RESENHA: O cão da meia-noite e outros contos – Marcos Rey continua sendo Marcos Rey

5

o-cão-da-meia-noite

 

Não sei vocês, mas para mim a série vagalume fez parte da minha formação como leitora. Entre os livros infanto-juvenis de vários temas, um autor se destacou: Marcos Rey. Títulos como “O Mistério do Cinco Estrelas” e “O Rapto do Garoto de Ouro” me fizeram virar fã do autor e posteriormente procurar por mais títulos com temática de mistério e suspense.

Digo que Marcos Rey continua sendo Marcos Rey porque depois que anos se passaram desde a leitura de seus livros para o público juvenil, leio O Cão da Meia Noite e continuo ainda fã do autor, senão mais.

Vou fazer um breve resumo de cada conto. São histórias do cotidiano, algumas não muito diferem do comum do dia-a-dia e já outras nos mostra o monstro humano. Porém nenhum deles deixa de ser ótimo, aquele que nos prende até o final. Às vezes um final que encerra, outros ficamos com aquele gostinho de quero mais.

Uma coisa que me conquistou totalmente foi o fato de todos os contos terem o “jeito” brasileiro. São contos que se passam claramente no Brasil, com personagens brasileiros e Marcos Rey não precisou inserir nenhuma vez futebol, favela ou carnaval.

Eu e meu Fusca

“Ah, eu e meu Fusca! Aquele reclame da moeda forte me pegou! O Fusca é um carro pequeno, e eu quando embarco fico pequeno também. não no tamanho, mas na cachola, se me entendem. Dentro do carango viro garoto, o mesmo que fui no Instituto, embora sem ninguém pra me chatear ou ficar espiando. Com três aulinhas mixurucas, eu já guiava esta joça como veterano e tirar a carta foi uma moleza. Sou demais na direção. Medo de correr não tenho, e se um dia tiver que me estrepar que seja com o distintivo da VW cravado nos intestinos.”

Como dá pra notar nesse trecho, esse conto é narrado por um apaixonado pelo seu carro, um Fusca muito bem cuidado. Ama passear no carro e gosta de ficar mais dirigindo do que em casa. As noticías do jornal falam sobre um atirador que anda matando mendigos e bêbados e o apaixonado pelo fusca  acaba o encontrando.

O Cão da meia-noite

“Estou andando rente a parede e é meia-noite. Não é para resguardar-me da garoa nem por receio da polícia. Persigo um cão molabento que vi passar quando tomava conhaque num boteco da Boca.”

O conto que deu nome ao livro é bem interessante e depois de lê-lo ao ver um cachorro de rua caminhando com determinação me pergunto pra onde ele irá. Só não gostei muito do final, mas toda a leitura vale a pena.

O bar dos cento e tantos dias

“O desempregado é mais sensível e observador ao chegar ao 100º dia. Não gostaria que confundissem desempregado com desocupado ou marginal. Defendo uma posição burguesa no contexto.”

Esse nos conta a vida de um desempregado que todos os dias vai a um bar para, além de beber, escutar comentários e dicas para se conseguir um emprego. O final tem uma reviravolta que marca a vida do desempregado e de seu amigo das horas difíceis.

A escalação

cover_db4924d9-f796-4a4c-8acf-4b2dfc090a77
Capa da versão da Editora Global

“Aldo aproximou-se e entregou-lhe papel e esferográfica; Laura emocionou-se pois nunca estivera numa lista de Dani e Otávio lembrou das vezes que fora incluído e riscado depois. Roberto, ao contrário, nunca estivera fora, e Sardini jamais entendera por que fora excluído da última vez. Apenas o mordomo estava tranquilo, lustrando seu tridente com um trapo de camurça.”

Uma escalação para um filme. É um conto que nos mostra grande podridão nesse meio da fama. Me lembrou O Desfiladeiro do Medo que também toca no assunto.

O adhemarista

“Uma noite, um colega do ponto o arrastou para um comício. Viu e ouviu uns candidatos de saco cheio, bocejando. Até que Adhemar apareceu no palanque, para encerrar. Aí ele se empinou, concentrado. Foi penetrando na massa, acotovelando. Ficou pertinho do palanque, vendo o homem iluminado pelos refletores. No começo, só ouvia. Depois, passou a aplaudir, a participar, a sentir o líder e o povão. No final do comício, já era um adhemarista.”

