RESENHA: “CIDADE DAS TREVAS – EM BUSCA DO ESPÍRITO DO BEM” DE PEDRO S. EKMAN

24
Cidade das trevas, capa
Cidade das trevas, capa

Os campistas não resistiram à curiosidade e entraram na Cidade. Encontram-se, então, em meio a uma batalha que dura há séculos, desde o início dos tempos, quando o mundo era bem diferente do que imaginávamos. Resta agora sobreviver a este fogo cruzado, em uma jornada que se passa justamente no território inimigo. E fazer o possível para saírem da Cidade das Trevas. Ou morrer tentando.

Páginas: 328

Edição:

Editora: NOVO SÉCULO

Preço:R$ 34,90

Formato: 14 X 21

Acabamento: brochura

ISBN: 978-85-7679-460-8

Categoria: Ficção; Literatura brasileira

Faz algum tempo afirmei que NUNCA lera um livro de terror ou pelo menos algum que houvesse me transmitido medo durante a leitura de suas páginas. Mas posso afirmar agora que sim, eu já li um livro de terror e senti medo/ angústia pelo que poderia acontecer com seus personagens e o nome deste livro é: Cidade das trevas de Pedro S. Ekman. Contudo antes de prosseguir em minhas justificativas preciso abrir um parênteses para pedir desculpas. Quando fiz a Dica de Leitura da obra citada comentei que seu subtítulo “A busca ao Espírito do Bem” soava como literatura espírita e o autor (sim, o próprio!) comentou afirmando concordar comigo, no entanto a impressão não passa de um (pre)conceito bobo de quem não havia ainda posto os olhos sobre as páginas. Este subtítulo justifica-se assim que imergimos na trama. Portanto, caso tenham pensado em deixar para depois por causa deste detalhe passe por cima dele e tente sobreviver a Cidade das Trevas.

Como todos já devem supor, o autor do livro é brasileiro, por isso seus personagens e referências a lugares, veículos e familiares também o são. É estranho começar a resenha afirmando isso, mas fiquei um pouco “pé atrás” com a obra. “Ficção de terror passada no Brasil?” Pensei que após ter lido alguns livros nacionais já havia superado isto, contudo antes de lê-lo alimentava uma possível frustração. Pedro Ekman, como tantos outros autores de literatura fantástica nacional, mostra que é possível sim, ambientar qualquer história em nosso país sem cair na galhofa. E a cada página deste livro percebi que além da sensação de perigo eminente, percebi que estava torcendo para que os personagens conseguissem alcançar o objetivo e, por incrível que pareça, ficava triste quando alguém morria (sim, caros leitores, os personagens morrem!).

A história passa de uma premissa muito comum (no melhor estilo de jogos como Silent Hill) e chega ao universo fantástico da magia:

Um grupo de adolescentes de um acampamento vai acampar num bosque no meio da floresta. Apesar do calor nada parecia anormal, até que de repente eles se deparam com uma cidade onde deveria haver um bosque. E eles tomam a terrível decisão de adentrar a sinistra cidade.

É neste momento que o leitor é lançado dentro da Cidade das Trevas. Sem explicar muito, os fatos vão se sucedendo e temos pouco tempo para digerir os acontecimentos. Monstros, fantasmas, criaturas demoníacas e outros seres bizarros vão perseguindo e atacando nossos heróis. Ponto negativo para a obra? JAMAIS. Essa atmosfera alucinante faz com que nos sintamos tão desorientados quanto o grupo, as informações são escassas e todos precisam correr. Virar a página é uma necessidade, mas ao mesmo tempo temos receio de fazê-lo, pois o que nos aguarda? Daí considerar Cidade das Trevas como o 1º livro de terror que realmente conseguiu me inundar num clima tenso e desesperador. Se você já assistiu a um filme de terror/suspense e em determinada cena quando o personagem aproxima-se de um lugar escuro se pegou pensando: “Não vá! Fique ai, pois é perigoso!”. Então este livro é para você. Não só pensei assim várias vezes, como a solidão e a falta de esperança que os personagens sentem, fazem com que a sensação seja a mesma.

