CabulosoCast #12 – Quadrinhos é literatura?

17

Olá ouvintes-leitores! Sejam bem-vindos a mais um CabulosoCast o seu podcast de livros e literatura. Neste episódio, que contou com a participação de Lucien, Serena, Sem Nome e o Coringa, vamos discutir se quadrinhos é ou não é literatura. Será que hoje com os quadrinhos presentes em escolas públicas e privadas os quadrinhos deveriam ser enquadrados na categoria literária? Já que não sabemos tudo chamamos alguns amigos podcasters para dar suas opiniões, portanto além dos quatros participantes citados acima também estarão ArgCast, Grifo Nosso, Hcast e Papo de Gordo. Bom episódio e boas leituras!

COMENTADO NO CAST

Argcast (podcast)

Entrelinhas – Quadrinhos é literatura? (vídeo)

Grifo Nosso (podcast)

Hcast (podcast)

Murphy’s Library (blog)

Nanie’s World (blog)

O mito da caverna por Maurício de Souza (vídeo)

Podcine (podcast)

Post de Serena no blog da Editora Leya (post)

Papo de gordo (podcast)

CITADOS NO CAST

Desvendando os quadrinhos de Scott McCloud (Ed. Makron Books)

Edição especial revista superinteressante – mundo estranho: DC grandes sagas (revista)

Joatan Preis Dutra: História & História em Quadrinhos – Título: A utilização das HQs como fonte histórica político-social (trabalho acadêmico)

Quadrinhos e arte seqüencial Will Eisner (Ed. Martins fontes)

Narrativas gráficas Will Eisner (Ed. Devir livraria)

Os bastidores de Watchmen de Dave Gibbons (Ed. Aleph)

René Gomes Rodrigues Jarcem da Faculdade Maurício de Nassau: Título da monografia: História das Histórias em Quadrinhos (trabalho acadêmico)

ASSINE NOSSO FEED

Tem iTunes? Adicione nosso FEED RSS.

EMAIL´S E COMENTÁRIOS

Gostou do episódio? Quer mandar um e-mail? cabulosocast@leitorcabuloso.com.br (ou deixe um comentário no post do blog).

BAIXAR O PODCAST

CabulosoCast #12 DOWNLOAD (formato zip)

PARTICIPARAM DO CAST

  • Gente, sem querer ser chato, Tintin ( leia-se tan tan) não é francês, é Belga (ou belgicano, como diria um comentarista esportivo).

    • Cara não sabíamos vai para a sessão de cagadas! Valeu Sr. Vanderbilt!

      • Coringa

        sério?! pensei que o cara era Francês!!! com aquele sotaque e aquele topete!!!
        heheheh

  • Opa! Acabei de ouvir o cast e achei ótimo, continuem com o ótimo podcast! Comentando sem assunto mesmo, já que não tenho nada para adicionar ao que foi discutido, acredito que vocês mostraram ótimos pontos referente ao tema e os discutiram bem.

    Abração.

    • é, Tintin é comigo mesmo!!! Sou fã!!!

    • Rataum,

      Muito obrigado pelos elogios ficamos muito felizes que tenha gostado do cast, mas nós sempre consideramos que o podcast é uma ferramenta para gerar debate e discussão, mesmo que não tenham nada para falar, mas fica a pergunta: você curti quadrinhos? Quais os Quadrinhos que você gosta? Muito obrigado pelo seu comentário!

  • Pingback: Carolina Vigna-Marú » Papo de Gordo 59 – Zen ou Estressado?()

  • Olá, pessoal,

    Vocês me mandaram o link do podcast para ouvir. Pois bem, ouvi e gostei! É um tema não muito explorado no universo do podcast brasileiro, e especificamente neste episódio, foi bom ouvir uma discussão sobre quadrinhos por uma ótica mais literária. Afinal, o que parece ser um passatempo (ler quadrinhos) pode ser altamente instrutivo sobre vários aspectos.

    Parabéns pelo trabalho, e continuem em frente!

    Abraços,

    • Eduardo Moreira,

      Muito obrigado por ter ouvido nosso programa, ao mandar o link esperava realmente que você mandasse sua opinião franca e sincera. Ficamos felizes ao saber que mesmo para alguém que já ouve tantos podcast, nós conseguimos supreendê-lo com a abordagem do tema. Como somos um podcast de literatura a ótica focada na literatura para nós é como uma metalinguagem.

      Mais uma vez muitíssimo obrigado pelo comentário e será lido no próximo episódio.

