RESENHA: “UMA VIDA SEM LIMITES” DO NICK VUJICIC

2
Uma Vida sem Limites, capa
Uma Vida sem Limites, capa

SINOPSE:

‘Por muito tempo me perguntei se haveria no mundo alguém como eu, e se haveria outro propósito para a minha vida além de dor e humilhação.’ Nascido sem os braços e sem as pernas, Nick Vujicic superou sua deficiência para viver uma vida plena e cheia de realizações, tornando-se um exemplo para todas as pessoas que buscam a verdadeira felicidade. Hoje, um palestrante motivacional internacionalmente conhecido, Nick divulga sua mensagem central: o objetivo mais importante para qualquer pessoa é encontrar seu propósito na vida, a despeito de quaisquer dificuldades que apareçam pelo caminho. Nick conta a história de sua deficiência física e da batalha emocional que travou para conviver com isso na infância, adolescência e vida adulta. Compartilha com o leitor a força de sua fé e explica que, depois que encontrou seu senso de propósito – inspirar as pessoas a melhorar sua vida e o mundo –, achou confiança para construir uma vida produtiva e sem limites. Nick encoraja o leitor mostrando como aprendeu a aceitar o imponderável e se concentrar em suas habilidades possíveis.

Acho que 2012 será realmente um ano diferente a começar por esta resenha. Quem já ouviu nosso podcast, CabulosoCast, desde do seu episódio 1 sabe a opinião que temos a respeito dos livros de auto-ajuda e da campanha que mativemos por 4 ou 5 programas para “derrubar” o livro A Cabana do top 10 da revista Veja. Depois de um tempo percebemos nossa ingenuidade e passamos a respeitar as pessoas que gostam desse gênero. Quando Serena me disse que havíamos recebido dois livros e que um deles era Uma Vida sem Limites do Nick Vujicic (editora Novo Conceito), pensei: “Vou ler por que a editora mandou, mas se não gostar será o último.” Comecei o livro com PREconceito. E por duas vezes parei de lê-lo para ler outros (não consigo ler dois livros ao mesmo tempo).

Mas em meados de dezembro decidi que o leria de uma vez por todas. Retomei a leitura na 2ª semana e prossegui. Todo o fim de ano para mim é algo desgastante (não estou a tragiversar, vocês compreenderão o que digo) a rotina escolar, o ritmo de gravações e as minhas próprias expectativas são somadas e o resultado é um Lucien cansado e sem muita motivação. Não é novidade que ser professor tornou-se um fardo para mim, hoje considero o site, como um todo, meu trabalho. Por isso não tenho vergonha de admitir que as palavras do Nick fizeram sentido para mim daí o livro passar de obrigação a prazer em poucas páginas.

Compreendi também o que faz as pessoas lerem livros de auto-ajuda. Ele funciona como aquele amigo que diz o óbvio no momento que necessitamos. Quando terminamos um relacionamento e estamos na fase do “Nunca mais iriei amar alguém como a/o amei”, é bom ter um amigo(a) que se aproxima sorrateiramente e diz sem pedir licença: “Você vai superar isso e tão logo estará rindo dessa situação e amando novamente”. Mesmo que naquele momento nós negemos a semente já foi plantada e à noite o sorri tímido se faz entrever naquele mar de tristeza. É a esperança. Para muitos a literatura de auto-ajuda é desnecessária e talvez seja mesmo, para quem não precisa dela, mas um “tudo vai dar certo”, “acredite nos seus sonhos”, “você pode!”… faz bem ao nosso ego de vez em quando, não?

“Uma Vida Sem Limites” é um livro para quem deseja ouvir uma palavra amiga, para quem sonha, mas vê o mundo querer sobrepujar com sombras a luz que todos tem dentro de si. E um dos pontos que me fizeram acreditar no Nick Vujicic, o autor do livro, é a deficiência física que ele tem (ele não possui os braços e as pernas, mas apenas um pezinho que ele apelidou de “asinha de frango”). Nick não é um megaempresário que nasceu em berço de ouro e hoje dá palestra motivacionais dizendo ser humilde para em seguida mostrar suas fotos na Disney. Intercalando fatos da sua infância, adolescência e vida adulta com suas mensagens motivadoras, ele mostra como encontrou forças para superar suas dificildades e dizer, talvez a frase mais recorrente no livro: “…o limite está dentro de nós…”. Apesar de todos os problemas ele venceu e motiva a todos, que nascemos sem deficiências, a encararmos nossos problemas como obstáculos necessários para nos tornar mais aptos a conquistar os sonhos que tanto almejamos.