Consigo, também, perceber que o livro é um caldeirão de referências a culturais nerd/pop. (Este é um trecho que vou me arriscar a buscar as referências do autor, sendo, óbvia, a gigantesca possibilidade de errar, mas não posso deixar de fazê-lo quando tudo me parece tão explícito). O já citado Silent Hill foi dado ao clima da cidade, como no jogo, a Cidade das Trevas é um lugar aparentemente deserto onde tudo parece velho e podre, mas com perigos a espreita. A cidade em si acaba por tornar-se um personagem, temos em vários momentos trechos no qual “a cidade os observa”; “a cidade geme” ou, quando o vento passa pelas casas putrefatas, “a cidade chora”. O perigo constante e desconhecido acaba sendo a marca deste lugar assombroso. Contudo se você não é fã dos jogos da franquia Silent Hill, saiba que há referência aos mangás/animes também. As cenas de luta ou descrição do uso de itens mágicos lembram muito a dinâmica dos desenhos japoneses.

A alusão a Divina Comédia de Dante Aligieri é muito visível. Desde momentos como, quando os adolescentes encontraram os mesmo dizeres que estariam supostamente escritos na entrado do inferno: “Abandonai toda a esperança vós que entrais”; até quando os jovens defrontam-se com Caronte o barqueiro do inferno. Seria a Cidade das Trevas uma representação do inferno de Dante?

Fora as citações presentes em diálogos a filmes, músicas, bandas atuais. O que é um tremendo respeito não só as personalidades dos personagens como também a época em que a história se passa (no caso, nos dias atuais). E por falar em personalidade, um dos pontos fortes da obra é a fidelidade aos personagens e suas limitações. Trata-se de adolescentes não de “super-heróis”, logo não veremos nenhum ato sobre-humano (para o qual não haja uma boa explicação, que fique bem claro!) no livro. E Ekman sempre nos deixa a par do estado emocional deles após cada evento. Essa claustrofobia psicológica transforma cada um deles num show a parte, sendo fácil identificar-se com qualquer um. Ao longo do livro, vemos vários flashbacks, e é através disto que vamos mergulhando cada vez mais fundo nas tramas e subtramas nas quais Cidade das Trevas se sustenta.

O texto é limpo. De fácil leitura e com descrições verossímeis. Não é difícil se localizar, pois sabemos onde estamos e o que acontece ao redor. Como disse, os segredos são revelados a conta-gota, mas não deixa a história enfadonha dando a impressão que o escritor está “enrolando” para consumir páginas. Contudo fica uma pergunta para onde Ekman está nos conduzindo? O livro não é uma obra fechada, segundo o próprio autor, trata-se de uma trilogia e há muito o que explicar e ao chegar em suas páginas finais talvez vocês possam sentir a mesma sensação que eu: “E agora?”.

NOTA:

FODA +

Não dou 5, pois o livro possui uns poemas em vários capítulos que tornaram a leitura lenta. Porém faço questão de ressaltar que esta é uma opinião pessoal. Não gosto de poesia e em muitos momentos me perdi e foi necessário reler os fragmentos para retomar o ritmo. Vejo que Pedro S. Ekman, gosta de poesia e usa o livro para expor um pouco de sua veia poética. Achei interessante, pois traz uma característica particular para a obra. Estou realmente ansioso para ler os demais livros e saber como tudo terminará.

Trechos que Lucien gostou:

 Os campistas se aproximaram. Havia uma tábua velha e gasta de madeira ali. Parecia estar prestes a cair. A tinta era vermelha e borrada.

– “Ó vós que aqui entrais: perdei toda a esperança!” – leu Dambros.

Pág. 31

– Qual é, Jhonny, volta aqui, cara – disse Vinícius indo até ele. Mas João Paulo aumentou o passo, dificultando as coisas para as curtas pernas do amigo.