  • Pingback: LEITOR CABULOSO » QUADRINHOS: 10 QUADRINHOS QUE VOCÊ NÃO PODE DEIXAR DE LER()

  • Pingback: CabulosoCast « Estrelas PodCast()

  • Esse é um assunto muito interessante. Acho que o que torna essa discussão viva é simplesmente a definição de literatura, o que é muito difícil e relativa, sempre depende do ponto de vista.
    Mas, pessoalmente eu não vejo razão para ser tão profunda esta discussão se concebermos que os instrumentos de análise literária são pouco eficientes se usados para uma história em quadrinhos. Como o pessoal do cabuloso, também vejo HQ como uma arte, e uma bela duma arte, com sua próprias características. É uma pena que muitos ainda não reconheçam as HQs como arte, tanto no meio culto quanto no não-culto.
    Felizmente, há três períodos rola um curso de extensão sobre roteiro para quadrinhos aqui na faculdade de Letras; são apenas cinco ou seis aulas. Participei apenas de um período e entrei de penetra em duas aulas do último, rsrs. E esse dado aqui é interessante: na primeira vez do curso ele foi um dos últimos a ser lotado (acho que são 25 pessoas, no máximo ), mas já no terceiro, foi um dos primeiros a ser totalmente preenchido no ato das inscrições. E no final deste mês haverá o primeiro seminário sobre quadrinhos na faculdade. Acho sensacional como o tema ganhou força e como algumas pessoas daqui se esforçaram para que isso se tornasse possível, já que o meio acadêmico ainda possui muita dessa coisa de ver HQ como uma coisa marginalizada.
    Adorei o podcast e ri pacas no começo. kkkk.
    Abraços.

    • Luiz,

      Você é um corajoso por conseguir ouvir esse episódio não tem um áudio bom (na verdade nossos microfones eram horríveis) e eu ainda engatinhava no processo de edição. Mesmo assim a discussão sem sombra de dúvida foi uma das mais relevantes que tivemos e foi a partir deste episódio que começamos a usar o CabulosoCast para falar de “temas literários” e não ficar falando só de livros.

      Eu sempre quis que a minha faculdade se dedicasse a temáticas ligadas ao universo dos quadrinhos, mesmo assim eu era o único que pensava nisso (pelo menos na minha turma), fico muito feliz que a sua faculdade esteja nesse nível de pensar nos quadrinhos como arte.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraços.

  • Olá pessoal do Cabulosocast, sei que devo estar um “pouco” atrasado para comentar aqui mas só descobri esse episódio agora rs Em primeiro lugar, devo dizer que não achei o áudio ruim. Sobre o tema em si e a forma como foi discutido, achei muito interessante e dinâmico colocar outros argumentos no entre-blocos que, por sua vez, acrescentaram ainda mais ao debate. Já em relação a minha opinião, acredito sim que quadrinhos é literatura, mas de forma diferenciada e não para validar o meio enquanto forma de arte. É bom salientar isso pois muito se pensa hoje em dia nesta questão de quadrinhos e literatura não podem se relacionam por conta do primeiro ser mais considerado como um meio de entretenimento do que como arte. Na verdade, acho isso um absurdo pois é como reduzir as HQs a gibis apenas, o que chega até a ser ofensivo e preconceituoso. Afinal de contas, não existe gibi do Sandman, não é mesmo?

    A história em quadrinho é um meio de comunicação/forma de arte muito dinâmica e evolutiva. Prova disso é que a mesma estabelece relação não só com a literatura como com o cinema também. E, sim, não estou me referindo necessariamente a adaptações. A relação vai muito além disso. Aliás, a origem dos quadrinhos e do cinema é bem parecida, mas isso já é outro assunto e vou acabar me empolgando e falando demais.

    Só mais um detalhe, no século 19, acredito que um pouco antes do Yellow Kid do Richard Felton Oultcalt havia um italiano radicado aqui no Brasil chamado Ângelo Agostini que publicava tiras nos folhetins/jornais da época de cunho politico e satirico. Por muitos estudiosos , ele é considerado o pioneiro dos quadrinhos no Brasil e no mundo. Fica a dica.

    Abraços e parabéns pelo ótimo episódio, cabulosos

    • Lucien o Bibliotecário

      Marcos,

      Nenhum ouvinte está atrasado para comentar, todo e qualquer comentário será respondido.

      Eu não acho esse um dos melhores, pois gravávamos todos juntos em uma confusão que hoje não repetiria.

      Concordo com você que considerar quadrinhos como mero entretenimento seja um argumento bem idiota até certo ponto e mostra um completo desconhecimento de quem o fala, contudo ainda não concordo que ele será considerado literatura exatamente porque, os quadrinhos não precisem desta alcunha para serem validados.

      Mas que os quadrinhos usam a literatura como influência e que isso também seja recíproco é verdade. Afinal de contas existe Sandman, como você falou.

      Sobre o pioneirismo do Brasil, li um texto excelente no Cucuz Literário que fala exatamente disto http://www.cuzcuzliterario.com.br/quadrinhos/que-quadrinho-e-esse/

      Obrigado pelo comentário e por ouvir o CabulosoCast.

      Abraços.