CONTOS: O Voo

8

voo-destaqueAo som de uma explosão tão alto que poderia ser a própria criação do universo, ela voou.
Ao seu redor foi como se o tempo houvesse parado. Tudo o que antes se movia jazia estático, congelado pela perspectiva de um espetacular voo que humano nenhum jamais conseguira realizar sem se submeter as mais bizarras mutações. Só ela, em sua majestosa forma, tão comum e tão genialmente concebida, era capaz de tal feito.
Ao olhar para frente, porém, reconheceu a face cheia de horror à qual estava destinada. Reconheceu também o seu real propósito, e quis chorar. Aquele breve momento de esplendor e liberdade cobraria seu preço com sangue.
Ao som de uma explosão tão fraco que por ninguém foi ouvido, ela parou. Toda a sua energia se dissipou no córtex que passou a envolvê-la. Após poucos segundos, esse novo mundo foi ao chão.
Ela, morta e fria, não mais voaria.

Guilherme Matos

  • Eriton

    Um minuto de silencio, por aquela que não voará mais… Fico tentado a postar um conto aqui no leitor cabuloso, pena que eu não tenho um…
    Meus parabéns ao Guilherme Matos que conseguiu escrever um texto tão (relativamente claro) pequeno, mas completo e bem tocante, chega a ser melancólico

    • Obrigado pelos parabéns! De fato, é um pouco melancólico.

  • Muito bom, bem curtinho mas coerente. Em poucas linhas, apresentou toda a importância da cena. Em questão de estrutura, gostei da divisão dos parágrafos iniciados com “Ao”, mostrando determinados aspectos da cena em cada um deles.

  • carlos_kk

    Cara muito bom mesmo, de verdade eu não chorei por pouco, ou talvez eu tenha chorado e nem tenha percebido. Lindo e trágico, que descrição fantástica das atrocidades que fazemos com tecnologias que deveriam trazer inúmeros benefícios e não morte em massa.
    Parabéns Guilherme, espero te ver mais por aqui.

  • Rita souza

    Conto curto é legal! lendo com calma é atenção a pessoa chega até a quase chorar!

  • Augusto Tenório

    Muito bom, bem poético, curto e sucinto. E olha que eu nem gosto muito de poesia.