Sabe aquelas pessoas que quando um candidato é eleito, elas saem socando a mão na buzina e soltando fogos? Pois é, eu nunca entendi esse tipo de gente. Esse conto mostra a determinação de um homem para ver seu candidato eleito.

Soy loco por ti, América!

“— Está havendo uma revolução.

— O quê?

— Uma revolução.

— Onde?

— No país.”

Uma festa e tanto, com seus escândalos e bebedeiras. Não seria nada incomum se ela não acontecesse no dia 31 de março de 64 quando aconteceu o golpe de estado que tirou Jango da presidência e marcando o início da ditadura. É interessante pensar que as pessoas entraram em uma festa e quando saíram, o país estava diferente.

Traje de rigor

“Aos 36 anos vestia um smoking pela primeira vez, e era como se tivesse se enfiado dentro duma pele nova. Uma pele especial, fidalga, de rara procedência estrangeira.”

Um homem que compra um smoking para ir a um baile e o veste animado e bem antes da hora. Sai para beber um pouco e esperar o tempo passar, mas acaba encontrando uns amigos que o chamam para beber, contam velhas histórias… não acaba muito bem.

Mustang cor-de-sangue

“Mesmo que eu, esse cara que vocês estão vendo, viva até enjoar, mil anos, podre de rico, ou como estou me virando agora, na base da mordida, cercado de Pats Alvarados ou na fossa total, matando cachorro a grito, até o fim, qualquer fim, não se apagará de minha cabeça aquele maldito Mustang cor-de-sangue.”

Esse conto teve um toque de terror bem sutil, mas que me agradou bastante. Um homem que trabalha para um anão, herói das crianças, mas que sabe que na verdade ele é um grande filho da puta, planeja um assassinato como nos livros policiais.

Bom, é isso. Espero que tenha conseguido passar para vocês como é a narrativa do livro e deixá-los curiosos. Depois de tanto elogio o livro, claro, acaba levando 5 selos cabulosos.

NOTA:

5 selinhos

Ficha Técnica:
Editora: Ática
Autor: Marcos Rey
Origem: Brasileira
Ano: 1999 (4ª edição)
Número de páginas: 182
Skoob

  • Parece bacana! Acabei de ler um livro da Coleção Vaga-lume, e é tão bom.

    Pena que os jovens não dão valor hoje…

    Bem, não conhecia esse livro, e fiquei curiosa, os contos são interessantes, principalmente por você dizer que é bem brasileiro e não precisa “apelar” para os temas desgastados.

    Vai pra lista rsrs

    • Celly, tenho vontade de comprar uns livros da série pra reler e passar para meus filhos. Foram livros que me jogaram no mundo da leitura.
      Esse exemplar que li não é meu, mas assim que tiver oportunidade, vou comprar um. Os contos prendem desde o início e isso de ser brasileiros sem apelar para os temas clichês é ótimo!
      =**

  • Eduardo

    Vou procurar esse liivro sem dúvida. Inventei essa agora: se minha estante é um céu cheio de estrelas, Marcos Rey é uma estrela de primeira grandeza!

    Lamentavelmente ele não ainda é considerado assim. Embora muito reconhecido, dificilmente alguém se lembra dele em comparação a outras unanimidades da Literatura Brasileira. Espero que isso mude.

    Uma das características que considero mais interessantes nesse autor, além da narrativa muito envolvente, é justamente sua peculiaridade em criar suas histórias em cenários ou situações com os quais temos muita identificação.

    Gosto muito de contos, por vezes gosto mais de alguns contos que de alguns livros inteiros (às vezes isso também ocorre com alguns capítulos). E mesmo que eles tenham algum defeito (muitos não tem um fim muito convincente) valem a pena pela forma como fisgam o leitor. Daí eu ter que repetir: vou procurar esse liivro, sem dúvida!

    • Oi Eduardo!
      Sim, infelizmente Marcos Rey não é tão conhecido, mas deveria. A narrativa dele é maravilhosa! Espero que encontre o livro (nosso parceiro Castle Rock Livros deve ter em estoque) e que tenha uma boa leitura.
      Obrigada pelo comentário.
      Abraços!

  • Eduardo

    escrevo, escrevo, mas não me li-ivro dos erros. Livro (com um i só.