

5 – Plot Twists

Isso é uma questão de opinião, mas… fala sério: é muito legal quando o leitor descobre que uma trama, uma traição ou uma revelação através de um personagem. Principalmente quando ele gosta do personagem. Então, se você gosta de trabalhar com diálogos, não esqueça de incluí-los em momentos de clímax.

 

Uma dica: Ninguém fala do jeito que se escreve formalmente, então, se você não quer que seus diálogos soem forçados ao leitor, dê uns toques de informalidade na sua narrativa.

E, acima de tudo, como tudo mais em uma história, para bons diálogos, você deve conhecer bem os personagens.

Não adianta usar um personagem apenas para narrar uma parte da história que você queira. Como autor, você deve deixar o personagem falar. Esse fenômeno acontece com maior facilidade quando você conhece bem o indivíduo que você criou para a sua história.

Não é o que você quer dizer, entende? É o que o personagem quer dizer que tem que ser escrito.

  • Eriton

    Só eu senti falta do numero quatro XD kkkk exceto isso foi mais uma das otimas dicas da Ju Costa ^^ muito bom o post