[Resenha] Um Capricho dos Deuses – Quando uma mulher não teme os bastidores do poder

3

Saudações, caros leitores! O livro de hoje é obviamente um sucesso de vendas e isso não é algo de se admirar, considerando que seu autor é Sidney Sheldon! Autor célebre por ter conseguido escrever obras que atingiram facilmente a marca dos milhões de exemplares vendidos.Este foi o primeiro livro dele que tive o prazer de ler, confesso que antes disso pensava que o seu sucesso fosse baseado em livros completamente comerciais e sem um conteúdo que justificasse o dinheiro que é desembolsado para adquiri-lo, mas, como vocês provavelmente já deduziram, me enganei profundamente e agora estou aqui para dizer os motivos que me levaram a gostar deste livro e mudar minha perspectiva sobre o “mágico” Sheldon que a cada livro tirado de sua mente deixava o mercado dos livros se perguntando: Quanto tempo será que o Sheldon vai demorar para sair da lista dos mais vendidos?

Esse livro me chegou às mãos por meio de um vizinho que é um grande fã de Sidney Sheldon e frequentemente me empresta vários livros. Quando ele me ofereceu “Um Capricho dos Deuses” relutei um pouco em aceitar este empréstimo, pois a minha singela montanha de livros para ler iria ficar ainda mais tempo em seu atual tamanho, contudo acabei acolhendo este livro em minhas mãos e concedendo aos meus olhos e mente um banquete.
Trilhar as páginas desse livro foi uma experiência super divertida, pois realmente conhecia pouquíssimas coisas sobre o autor e cada característica que notei em seu estilo de escrever para mim foi uma novidade que fez minhas mãos se moverem freneticamente para puxar meus olhos a uma nova página.

Uma das singularidades desse livro é que o centro do enredo é uma personagem feminina que ao longo da história se desenvolve bastante, apesar disso não acompanhamos os acontecimentos somente pelo seu olhar. A colaboração de outros personagens, alguns de identidade indefinida até as últimas páginas do livro, foi imprescindível para criar o mistério que cerca os eventos narrados e, como seria de se esperar, a incerteza que domina os pensamentos do leitor.

A protagonista deste livro se chama Mary Ashley, uma mulher completamente dedicada ao trabalho e família que em um momento inesperado recebe um convite direto do presidente dos EUA para se tornar a embaixadora do país na Romênia, mas alguns fatores, como ter de se mudar com a família e abandonar o atual emprego, além do fato da Romênia ser um território perigoso por estar situado (na época da história) na cortina de ferro, a fazem relutar sobre a decisão, porém um evento a faz embarcar nessa aventura inesperada e, mesmo em meio à um turbilhão de sentimentos confusos, ela busca se focar em sua nova missão. A partir desse ponto começamos a ver a figura da heroína sendo esboçada.

Como se não bastasse a sua atual condição sentimental confusa, após o evento que antecedeu a nomeação como embaixadora, Mary tem de lidar com seus dois filhos, Beth (12 anos) e Tim (10 anos), que, como muitas crianças, possuem personalidades amiúde complicadíssimas de lidar. Entretanto, Beth e Tim, mesmo sendo personagens muito próximas da protagonista, não são um dos focos da trama e como tal não são muito explorados e servem mais para complementar o tom dramático do texto e reforçar o caráter forte de Mary.

A inicial “pequenez” de Mary é confrontada com uma conspiração internacional da qual já tomamos conhecimento no início do livro e que poderá decidir literalmente o futuro do mundo! O jogo de interesses políticos é muito forte e cada movimento de personagem, mesmo sem sabermos no instante em que acontece, é regido por desejos alheios. Nesse tabuleiro do poder é inevitável que suspeitemos de quase todos ao nosso redor, mas o que fazer quando somos uma das peças da partida e não temos consciência disso? Pior…e quando temos em nosso encalço um assassino com uma genialidade estupenda e que não mede esforços para cumprir seus contratos? Eis a fórmula para uma história excelente sobre conspiração e ação, mas, como todo bom autor, Sidney Sheldon não se prende ao óbvio e consegue inserir na trama drama, romance e até mesmo um pouco de humor.

