RESENHA: “REENCONTRO” DA LEILA KRÜGER

11
Capa de REENCONTRO da Leila Krüger

Olá Ouvintes Leitores! Após uma perda lastimável em minha família, uma das válvulas de escape para tentar esquecer um pouco uma dor inesquecível, foram os livros. No entanto, quando peguei “REENCONTRO” da Leila Kruger para ler, confesso que fiquei um pouco temerosa, pois, como eu iria encarar um livro que parecia trazer uma carga tão grande de drama e sofrimento. Como eu irie conseguir carregar as angústias da Ana Luiza, a personagem principal, se eu não conseguia carregar os minhas próprias?

Estas foram às perguntas que pairaram em minha cabeça. Mas imediatamente minha mente revidou com a brilhante resposta: “Serena, livros, nunca podem te fazer mal”. E foi neste momento que adentrei no mundo de “REENCONTRO”.

Capa de REENCONTRO da Leila Krüger

Edição: 1
Editora: Novo Século
ISBN: 9788576795339
Ano: 2011
Páginas: 496

“Está bem no fundo. Não se pode alcançar… aos poucos, vai roubando o ar.” Ana Luiza vai perdendo seu fôlego: o fim de (mais) um grande amor, um pai distante, uma mãe fútil, uma amizade complexa e “pessoas que sempre vão embora”. Com suas músicas de rock, seus livros e seus cigarros, Ana Luiza vê sua vida desmoronar. “O amor é uma ferida”, ela sentencia.

Mas a “garota de olhar longínquo” tem um encontro inesperado com um alguém aparentemente muito diferente dela: os “olhos imensos”, que tudo veem… Presa em seu próprio mundo e rendida ao álcool e às drogas, Ana Luiza tenta fugir. Principalmente do temido amor, que tanto a feriu… Como encontrar, ou reencontrar o próprio destino?

Até onde o amor pode ir, até quando pode esperar? O que há além das baladas de rock e dos poemas românticos? Poderá o amor salvar alguém de sua própria escuridão? Às vezes, é necessário perder quase tudo para reencontrar… e finalmente poder amar.

“REENCONTRO” lançado pela Editora Novo Século, pelo selo Novos Talentos da Literatura Brasileira, vai contar a história da Ana Luiza, uma garota de olhar longínquo, que após a traição de seu primeiro namorado se fecha para o mundo. E é neste momento que começa a avalanche de desencontros da Ana. Sim, apenas Ana. Tornei-me tão íntima dela que seu sofrimento, angustia e medo, também eram os meus.

A Leila Kruger criou uma personagem complexa e amargurada.  Ana Luiza possui uma carga de sofrimento e solidão enormes. Ela é uma personagem que não sabe lhe dar com a indiferença dos pais e nem com o rompimento do seu ex-namorado. E por não conseguir suportar a dor das cicatrizes de seu coração, Ana, vai se afundando no mundo da bebida e ainda mais no mundo das drogas. Até que aparece Raphael, ou apenas Rafa, que ensinará a Ana como amar e aguentar todas as amarguras da vida.

Além de uma narrativa fantástica e ao mesmo tempo profunda e sensível, Leila Kruger mostra a riqueza de sua carga literária ao introduzir por toda sua história grandes autores como: Clarisse Lispector, Cecília Meireles, Vinícius de Morais, Mario Quintana e Erico Veríssimo. Não deixando de embrenhar-se também no mundo da música pop nacional e internacional.

Não posso deixar de destacar ainda, como a autora consegue descrever tão bem o sofrimento humano, principalmente quando a Ana perde uma pessoa muito próxima. A Leila Kruger consegue fazer o leitor derramar litros de lágrimas, literalmente. Confesso que não vejo a hora de ler outros livros da Leila kruger e poder me deliciar com sua magnífica narrativa.

No entanto, nem tudo são flores, ao descrever tão bem toda a estrada de espinhos que a sua personagem principal precisava passar para evoluir como pessoa, a Leila Kruger não soube distanciar a religiosidade de sua narrativa.

No início, o livro realmente se foca em como a Ana Luiza vai conseguir suportar suas feridas, mas, ao introduzir a personagem Rafa, as coisas parecem caminhar para uma resposta voltada a espiritualidade. Algo que eu não esperava, já que a autora aparentava que iria passar apenas sutilmente por este assunto. Realmente foi um impacto grande ver nas últimas 150 páginas, o livro de repente se transformar em um autoajuda espiritual. Até o final, onde existe uma revelação importante que justifica toda a religiosidade colocada no desfecho, poderia ser ocultada, deixando que o próprio leitor desse seu veredito sobre a recuperação da Ana Luiza e sua aceitação religiosa a partir da figura do Rafa.

Este definitivamente foi o único ponto negativo do livro “REENCONTRO”. Mas não acho justo, tirar algum selinho cabuloso de uma questão tão pessoal. Pois, o livro da Leila Kruger passa bem mais do que acreditar ou não em uma entidade superior acima das nossas cabeças. Ele passa para os leitores que a vida é feita de muitos desencontros, alguns encontros e felizes reencontros.

Leitura mais que recomendada.

NOTA:

Avaliação: LEITURA CABULOSA!!!

Trechinhos que a Serena adorou!

“As vezes se pensa que a ferida está cicatrizada; mas ela continua lá, brava. E aquela continuava lá, estampada nas árvores e no lago como tatuagem, com quase seis anos e sem ter envelhecido”.

Pag. 11

“- Essa calma tem outro nome…Mas…olha: a dor é inevitável, o sofrimento é opcional. Já ouviste”?