Quando viraram a esquina que seguira reto para o bosque, pararam abruptamente. Nunca ficaram tão apavorados na vida. Jhonny quase caiu para trás com o choque. A sensação era de como se tivesse levado um soco. Não havia mais bosque nenhum ali. O bosque que era para estar cinco casas adiante havia desaparecido. E no lugar só havia mais um corredor de casas e muito mais adiante fazia uma curva para a direita.

Pág. 40

  • Deve ser estrranho ler um livro de terror,hehe.A capa está bem legal,meio que misteriosa.Eu acho esquisito como achamos(não achei outra palavra) normal ler uma história ambientada em outros países e estranhamos as que se passam aqui.É,deve ser o costume,por isso,vamos todo mundo comprar livros nacionais.UHU,2014.Desculpem-me por ser tonto.
    Voltando ao livro,gosto quando os personagens morrem.Já cansei de histórias em que tudo dá certo.Sem querer ser chato,mas fiquei com um “ah,já ouvi ou assisti uma história/filme com a história parecida”,porém,pela resenha,acho que a história fica interessante.acho legal também ficar perdido na história-pelo menos no começo-e ir me encontrando conforme “os acontecimentos acontecem”.Ei,gosto também de um bom “fight”e parece que tem-EEEEEEhh,porrada-em uma quantidade boa.
    Bem é melhor parar antes que voces(não consegui por o acento)me bloqueim,já”escrevi mais do que as mãos”.Gostei do livro e da resenha.Adquirirei-acho que não é assim que se escreve-quando puder.=D.
    Desculpem(também pelos erros de brasileiro=D)

    • Felipe,

      Todos os aspectos citados estão presentes na obra. O livro do Pedro Ekman parece ser escrito para todos os gosto e por isso promete agradar a várias pessoas. Quanto ao preconceito: acho que os atuais escritores nacionais estão convencendo os leitores a mudar de opinião e apostar na literatura fantástica nacional.

      Obrigado pelo comentário!

      OBS.: Nunca se sinta constrangido por escrever muito.

      Abraços.

  • Ola!!!
    Livro de terror!!Eu morro de medo depois de ter lido André Vianco – Sementes no Gelo, mas eu sou muito teimosa e quero ler. Amei sua resenha e acho Silent Hill tem filme e eu assisti, não deu medo, mas foi muito sinistro e o jeito que acabou faz vc refleti e muito sobre o final. Nossos autores brasileiros estão sempre superando na escrita, quando perdemos nossos pre-conceito vemos o tempo que perdemos e passamos a prestigiar estas maravilhosas obras que estam conquistando cada vez mais leitores brasileiros!!Fiquei querendo ler e já ta na minha listinha!!!
    Bjos!!!

  • Medinho de ler esse livro. Afinal, você o avaliou super bem, então realmente deve dar medo de ler! rsrsrs Quanto a poesia, eu gosto. Não sou fã, mas acho interessante quando ajuda a compor o enredo. O livro vai para minha lista. Espero ter coragem de lê-lo! XD

    Adorei a resenha, Lucien!

    Abraços.

  • Rita Souza

    esse livri é realmente foda,vai pra lista dos preciso comprar urgênte!!

    • Rita,

      Essa sua lista deve ser enorme, não? O livro é muito bom mesmo vale cada centavo.

      Abraços.

  • Pingback: LEITOR CABULOSO » RESULTADO DA PROMOÇÃO “CIDADE DAS TREVAS I e II”()

  • Pingback: LEITOR CABULOSO » PROMOÇÃO: CIDADE DAS TREVAS I E II()

  • Rita souza

    acabei de ler esse livro e cara…EU TO MUITO LOUCA PRA LER O PRÓXIMO!! O pedro escreve bem,sabe fazer suspense e eu simplismente amei ele ter colocado uma otaku como personagem!!