Mary até a metade do livro é uma personagem que se sente perdida e isso deixa o leitor também um pouco desorientado, pois constantemente vemos uma mudança em seu humor. Ela busca uma cura para o seu sofrimento em diversos meios, todavia isso só a faz se sentir ainda pior e gastar seu tempo até conseguir colocar a cabeça no lugar, respirar, olhar para frente e traçar o caminho a percorrer. Aos poucos Mary vai ganhando a nossa simpatia e a sua personalidade de guerreira fica mais evidente e a mocinha frágil se transforma em uma leoa para proteger seus ideais e aqueles a que ama.

Como já disse um famoso chefão de máfia dos cinemas: “Mantenha seus amigos perto, e seus inimigos mais perto ainda.” Isso é uma realidade em “Um Capricho dos Deuses”, pois cada passo da mais nova embaixadora americana é monitorado, tanto por pessoas que desejam protege-la, quanto por pessoas que querem ceifar a sua vida e de todo aquele que se colocar no caminho. Quando se está entre lobos, parecer uma ovelha é algo perigoso e a doce Mary aprenderá isso da forma mais direta possível.

A separação entre o que é verídico e pura paranoia na história não é clara, pois o clima da Guerra Fria permeia o mundo e é ressaltado em alguns dos personagens. O desfecho é totalmente inusitado e com certeza fará você, caro leitor, pensar até que ponto a sua vida é determinada pelo governo e outras autoridades. Cuidado, vocês também podem ser instrumentos em caprichos de pessoas que se acham deuses. Boa leitura a todos e até outro momento! Dou cinco selos cabulosos, Sheldon foi mesmo um mago da escrita.

Nota:

05-selos-cabulosos

Ficha técnica

um-capricho-dos-deusesAutor: Sidney Sheldon

Editora: Record

Origem: Americana

Ano: 2000

Edição: 22ª

Número de páginas: 425

Skoob

Compre: AMAZON

Sinopse: Estreitar as relações com os países da Cortina de Ferro. Esse era um objetivo do recém eleito e idealista presidente norte-americano. Paul Ellison. Entre muitas de suas medidas. uma chamou a atenção e causou repercussão na mídia: em vez de designar um diplomata experiente como embaixador da Romênia — país que estava se aproximando dos EUA e gradativamente se afastando da URSS — convida uma jovem mulher para tal tarefa. Mary Ashley é a escolhida. Especialista em assuntos da Europa Oriental da Universidade do Kansas. Mary. casada e com 35 anos. nunca havia deixado o Kansas. Porém. após a morte repentina e estranha de seu marido em um acidente de carro. a jovem aceita a proposta. Mas. sem saber. a pesquisadora se coloca numa posição de extremo perigo. Uma sinistra organização secreta. formada por políticos e empresários — tanto de esquerda quanto de extrema direita —. está disposta a tudo para sabotar os planos de Ellison. Inclusive matar Mary. Sem ao menos desconfiar de tamanho perigo. Mary acaba envolvida com dois belos e enigmáticos homens. Mas apenas um pretende ajudá-la. Contratado pelos extremistas. um bárbaro terrorista. famoso Com um final surpreendente. repleto de mistério. personagens fascinantes e reviravoltas de tirar o fôlego. esse romance de Sidney Sheldon. um gênio da literatura norte-americana. envolve o leitor do início ao fim.

“Nunca fracassei, pensou Angel. Sou Angel. O anjo da morte.”

 —Pág. 119. 

“Não sou mais a mesma pessoa que era quando cheguei aqui […] Eu era inocente.”

—Pág. 421 e 422.

  • carliane sousa silva

    que bom q vc conheceu e gostou d uma obra do Sidney Sheldon.sou fã apaixonada pelas obras dele e pela sua forma d escrita e enredo q sempre nos rende…tbm considero ele um “magico” !
    ja q vc gostou dos livros dele Ed te indico mais 3 q sao meus preferidos:
    o outro lado da meia-noite, se houver amanha,e o fantasma da meia noite. mas recomendo msm vc ler todos!!!! =]

    • Sim, gostei bastante do livro. O Sheldon escrevia muito bem mesmo, disso não posso mais discordar. Recomendações anotadas! 🙂 Obrigado pelo comentário.

  • Colecionadores de Livros

    Oie… eu li este mês o livro!!! Gostei, só achei algumas coisas forçadas… Mas o livro em si é bem legal!! Gosto muito dos livros de Harlan Coben
    http://colecionadoresdelivross.blogspot.com.br/