RESENHA: “MAUS” DO VLADEK SPIEGELMAN

1

Posso dizer que essa foi a primeira sensação sentida por mim ao ler essa obra. A impressão que se tem ao olharmos a capa deste trabalho é a de que “deve ser apenas mais uma obra sobre a II Guerra Mundial”. É. Pensando bem, é mais um livro de um tema cada vez mais batido. Porém, a maneira com que o sueco radicado nos Estados Unidos, Art Spiegelman aborda tal tema, com todas as lembranças e desventuras vividas pelo seu pai, o polaco Vladek Spiegelman durante o período de beligerância.

Maus: a história de um sobrevivente (Companhia das Letras, 296 páginas) mostra Vladek Spiegelman narrando suas memórias para o filho Art, que desejava transformar a vida do

Autor

pai em uma história em quadrinhos. Durante várias visitas ao pai, Art Spiegelman munido de blocos de anotações e de gravadores colheu o depoimento sofrido de um sobrevivente do holocausto, todo o sofrimento que ele (o pai) e a esposa (a mãe do autor) viveram naqueles anos e, acima de tudo, a tenaz vontade de viver e escapar daquele sofrimento juntos.

Através da linguagem em quadrinhos, Maus (rato, em alemão) nos mostra as atrocidades cometidas pelos alemães nos campos de concentração e o cotidiano vivido pelos judeus nos guetos germânicos e polacos de uma maneira que nenhum dos livros que eu já li sobre a II Grande Guerra conseguiu contar.

“Um grande dilema”.

A ambientação perfeita aliada ao traço despojado, porém forte, do autor nos coloca dentro da zona de conflito. Isso faz nos sentirmos frágeis e indefesos. Tal qual os “ratos” que retratam os judeus na história.

Assim como os ratos retratam os judeus, os alemães são os seus piores inimigos, os gatos. Já os americanos, como inimigos dos nazistas, foram retratados como cães. Porém, todos “terrivelmente humanos”, de acordo com o jornal The New York Times.

Tenho a certeza de que ao ler Maus, vocês, caros leitores,terão a mesma sensação que eu tive: a de levar um soco forte no estômago.

Uma imagem vale mais que mil palavras.
  • Priscilla Rúbia

    Nossa, muito interessante. Vou procurar e ler com certeza *-*