RESENHA + PROMOÇÃO: O Silêncio Branco e Outros Contos – A natureza em sua forma mais brutal

7

o-silncio-branco-e-outros-contos-jack-london_MLB-O-2852479163_062012

Jack London é conhecido por seus contos onde mostra a beleza da brutalidade da natureza. Fiquei curiosa ao ler resenhas e ouvir falar do autor e iniciei a leitura de seus contos. Esse não vou fazer um resumo de cada conto, vou falar aqui dos que mais me agradaram.

O primeiro é Cara no Chão. London usa muito índios em sua história, algumas até como protagonista. Neste caso um homem está amarrado e sabe que será torturado e morto pelos indios, pois pode escutar os gritos de seu amigo. Ele então planeja uma forma de escapar da morte dolorosa. Um conto com partes de tortura que é divertido!

A Liga dos Velhos o índio é o protagonista. Ele aparece de repente na cidade dos brancos desejando confessar os seus crimes. Matou inúmeras pessoas brancas. Mas ao escutar o seu relato, entendemos o porque.

Em A História de Keesh um garoto índio, filho de um grande caçador que morreu pela aldeia, percebe que a carne está sendo dividida erroneamente e decide ele mesmo sair para caçar.

O Mexicano é um dos melhores. Um garoto mexicano que, para conseguir dinheiro para a revolução, passa a enfrentar grandes lutadores e apesar de ter todos contra ele, não desiste. É um conto com um ótimo clímax.

O Pagão é o último conto e o mais emocionante. Depois de um naufrágio, somente dois homens sobrevivem e com isso se tornam grandes amigos. A questão desse conto é como um homem pagão pode ser um bom ser humano como qualquer outro.

Os outros contos que citei aqui, não significa que sejam ruins, mas esses foram os que mais me prenderam na leitura. O motivo do livro levar quatro selos cabulosos é uma característica de London. Não sei se é justo tirar um selo por causa disso, mas vou explicar. Jack London é um marinheiro e ele deixa isso bem claro em seus contos. Ele usa termos técnicos muito além do que uma pessoa normal compreenderia. Vou usar como exemplo o primeiro parágrafo do conto As Pérolas de Parlay, um que achei enfadonho exatamente por isso:

“O piloto canaca largou o leme e o Malahini deslizou à feição do vento e endireitou a quilha. Suas velas de proa se esvaziaram; houve um rascar de pontas de escolhos e uma rápida mudança da aparelhagem de botaló, e o navio adernou e tomou outro rumo.”

Não sei vocês, mas eu não entendi nada do que aconteceu. É claro que para London é natural narrar as coisas dessa forma, mas somente um homem do mar como ele entenderia o parágrafo acima. Eu pesquisei as palavras que não sabia, mas agora já esqueci e não tenho idéia do que algumas significam. Nesse conto ele usou muito esses termos o que tornou a leitura chata.  Eu gosto do tipo de leitura, que mesmo você nunca ter estado em um navio, você consegue vizualizar tudo o que está acontecendo. Bem, digam nos comentários se fui justa ou não =P

NOTA:

4 selinhos

Ficha Técnica:
Editora: Ediouro
Autor: Jack London
Origem: Estrangeira
Número de páginas: 187
Skoob

E como esse livro foi cedido pelo nosso parceiro Castle Rock Livros, tem promoção do exemplar!

As regras obrigatórias são:

  • Deixar um comentário válido nessa resenha, um que prove que você realmente a leu.
  • Curtir a página do Leitor Cabuloso no Facebook
  • Seguir o Leitor Cabuloso no Twitter
  • Seguir a Castle Rock Livros no Twitter
  • Morar em território nacional
  • O ganhador receberá um email solicitando os dados para entrega e terá de respondê-lo em até 48h. Caso negativo, outro ganhador será selecionado.

Para participar é necessário usar o rafflecopter:

a Rafflecopter giveaway

Boa sorte!

  • London é clássico e, inegavelmente, é leitura quase que obrigatória. -rs

    Eu não conhecia essa edição

    • Samantha esse é o primeiro livro do London que leio e tenho interesse de mais =D

  • Gosto de London. E gosto dessas descrições de navios e do mar. Mas é algo meu rsrs.

    Eu adoro o “Lobo do Mar”, preciso reler. Acho que não li contos do autor, mas se esses falam de navios, vou adorar =)

    • Celly, eu gosto de descrições de navios, mas as de London me complicaram hahahaah Por isso que falei que n sabia se era justo tirar 1 selo, já que tem gente que gosta e entende.
      Participa da promo!

  • Rita souza

    Pra falar a verdade nunca tinha ouvido falar mas agora é outro caso, gostei de ele usar índios em vários contos pois é difícil vê-los em histórias, quando aos termos complicados nos resta procurar no são google!! é justo oq vc fez pois tira mas ñ tanto o gosto da história!

  • Luciana Cardoso

    Confesso que nunca ouvi falar desse autor e de seus contos, mas gostei de conhecer um pouco de ambos por meio dessa resenha, achei bem interessantes o tema central dos contos, fiquei com vontade de ler.
    Parabéns pela resenha.

  • Eduardo

    Já que não posso participar das promoções no Rafflecopter, agradeço a indicação, gosto e tenho alguns desses livros da Ediouro, e quero ver se encontro esse.

    Infelizmente a literatura contemporânea parece passar longe de todos esses temas, apesar de vermos no noticiário questões envolvendo índios e as relativas ao meio ambiente. London continua sendo referência.

    Quanto ao seu estilo, digamos que o vocabulário é como uma impressão digital do autor, e, se ele escreveu em outra época e em outro contexto, cabe também a nós fazer um esforço para entendê-lo. Assim ampliamos nosso vocabulário e nossos conhecimentos. Ajuda bastante quando a edição conta com notas de rodapé, mas podemos também dar uma pesquisada no dicionário ou na internet.