  • Miguel Etcheverria

    Eu venho pensando a muito tempo em ler livros de suspense/terror, desde que eu li “a menina que não sabia ler” (pode até ser que ele seja considerado leve, não sei, mas me deixou tenso) e agora com esse sorteio eu acabei por conhecer esta trilogia, mesmo que eu não ganhe ele já entrou na lista de “Precisa Comprar (Ed. Sua Vida Depende Disso)”.

    Abraços

  • Gislayne Perez

    Ainda não tive a oportunidade de ler um livro de terror… Mas a resenha me deixou curiosa….
    Pretendo ler esse livro…

  • Bruna Costenaro

    Um livro que desperta medo? Interessante, acho que um ou outro me despertou isso, mas que me lembre eram com seres humanos, nada com coisas sobrenaturais…Será que tb vou ficar com medo? Louca para ler e descobrir rs! E o mais legal referências a Dante? É um cara que eu tenho certa admiração, então mais um ponto!!

    Boa Resenha!!!

    Miquilisssss

  • carliane sousa silva

    interesante a comparação com inferno de dante.qdo li a frase tbm pensei a msm coisa.gosto de poemas,mas em livros de terror acho q nao combinam muito.mas só lendo p saber! =]

  • Lancelost

    Fiquei muito curioso para ler a trilogia.

    Acho que nunca li um livro de terror, recentemente comprei 1 do Stephen King, mas ainda não li.

    Bom saber que tem um autor brasileiro escrevendo nesse estilo, com certeza quando for na livraria procurarei por este livro pra ver se gosto da leitura. Pela resenha, acho que vou gostar sim.

  • Adelmo Silva

    Me deixou curioso. Semelhanças com a Divina Comédia me deixaram ansioso por ler. O Brasil precisa de autores deste naipe para mostar que aqui existem histórias de qualidade.

  • H. M. Alves

    muito bom adoro Pedro S. Ekman e o guri é gaúcho ainda kkkkk

  • H. M. Alves

    tudo se vai em céus nebulosos e Pedro fez os céus mais nebulosos em minha mente para min entrar nesta história.

  • Lyn Biagini

    Nunca li um livro que me desse medo, não sei nem como deve ser a sensação! haha No começo da sua resenha lembrei da série Bento, do André Vianco, que trata de vampiros tomando o Brasil (sim, várias referências à lugares conhecidos), mas esse parece ser muito mais macabro! Com certeza quero ler, e já sei de mais gente que se interessaria também! Beijos

  • Gosto bastante de livros de terror e suspense, e esse me chamou bastante a atenção pela capa, mesmo o subtítulo me deixando apreensivo, mas fiquei aliviado ao ler a resenha. hehehe

  • Lucas Fagundes

    Só por ser história sobrenatural já está na minha lista de leitura! Ainda mais por 4,5. Tomara que ela tenha uma pitada de terror tipo Stephen King, o mestre do Terror e suspense. Tenho grandes expectativas para esse livro.

  • Thaiza

    Amo assistir filmes de terror, vejo desde criança e nunca tive medo. Mas tenho um pouco de pé atrás com livros. hehehe
    Apesar disso, gostei da alusão a Divina Comédia.
    Também não gosto de poesias, acho que se eu pegar pra lê-lo isso vai me estressar um pouco.
    Mas se o livro é tão bom quanto você diz, acho que vale a pena.

  • Eriton

    Depois de ler os primeiros capitulos do livro é praticamente indispensável para o leitor continuar a ansiedade de quere saber o que vai acontecer com seus personagens ou se o seu personagem preferido vai morrer é quase impossivel de não se sentir. Esse é simplesmente um dos melhores livros que já li.

  • Luciana Cardoso

    Nossa que resenha hein…. e que história incrível de dar um tanto de medo rsrs… apesar de não ter lido muitos livros nesse estilo eu quero muito começar a ler, seria muito bom começar por essa trilogia.
    Adorei toda a trama envolvida, espero lê-lo em breve.
    Participando com toda certeza da promo.
    Meus parabéns pela resenha.