RESENHA: “ATÉ EU TE ENCONTRAR” DA GRACIELLA MAYRINK

7
Capa de "ATÉ EU TE ENCONTRAR"

Olá queridos amigos leitores do nosso amado leitor cabuloso. Mais uma vez, trago para vocês uma nova resenha, que possibilita compartilharmos nossas ideias a respeito de um determinado livro. Dessa vez o título em questão é  “ATÉ EU TE ENCONTRAR” lançado pela editora Vermelho Marinho e escrito pela brasileira Graciela Mayrink.

Capa de “ATÉ EU TE ENCONTRAR”

Edição: 1
Editora: Vermelho Marinho
ISBN: 9788580930207
Ano: 2011
Páginas: 312

Primeiro Capítulo!

O quanto uma mudança de cidade pode afetar uma vida? Você acredita em alma gêmea? Como você se sentiria se não gostasse do grande amor da sua vida? É o que Flávia vai descobrir ao deixar Lavras, onde mora com os tios desde o acidente que matou seus pais, quando era criança. Aos dezoito anos, ela decide estudar Agronomia na Universidade Federal de Viçosa, trocando o sul de Minas pela Zona da Mata do mesmo Estado na esperança de uma “mudança de ares”.

Em sua nova vida, ela conhece Sônia, amiga de infância de sua mãe e agora sua vizinha, que lhe conta a história de sua família materna, até então desconhecida para Flávia. Embora o passado não seja sua maior preocupação, Flávia reluta em aceitar seu destino e ainda precisa superar uma paixão não correspondida pelo seu melhor amigo. Para se ver livre dessa rejeição, ela tenta atrair sua alma gêmea para Viçosa e descobre que o grande amor de sua vida é uma pessoa que ela não suporta.

O livro tem uma atmosfera bastante jovem e descontraída, abordando o universo universitário repleto de intrigas e romances, dosado com uma boa pitada de humor. O livro é praticamente todo construído em diálogos entre seus personagens, o que o torna mais dinâmico e de fácil compreensão e por conter muitos diálogos entre adolescentes existe, também, algumas gírias dentro dos textos, mas nada que diminua a integridade do texto.

Confesso que logo que fui apresentada ao livro, pela própria autora, na bienal de livros de Pernambuco, fui fisgada quase que por completo na história do livro e que por isso, tenho um carinho a mais para com esta obra, mas, tenho que ser sincera com vocês amigos leitores, nossa autora pecou um pouco no momento em que resolveu implantar um pouco de misticismo na história, que, em minha opinião, se não tivesse aparecido não faria diferença nenhuma já que os próprios personagens sustentam bem a história e por isso achei essa parte um pouco forçada na trama. Já para o casal principal gostaria de ter visto muito mais entre os dois, achei que ela teve um relacionamento melhor com o amigo do que com o próprio par dela e confesso que torci pelo amigo até o último momento.

No mais a história é hilariante e me levou a inúmeras situações pelas quais eu mesma já passei, as saídas com os amigos, os churrascos, as paixões (no meu caso não tão bem sucedidas, mas ainda assim presentes) e é claro as conversas entre as amigas, nossa isso sim era muito bom. E é isso que Até Eu Te Encontrar faz, reconstrói todo o meio adolescente lhe transportando pelas melhores partes dessa fase, sendo assim, muito bom para ler e reviver essas experiências. Por isso dedico para esta obra quatro selinhos cabulosos e com louvor.

Então caros amigos leitores, se vocês ainda não leram, leiam, será sim um bom divertimento, mas, se já leram, comentem e digam para nós o que vocês acharam se concordam ou não comigo.

No mais bom divertimento à todos.

NOTA:

Avaliação: FODA!!!

Book trailer!

  • @cyberlivingdead

    Eita, mais livro para a minha lista! Ah, ser imortal não parece tão ruim agora…já pensaram poder continuar lendo eternamente? Porque ficar indo pro colégio sempre não dá! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Realmente… A imortalidade se divertindo é bem melhor kkkkkk
      Que bom que gostou do livro, espero que ele te traga bons momentos =D
      bjos

  • Maiana, acredita que não comprei o livro na Bienal? Estou mega arrependida agora! Mas ainda vou lê-lo! Ótima resenha. =)

    • Pow Moni… Num acredito… E tava tão baratinho lá…
      mas não se preocupe eu te empresto o meu, ou melhor quem sabe não rola um top novamente (nada garantido) =D
      valeu Moni
      xerus

  • Rita Souza

    sem querer diminuir a obra mas essa de q a personagem perdeu os pais em um acidente ja ta meio cliche ñ????

    • Mas Rita, você não acha que toda boa história necessita de algum tipo de cliche para não distanciar tanto assim da realidade?
      Um bom cliche nunca é d+ (não que esse seja bom, tb não gosto de histórias de pais mortos… Mas nessa hitória isso não não faz TANTA diferença, ta mais para um fato….)
      valeu Rita pelo comentário
      bjos

  • Maiana, agora você me deixou com vontade de ler! Shauhsuahsua…
    Estou curiosa e, confesso, acabo sempre torcendo para os amigos da personagem principal também.. rsrs
    Quer dizer, não em todas as vezes (em Sussurro, por exemplo, eu quero Patch e somente ele!rsrs), mas tem umas histórias que realmente o “par certo” não parece ser o “certo”.. haha.. Acho que é porque o casal não convença muito junto, né..

    Engraçado você achar isso também. Pensei que eu era a única..
    Valeu pela dica de leitura! Estou curiosa e vou comprar! 😉