Conheci o Nick antes de ler sua obra. Um amigo me mandou um vídeo dele no qual ele dava uma palestra a jovens em algum colégio americano. Percebi que os olhos enchiam de lágrimas quando o ele dizia que “você passa por uma tempestade na vida e não sabe quanto tempo a tempestade irá durar…”. Ver como ele encara suas próprias limitações faz você deixar de colocar limites para a sua própria vida.

O Nick nos tira daquela zona de conforto que muitos queremos estar. Com o “emprego seguro”, com o “namorado(a) que todos acham perfeito”, com o “só vou até aqui”… ele deixa bem claro que não podemos fazer nada sem correr riscos. O “seguro” pode ser bom para todos, mas é o impecílio que nos afasta de nossos sonhos. Em um outro vídeo, vi/ouvi um palestrante dizer: “Quando alguém chama você de louco por estar fazendo algo é por que está no caminho certo”. E em seu livro, Nick diz isso em vários momentos. O que seus pais queriam é que ele fosse trabalhar numa empresa de contabilidade, pois era mas “seguro” para alguém na condição dele, contudo o jovem Nick decidiu tornar-se palestrante motivacional usado da sua deficiência para inspirar outras pessoas a acreditarem nelas mesmas. Não importa se você não acha que a carreira dele foi a melhor escolha, mas o que realmente importa é que ele buscou correr atrás dos seus sonhos.

PONTOS NEGATIVOS

E o livro não tem pontos negativos? Claro! Apesar do belíssimo acabamento e no final trazer uma série de imagens coloridas do Nick em algumas situações ou com algumas pessoas que ele relata no livro, a revisão ortográfica deixou muito a desejar. Há erros bobos como “acreditar a vida” em vez de “acreditar na vida” e existem  vários desse tipo durante toda a obra.

Outro problema é que se o livro contivesse 100 páginas a menos não faria grande diferença. A repetitividade chega a incomodar em certos pontos, neste caso o problema não é da Novo Século, já que ela apenas traduziu (e é muito bem traduzido, diga-se de passagem), mas dos editores americanos.

E por fim. Como disse mais acima, no livro os relatos da vida de Nick são intercalados entre a vida do próprio Nick e as mensagens que deseja passar para o leitor, porém acho que no lugar das imagens estarem no fim do livro, elas deveria estar no decorrer da obra para que o leitor fizesse o link entre o fato contado e a foto tirada daquela mesma situação.

NOTA:

Avaliação: FODINHA

Trechos que o Lucien curtiu:

Talvez o fracasso possa ajudar você a se preparar para o sucesso! Sim! O que não o destroi deixa você mais forte, mais concentrado, mais criativo e mais determinado a batalhar por seus sonhos. Pode ser até que tenha pressa em ser bem-sucedido, e não há nada de errado nisso, mas a paciência é uma virtude, e o fracasso vai desenvolver essa característica em você.

Pág. 146

A noção de “hora certa” é outro aspecto a ser levado em consideração na hora de fazer essas avaliações. Às vezes, especialmente quando somos jovens, muitas ofertas tentadoras se apresentam, mas pode não ser a hora certa. Você não deve aceitar um emprego para o qual não está qualificado ou cujos macetes não se sente preparado para dominar, assim como não se apressa a tirar férias de luxo que não tem como pagar. O custo é muito alto. Você levaria tempo demais para se recuperar.

Pág. 202

  • Priscilla Rúbia

    Alguns livros de auto-ajuda realmente trazem boas mensagens. Já li alguns e não me arrependo. Só não é o tipo de leitura que você lê um livro atrás do outro.