Pag. 40

“-Como disse Vinícius de Moraes: “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida…”

Pag. 70

“-Acho que…quando alguém  que a gente ama se vai…fica um lugar vazio para sempre. Pode até fiar menos com o tempo, mas sempre fica lá. Quando tu menos espera, ele aparece. Grande. Certas pessoas são insubstituíveis…”.

Pag. 219

“- É…tudo sempre termina. Nada é pra sempre….-Ana Luiza suspirou. – Só a saudade”.

Pag. 239

“- Foi como perder uma parte de mim. Por mais clichê que seja…Ficou um buraco. A perda era uma dívida impagável que a vida tinha comigo – ele ainda derramava lágrimas. – A dor, no fim…é sempre nossa né? Ninguém consegue sentir. Não dá para dividir. No máximo aliviar um pouco…A dor é a coisa mais egoísta do mundo…

Pag. 279

“- Nietzsche…disse que a fé é ignorar tudo aquilo que é verdade”.

Pag. 377

 

  • Rita Souza

    eu li o primeiro capitulo deste livro e confesso q gostei,agora me diz ai serena porq tanta inplicância com religiosidade???KKKKK

    • Ah Rita, todo Ateísta é implicante com a religiosidade, isto é algo inerente ao descrente! XD
      Mas você leu que apesar da crítica não me achei no direito de tirar algum selinho do livro, já que Reencontro é uma leitura maravilhosa!

      Obrigada pelo comentário!

      Mega cheiros!

  • Realmente é um livro com bastante religiosidade, principalmente no fim. Mas os livros do Paulo Coelho também têm religiosidade (espiritualidade) à sua maneira, né? Eu vejo um mundo em que é impossível separar o natural do sobrenatural. Mas também é possível.
    As crenças são da personagem, e no finzinho ela ainda deixa em aberto que pode ser coincidência e que a vida é da maneira que cada um vê, como um lago… Só conta a visão dela.
    Enfim, acredito que talvez um caminho fosse ser menos explícito em termos de dogmas e mais espiritualidade (o sobrenatural nas coisas).
    Vou rever tudo isso! Mas Reencontro foi planejado para ter essa visão, a história é dessa maneira, assim como poderia ter ocorrido em uma montanha no Tibete sob as premissas de Dalai Lama (que podem servir a todos nós). Acho legal pegar o que vai além da religiosidade e ver o que pode ser lição pras nossas vidas!
    Gostei da resenha Serena, e é isso mesmo, não confundir estilo literário e roteiro com crenças de personagens ou a visão do livro! Um exemplo é “As Sandálias do Pescador”, do Morris West, indico.

    • Risos, apesar de quatro parágrafos elogiando o livro, o meu único parágrafo de crítica deu o que falar em?! XD
      E anotada sua dica Leila!
      Obrigada pelo comentário adoro quando os autores comentam nas minhas resenhas!

      Mega cheiros para você!

  • @cyberlivingdead

    Olá, Serena Leitora Cabulosa! 😀
    Os livros também já me ajudaram muito a encarar algumas coisas. Às vezes até parecia que um livro estava em minhas mãos por destino, meio estranho isso, mas vamos em frente no meu comentário…
    Livros realmente não podem lhe “fazer” mal, mas acho que as palavras e sentimentos presentes no texto podem mexer contigo. Um bom exemplo disso são as histórias romântica. Quem lê histórias românticas e nunca se viu tendo pensamentos de amor intenso etc?
    Pelo que você comentou a Ana é um exemplo claro do medo que volta e meia atormenta todos nós. O temor de não conseguir achar o nosso lugar no mundo, um propósito que justifique acordarmos todos os dias e levantar da cama. Legal a autora também fazer referência a outros autores, isso deixa o leitor mais perto do escritor do livro, pois sentimos que estamos num tipo de conversa. Saca? Quanto à esse lance da religiosidade: Não tenho nada contra, desde que o livro não queira me doutrinar à qualquer custo. Como bem sabemos religião é algo inerente ao ser humano. No final das contas se alguém acredita em um criador ou em princípios puramente científicos no fundo mesmo estamos baseando nossas crenças em fé, algo que não podemos explicar completamente e que sempre parece escapar de nossas mãos. Um exemplo: Podemos acreditar na existência do amor, mas podemos tocá-lo? ver a “entidade” amor? Obviamente a resposta é não. Contudo, podemos tocar a pessoa amada e ver gestos de amor, mas o amor em si não é tangível, mas dizemos que ele existe, ou seja, acreditar no amor é ter uma fé. Parabéns pela resenha, Serena! 🙂

    Beijos!
    http://policialdabiblioteca.blogspot.com/

    • Cyber, adoro seus comentário mas as vezes você exagera sabia…risos
      E não concordo muito com o que você falou…mas cada um tem sua opinião não é?
      Mega cheiros!

      • @cyberlivingdead

        Bem, quem manda escrever resenha que me fazem querer comentar? =P kkkkkkkkkkkkkkk
        Sim, isso é que torna o mundo uma aventura foda! kkkkkkkk

  • Priscilla Rubia

    Dependendo do grau de religiosidade, o livro não fica ruim. Não estou dizendo que um livro religioso é ruim, ás vezes é ruim o fato de vc pensar q vai ler uma coisa e ler outra. Porém, como a própria Leila disse, Paulo Coelho tem religiosidade e, lendo um dos livros dele, eu gostei. Não me desanimou de ler Reencontro de forma alguma – que já tenho nos meus desejados.
    Um abraço!

    • Eita, mais este paragrafo deu o que falar em?! Preciso fazer mais resenhas assim!
      Priscilla obrigada pelos comentário!

      Mega cheiros!

  • Gabriel

    esse livro é muito bom, pelo oque eu vi, so tem resenhas e comentarios positivos

    • Que bom Gabriel! Espero que bote na sua listinha de desejos!

      Obrigada pelo comentário!